A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações

Pré-visualização | Página 4 de 4

desde que as
condições de fato existentes no momento da assinatura do contrato
continuem as mesmas. 
É correto o que se afirma apenas em:
 I e II 
 I 
 II e III 
 I, II e III 
 II 
A resposta está correta, pois todas as afirmações são
verdadeiras.
A asserção I é verdadeira, pois o desemprego é fato do
cotidiano que, no contexto das relações trabalhistas, é
previsível, diante da possibilidade de demissão a qualquer
momento.
A asserção II é verdadeira, pois não basta a mera alteração nas
circunstâncias de fato para justificar a quebra do contrato. Para
se admitir a intervenção judicial no contrato, é essencial que as
partes não pudessem prever a mudança desse estado quando
de sua celebração e, no caso, o desemprego não é
circunstância extraordinária e imprevisível.
A asserção III é verdadeira, pois a teoria da imprevisão consiste
na possibilidade de revisão judicial dos contratos quando
ocorrem eventos extraordinários e imprevisíveis, tornando-se
excessivamente oneroso o cumprimento da obrigação por uma
das partes contratantes. A teoria da imprevisão é viabilizada
pela aplicação da cláusula rebus sic stantibus, pela qual as
regras do contrato devem continuar a valer, desde que as
condições de fato existentes no momento da assinatura do
contrato continuem as mesmas. 
0,6 / 0,6 ptsPergunta 10
Leia o texto abaixo:
O trabalhador que já tiver o direito de se aposentar poderá utilizar as
regras atuais mesmo que entre com pedido após a aprovação da
reforma da Previdência. O relatório com as novas regras da
aposentadoria deve ser discutido no plenário da Câmara nesta terça-
feira (9), com previsão de aprovação antes do dia 18, quando começa
o recesso parlamentar. 
Quem cumpriu os requisitos para se aposentar pelas regras atuais
está preservado pelo direito adquirido e não será afetado pela reforma
da Previdência. Nesses casos, o trabalhador mantém o direito de se
aposentar pelos critérios presentes, mesmo que Projeto de Emenda à
Constituição da reforma entre em vigor.
Isso vale para qualquer direito, porque a legislação, em tese, não pode
retroagir, apenas ser aplicada a partir do momento em que passar a
vigorar.
“Essa é uma questão definida dentro do sistema judiciário. Durante a
reforma da Previdência no fim dos anos 1990, houve uma
controvérsia, mas o STF [Supremo Tribunal Federal] se posicionou na
época sobre o assunto e determinou que o direito adquirido vale para
quem tenha completado os requisitos nos termos da norma anterior.
Não precisa ter feito o requerimento, basta ter completado o direito”,
explica o mestre em direito constitucional Rodrigo Mello, professor de
direito no Centro Universitário de Brasília (Uniceub).
(R7. Quem tem já direito a se aposentar pode usar regra atual após reforma. Disponível em:
https://noticias.r7.com/economia/quem-tem-ja-direito-a-se-aposentar-pode-usar-regra-atual-apos-
reforma-08072019. Acesso em: 30 jul. 2019)
O direito adquirido revela-se como uma faceta de qual princípio
constitucional?
 Princípio da proporcionalidade 
 Princípio da segurança jurídica 
 Princípio da legalidade 
 Princípio do devido processo legal 
 Princípio do contraditório e da ampla defesa 
A resposta está correta.
O princípio da segurança jurídica está relacionado à sucessão
das leis no tempo e no espaço, e está ligado à confiança que o
cidadão tem de que as mudanças no ordenamento jurídico não
irão afetar os direitos existentes quando da promulgação de
uma nova lei, e é por isso que o inc. XXXVI do art. 5° da
Constituição Federal determina que “a lei não prejudicará o
direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada”. Se
um direito não foi exercido e uma nova lei é promulgada, ele se
transforma em direito adquirido, porque esse direito era
exercitável e exigível à época da lei antiga, e a lei nova não
prejudicá-lo.
Pontuação do teste: 6 de 6

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.