A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Módulo 1

Pré-visualização | Página 1 de 3

Introdução ao Módulo 1
Boas vindas ao curso Análise Ex Ante de Políticas Públicas e ao Módulo 1 – Reforma das políticas públicas e a tríade governança, avaliação de políticas públicas e análise de impacto regulatório. 
As cinco videoaulas deste módulo abordam o seguinte conteúdo programático:
Reformas estruturantes e a busca por maior racionalidade na gestão pública (9'52'').
Governança no governo federal (6'40'').
Avaliação de políticas públicas (7'39'').
Análise de impacto regulatório (5'47'').
O Papel da Análise Ex Ante (8'45'').
Como será a avaliação?
Após cada vídeo são disponibilizadas até duas questões avaliativas referentes ao conteúdo apresentado.
Antes de responder cada questão, tenha atenção para as seguintes orientações:
Dentro de cada módulo é possível assistir ao vídeo somente uma vez. Mas, você poderá assistir todos os vídeos quantas vezes considerar necessário acessando a Biblioteca do curso.
São permitidas duas tentativas de respostas. Após escolher uma alternativa clique em Enviar. Na página seguinte será apresentado o feedback.
Somente é possível avançar para o vídeo seguinte após responder à questão que o antecede. Assim, após ler o feedback clique em Avançar.
Seu progresso sempre será salvo. Então, está tudo bem caso queira continuar mais tarde.
Para a resolução das atividades, sugere-se que sejam levadas em consideração também as informações disponíveis no Guia Prático de Análise Ex Ante.
Vamos então iniciar? Bons estudos!
Vídeo 1 - Reformas estruturantes e a busca por maior racionalidade na gestão pública
Conteúdo:
1. Panorama fiscal.
2. Necessidade de o Estado prestar melhores serviços e ter maior capacidade de resposta à sociedade.
3. Reforma das políticas públicas e racionalização do Estado brasileiro.
4. Teto dos gastos e a sua relação com a priorização das políticas públicas.
5. Entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
6. Aprovação dos guias no Comitê Interministerial de Governança (CIG).
7. Importância de institucionalizar instrumentos de governança para a administração pública e para o servidor.
Palestrante: Marcelo Pacheco dos Guaranys
Módulo 1 – Reforma das políticas públicas e a tríade governança, avaliação de políticas públicas e análise de impacto regulatório
Feedback
Tendo por base a discussão sobre a modernização e reforma do Estado, associe a alternativa correspondente aos elementos citados:
a) Analisa a norma antes de ser publicada, homogeneíza essas práticas entre órgãos reguladores e traz maior benefício público com menor custo. Análise de Impacto Regulatório 
b) Auxilia na definição sobre a melhor alocação dos recursos públicos entre políticas públicas, bem como considera a restrição fiscal. Avaliação de Políticas Públicas 
c) Implica em melhor coordenação, simplificação e integração dos serviços públicos. Governança 
d) Contribuem para melhor ambiente de negócios, maior estabilidade regulatória e melhores escolhas. Reformas Estruturantes 
e) Experiências de outros países, adaptação e cooperação para incorporar ao contexto local. Boas práticas internacionais 
Análise de Impacto Regulatório: Analisa a norma antes de ser publicada, homogeneíza essas práticas entre órgãos reguladores e traz maior benefício público com menor custo.
Avaliação de Políticas Públicas: Auxilia na definição sobre a melhor alocação dos recursos públicos entre políticas públicas, bem como considera a restrição fiscal.
Governança: Implica em melhor coordenação, simplificação e integração dos serviços públicos.
Reformas Estruturantes: Contribuem para melhor ambiente de negócios, maior estabilidade regulatória e melhores escolhas.
Boas práticas internacionais: Experiências de outros países, adaptação e cooperação para incorporar ao contexto local.
QUESTOES VÍDEO 02
Conteúdo:
Conceituação, princípios e diretrizes de governança.
Histórico recente de aperfeiçoamento da Governança (Projeto de Lei e Decreto 9.203/2017).
Comitês de governança.
Palestrante: Erika Melissa O. França Nassar
Questão 1 do vídeo 2
Considerando o funcionamento da política de governança no âmbito da administração pública federal, previsto no Decreto nº 9.203/17, assinale a alternativa correta.
A sua resposta :
e) O Comitê Interministerial de Governança (CIG) pode aprovar recomendações a uma comissão criada com o objetivo de executar uma política de governança relativa a tema específico.
Sua resposta está correta.
Feedback
Considerando o funcionamento da política de governança no âmbito da administração pública federal, previsto no Decreto nº 9.203/17, assinale a alternativa correta.
1) O Comitê Interministerial de Governança (CIG) é composto pelo Presidente da República, que o coordena, e pelos Ministros de Estado da Casa Civil, do Planejamento, da Fazenda e da Transparência. 
2) As recomendações oriundas de guias e manuais aprovados pelo Comitê Interministerial de Governança não precisam ser incorporadas por órgãos e entidades da administração pública federal. 
3) Os comitês internos de governança são instituídos por ato do Comitê Interministerial de Governança (CIG). 
4) Apenas os órgãos cujos dirigentes integram o CIG podem encaminhar propostas com medidas, mecanismos e práticas organizacionais para promoção da boa governança. 
5) O Comitê Interministerial de Governança (CIG) pode aprovar recomendações a uma comissão criada com o objetivo de executar uma política de governança relativa a tema específico.
Está correta a alternativa ‘e’. Trata-se da competência prevista no art. 9º, III, do Decreto nº 9.203/17. Note-se que uma “comissão criada com o objetivo de executar uma política de governança relativa a tema específico” é um dos tipos de colegiados temáticos, nos termos do §2 do art. 9º. Tem-se como exemplo de colegiado temático voltado à promoção da governança tem-se o Comitê de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas Federais (CMAP), instituído por meio da Portaria Interministerial nº 102, de 07 de abril de 2016.
A alternativa ‘b’ está incorreta. O Presidente da República não faz parte do CIG. Vide art. 8º do Decreto nº 9.203/17.
A alternativa ‘c’ está incorreta. A regra, embora o CIG possa decidir de forma distinta, é que as recomendações sejam incorporadas pelos órgãos e entidades de acordo com as especificidades e com o nível de maturidade institucional de cada um. Vide art. 13, I, do Decreto nº 9.203/17.
A alternativa ‘d’ está incorreta. Os comitês internos de governança são instituídos por ato do dirigente máximo do órgão ou entidade. Vide art 14, caput, do Decreto nº 9.203/17.
A alternativa ‘e’ está incorreta. Conforme art. 13, II, do Decreto nº 9.203/17, todos os órgãos e entidades podem colaborar com propostas, submetendo-as ao CIG.
Questão 2 do Vídeo 2
A Constituição Federal de 1988 (CF/1988), no art. 174, § 1º, dispõe que “a lei estabelecerá as diretrizes e bases do planejamento do desenvolvimento nacional equilibrado, o qual incorporará e compatibilizará os planos nacionais e regionais de desenvolvimento” (Brasil, 1988). Os constituintes dispuseram, também, que o planejamento é determinante para o setor público e indicativo para o setor privado.
Visando atender a esse dispositivo constitucional, o Poder Executivo encaminhou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei (PL) no 9.163, de 23 de novembro de 2017, que “dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional” (Brasil, 2017a). Dentre outros comandos do PL, destaca-se a definição dos instrumentos que devem compor o planejamento do desenvolvimento nacional equilibrado, incluindo a Estratégia Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. O PL também determina o encadeamento lógico dos instrumentos que compõem o planejamento nacional (figura 1), sendo a estratégia a balizadora para os planos nacionais, setoriais e regionais; e para o PPA, que, por sua vez, deverá orientar as leis orçamentárias anuais.
Fonte: BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Estratégia Nacional de Desenvolvimento
Econômico e Social.