A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
Indicadores Epidemiológicos

Pré-visualização | Página 1 de 2

INDICADORES DE 
SAÚDE
OU INDICADORES 
EPIDEMIOLÓGICOS
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
OU
INDICADORES DE SAÚDE
representam a expressão numérica de diversos EVENTOS que 
podem ocorrer numa POPULAÇÃO e dentre eles destacam-se como 
principais os Coeficientes de Natalidade, Morbidade, Letalidade e 
Mortalidade.
O termo distribuição pode ser observado em qualquer definição 
de Epidemiologia. Distribuição, neste sentido, é entendida como 
“o estudo da variabilidade da frequência das doenças de 
ocorrência em massa, em função de variáveis ambientais e 
populacionais ligadas ao tempo e ao espaço”.
Dessa forma, um primeiro passo em um estudo epidemiológico é 
analisar o padrão de ocorrência de doenças segundo três 
vertentes: pessoas, tempo e espaço, método este também 
conhecido como “epidemiologia descritiva” e que responde as 
perguntas quem?, quando? e onde?
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
OU
INDICADORES DE SAÚDE
Todo Indicador está relacionado a um:
Local: 
município, estado, país, continente...
Espaço de tempo:
horas, dias, semanas, mês, ano, década...
Determinada população:
espécie, gênero (macho ou fêmea), idade, raça...
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
OU
INDICADORES DE SAÚDE 
Por que utilizar?
• analisar a situação atual de saúde; 
• fazer comparações; 
• avaliar mudanças ao longo do tempo. 
analisar a situação atual de saúde
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352006000200001
fazer comparações
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/situacao-epidemiologica-dados-febreamarela
avaliar mudanças ao longo do tempo
avaliar mudanças ao longo do tempo
https://www.metrojornal.com.br/foco/2018/01/18/6-perguntas-sobre-o-avanco-da-febre-amarela-e-a-vacinacao-contra-a-doenca.html
http://genereporter.blogspot.com.br/2018/02/por-que-nao-temos-febre-amarela-urbana.html
FREQUENCIA RELATIVA
COEFICIENTES
(ou Taxas)
Expressa o risco, a probabilidade, que um 
indivíduo do denominador tem de apresentar o 
atributo ou evento que consta no numerador:
NÚMERO DE ÓBITOS POR TUBERCULOSE NA CIDADE “X” NO ANO “Y” = 0,035
NÚMERO DE CASOS DE TUBERCULOSE NAQUELA CIDADE NAQUELE ANO
MORBIDADE
frequência de doentes, ou infectados, numa 
população
avalia a probabilidade de um indivíduo estar 
doente, ou infectado, numa dada população 
MORBIDADE
 Incidência (“ I ” ou Coeficiente de Morbidade 
Incidente)
 avalia a frequência com que surgem os casos 
novos numa população.
I = CASOS NOVOS DE DETERMINADA DOENÇA NA LOCALIDADE “X” NO PERÍODO “Y”
POPULAÇÃO SUSCETÍVEL À DOENÇA NA MESMA LOCALIDADE E PERÍODO
Situação A: Ocorrência e duração da doença 
em 200 bovinos na Fazenda Boa Sorte, 
município Reza Brava, em 18 meses. janeiro de 
2005 e julho de 2006.
Incidência
I = CASOS NOVOS DE DETERMINADA DOENÇA NA LOCALIDADE “X” NO PERÍODO “Y”
POPULAÇÃO SUSCETÍVEL À DOENÇA NA MESMA LOCALIDADE E PERÍODO
Situação 1 semestre de 2006
População 200 bovinos
# total de casos: 8
# total de novos casos: 4
População 200 ---------- 100%
4 ------------- ICasos novos
200 x I = 4 x 100%
400%
I = ------------
200
= 2 %
O Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD) 
caracteriza as áreas do país de acordo com a taxa de 
incidência:
· Áreas de baixa incidência: regiões, estados ou 
municípios com taxa de incidência menor que 100
casos por 100.000 habitantes;
· Áreas de média incidência: regiões, estados ou 
municípios com taxa de incidência entre 100 e 300
casos por 100.000 habitantes;
· Áreas de alta incidência: regiões, estados ou 
municípios com taxa de incidência maior que 300
casos por 100.000 habitantes.
População : 14.387.225 habitantes 
1. EXERCÍCIO: (CETRO) O Coeficiente (ou Taxa) de Incidência é 
expresso pela seguinte fórmula:
a) Nº de casos existentes (novos + antigos) em dado local / momento / período x 10n
População do mesmo local e período 
b) Nº de casos de uma determinada doença em dado local e período x 100
População exposta ao risco
c) Nº de óbitos em um dado período x 1.000
População do mesmo local e período
d) Nº de casos novos de uma doença em um local e período x 10n
População do mesmo local e período
e) Nº de óbitos pela doença em determinada área e período x 100 ou 1.000
Nº total de pessoas com a doença na mesma área e período
MORBIDADE
Prevalência 
(“P ” ou Coeficiente de Morbidade Prevalente) –
mede a frequência de casos de doenças 
existentes numa população em um determinado 
momento ou intervalo de tempo restrito ,sem 
distinguir os casos novos dos casos antigos. 
NÚMERO DE CASOS DE DETERMINADA DOENÇA NUM DADO PERÍODO E LOCAL
POPULAÇÃO EXISTENTE NAQUELE PERÍODO E LOCAL
Morbidade Prevalente
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352006000200001
Situação A: Ocorrência e duração da doença 
em 200 bovinos na Fazenda Boa Sorte, 
município Reza Brava, em 18 meses. janeiro de 
2005 e julho de 2006.
Prevalência
NÚMERO DE CASOS DE DETERMINADA DOENÇA NUM DADO PERÍODO E LOCAL
POPULAÇÃO EXISTENTE NAQUELE PERÍODO E LOCAL
Situação 1 semestre de 2006
População 200 bovinos
# total de casos: 8
# total de novos casos: 4
População 200 ---------- 100%
8 ------------- PTotal de casos
200 x P = 8 x 100%
800%
P = ------------
200
= 4 %
LETALIDADE
(ou Fatalidade)
 Expressa o risco de morrer, por determinada doença, a 
que estão expostos os indivíduos por ela acometidos e 
oferece elementos para o prognóstico da doença.
NÚMERO DE ÓBITOS POR DETERMINADA DOENÇA NA LOCALIDADE “X” E PERÍODO “X”
NÚMERO DE CASOS DA DOENÇA NA MESMA LOCALIDADE E PERÍODO
Situação A: Ocorrência e duração da doença 
em 200 bovinos na Fazenda Boa Sorte, 
município Reza Brava, em 18 meses. janeiro de 
2005 e julho de 2006.
Letalidade
NÚMERO DE ÓBITOS POR DETERMINADA DOENÇA NA LOCALIDADE “X” E PERÍODO “X”
NÚMERO DE CASOS DA DOENÇA NA MESMA LOCALIDADE E PERÍODO
Situação 1 semestre de 2006
População 200 bovinos
# total de casos: 8
# total de novos casos: 4
Doentes 8 ---------- 100%
4 ------------- LRisco
8 x L = 4 x 100%
400%
L = ------------
8
= 50 %
# total de óbitos: 4
LETALIDADE - DENGUE
Ano Casos Óbitos
2003 578 38
2002 2707 150
2001 682 29
2000 51 -
1999 72 3
1998 105 10
1997 46 9
1995 114 2
1994 25 11
1993 0 0
1992 0 0
1990 274 8
1989 0 -
1988 0 -
1986 0 -
Relatórios Gerenciais - Febre Hemorrágica de Dengue - Casos e Óbitos
LETALIDADE - DENGUE
Ano Casos Óbitos
Taxa de 
Letalidad
e
2003 578 38 6,57 %
2002 2.707 150 5,54 %
2001 682 29 4,25 %
2000 51 3 5,88 %
1999 72 3 4,17 %
1998 105 10 9,52 %
1997 46 9 19,57 %
1995 114 2 1,75 %
1994 25 11 44,00 %
1993 0 0 0,00 %
1992 0 0 0,00 %
1990 274 8 2,92 %
1989 0 0 0,00 %
1988 0 0 0,00 %
1986 0 0 0,00 %
Relatórios Gerenciais - Febre Hemorrágica de Dengue - Casos e Óbitos 
Brasil
Ano: 2008
Casos: 57.000
Óbitos:67
02. EXERCÍCIO: (VUNESP) O coeficiente de letalidade deve ser 
entendido como relação entre:
a) total de mortos na população / população total.
b) número de mortos por dada doença / total de acometidos pela mesma 
doença.
c) total de mortos na população / total de doentes da população.
d) número de mortos por dada doença / população total.
e) número de mortos por dada doença / total de doentes da população.
03. EXERCÍCIO (CETRO) Assinale a alternativa correta. 
a) A taxa de letalidade expressa a frequência relativa de casos novos na população, 
em uma dada região, durante um determinado período de tempo.
b) O coeficiente de morbidade incidente expressa a frequência de uma doença em 
uma população de uma região refletindo o risco ou a probabilidade que apresenta 
um indivíduo dessa população de morrer.
c) O coeficiente de morbidade revela a capacidade que um agente tem de causar a 
morte de um indivíduo de uma dada população, em uma região definida, durante 
determinado período de tempo.
d) O coeficiente de morbidade prevalente reflete a frequência de todos os casos 
existentes em uma população, novos e antigos, num determinado momento ou 
período de tempo.