A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
INTRODUÇÃO ALIMENTAR

Pré-visualização | Página 1 de 1

VICTORIA CHAGAS 
1 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
ALIMENTAR 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VICTORIA CHAGAS 
2 
 
 
INTRODUÇÃO ALIMENTAR E ACIDENTES NA INFÂNCIA 
❖ INTRODUÇÃO ALIMENTAR 
 
 Alimentação saudável → crescimento, desenvolvimento e prevenção de doenças 
 Nos primeiros meses TGI, rins, fígado e sistema imune encontram-se em fase de maturação 
 há evidente relação entre más práticas de alimentação no 1º ano de vida e obesidade. 
 
 10 PASSOS SEGUNDO MINISTÉRIO DA SAÚDE: 
1. Somente leite materno até os 6 meses 
2. >6 meses introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo leite materno por 
2 anos ou mais → alimentos com cereais, leguminosas, carnes, ovo e hortaliças desde a 
primeira papa. Ampla em proteínas e glúten para adquirir tolerância. 
3. >6 meses dar alimentos complementares 3 vezes ao dia se continuar com o leite materno. 
Caso esteja sem amamentação 5 vezes ao dia. 
4. Alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando a 
vontade da criança → ajuda aprender distinguir sensação de fome e satisfação. Intervalos 
devem ser regulares (de 2 a 3 horas) evitando comer entre elas. 
5. Alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecido com colher. 
Começar com consistência pastosa (papas e pures) e gradativamente ↑ consistência. 
6. Oferecer diferentes alimentos todos os dias (cores e sabores) → caso criança rejeite 
alimento, oferecer outras vezes (média de 8 a 10 exposições para novo alimentar ser aceito) 
7. Estimular consumo diário de frutas, verduras e legumes. 
8. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes e outras guloseimas nos 1º anos de vida. 
9. Cuidar da higiene no preparo e garantir conservação/armazenamento adequados 
10. Estimular criança doente a se alimentar, oferecendo alimentos preferidos 
 
 Porque 6 meses? Atinge 
estágio de desenvolvimento 
fisiológico e neurológico com 
atenuação do reflexo da 
língua facilitando a ingestão 
de alimentos semissólidos. 
Além disso, enzimas digestivas 
são produzidas em 
quantidades suficientes. 
 
 Porque não antes de 6 meses? 
Sistema digestório e renal são 
imaturos; alta 
permeabilidade do tubo digestório podendo causar hipersensibilidade; rim imatura não 
consegue concentrar urina para eliminar altas concentrações de solutos de alguns 
alimentos. 
 
 Alimentos utilizados pela família → primeiro em papa e podendo ser apresentado em 
pequenos pedaços dos 9 aos 11 meses. Aos 12 meses na mesma consistência da família. 
 
 Água → junto com alimentação complementar devido maior sobrecarga de solutos 
 Leite de vaca → pode ser oferecida após 12 meses. Um dos grandes responsáveis pela 
anemia ferropriva em <2 anos no Brasil (para cada mês de ingestão de leite de vaca a partir 
do quarto mês de vida ocorre queda de 0,2g/dL nos níveis de hemoglobina) 
 
VICTORIA CHAGAS 
3 
 
 Com o crescimento acelerado do primeiro ano de vida, os requerimentos de ferro e zinco 
aumentam muito além do que o leite materno costuma oferecer → Cerca de 50-70% do 
zinco e 70-80% do ferro, deverá vir de fontes complementares (Carnes e vísceras). 
 Papas devem ser amassadas sem peneirar ou liquidificas → aproveitar fibras 
 Carne de 50-70g para duas papas deve ser cozida e amassada/desfiada 
 Recomenda-se iniciar com ↓ quantidades do alimento, entre 1 e 2 colheres de chá, 
colocando-se o alimento na ponta da colher e ↑ volume conforme a aceitação da criança. 
 O hábito alimentar e o estilo de vida saudáveis devem ser praticados por todos os familiares. 
 
❖ ACIDENTES NA INFÂNCIA 
 
 Trauma no mundo → principal causa 
de morte em crianças e adultos jovens 
 830 mil crianças mortas devido a 
acidentes ao ano 
 
 Características socioeconômicas → 
baixa renda, pouca educação 
materna, pais solteiros, muitos filhos ou 
pessoas habitando mesma casa. 
 
 Crianças possuem habilidade limitada 
em reconhecer perigos e escapar de 
situações perigosas; além do desejo 
de explorar. 
 
 0 a 4 anos → não possui coordenação, não reconhece perigos, imita adultos e reação é 
lenta e limitada. 
 Crianças maiores → assumem tarefas de adultos, maior interesse pelo perigo e correr riscos, 
tendência a desafiar uns aos outros e maior tempo sem supervisão. 
 
▪ 0-1 ano → frágil → acidentes mais comuns são sufocação e quedas 
▪ 2-4 anos → curiosidade/inconsequência → acidentes como afogamentos, quedas, 
queimaduras e no trânsito. 
▪ 5-9 anos → influenciável → acidentes no trânsito, afogamento, quedas e queimaduras 
 
 No trânsito → até 1 ano no bebê conforto de costas; 1 a 4 anos na cadeirinha; 4 a 7 anos 
com assento de elevação no banco de trás e 7-10 anos banco de trás com cinto. 
 
 Em casa → tomar cuidado com chão molhado, vaso e utensílios cortantes; armários; 
escada; quinas; andador; área de serviço (produtos químicos); tomadas; piscina; janelas ... 
 
SAMU 192, Disque Direitos Humanos 100, Corpo de Bombeiros 193, Disque SUS 136