A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Atividade contextualizada Bioquimica aplicada

Pré-visualização | Página 1 de 1

Faculdade Uninassau
Curso: Farmácia Disciplina: Bioquímica aplicada Professor (a): Leiliandry de Araujo Melo Tutor (a): Beatriz Santos de Lima Aluno: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Atividade contextualizada
A hipercolesterolemia familiar (HF) é caracterizada por alterações no nível de colesterol circulante causado por um defeito no gene LDLR que codifica o receptor de LDL.O diagnóstico é estabelecido por critérios clínico se laboratoriais e pode ser confirmado por análise genética que identifique a mutação do gene. 
 Considerando essas informações, observe o caso clínico a seguir: 
 
R.J.S., 36 anos, tem história de hipercolesterolemia desde os 16 anos que mantinha sob controle apenas com dieta e atividade física, mas há 2 anos sofreu acidente de moto que comprometeu a realização de exercícios físicos. Pai e tia tem histórico dessa mesma doença (colesterol total > 294 mg/dL) e a vó paterna faleceu devido a IAM. Em fevereiro de 2018, após muita insistência de sua esposa, procurou a unidade de saúde para realização de exames. Na primeira consulta: Peso= 71Kg, Altura = 1,68cm, PA = 130/80 mmHg, FC= 71bpm. Presença de xantomas em calcanhares. Apresentou alterações nos parâmetros lipídicos, tendo iniciado o uso de atorvastatina 20 mg, mas devido ao uso irregular, após 3 meses, dose mudou para atorvastatina 40 mg. Compare o resultado dos exames:
	Variável
	Valor de Referencia
	mar/18
	set/18
	
	
	
	
	Colesterol Total
	<190mg/DL
	387mg/DL
	212mg/DL
	
	
	
	
	HDLc
	>40 mg/DL
	88mg/DL
	95mg/DL
	
	
	
	
	LDLc
	<100mg/DL
	258mg/DL
	140mg/DL
	
	
	
	
	Triglicerídeos
	<150mg/DL
	95mg/DL
	98mg/DL
	
	
	
	
Os resultados mostram o efeito positivo do uso da medicação e acompanhamento regular com médico. Há 2 meses adaptou os exercícios físicos de com acordo com sua limitação e segue em dieta controlada. 
A identificação precoce da HF contribui para redução de complicações cardiovasculares e morbimortalidade. 
 Sendo assim, como podemos explicar a melhora no lipidograma do paciente após a introdução da medicação? 
Qual o mecanismo bioquímico que leva ao acúmulo de LDL? 
Como a HF pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares? 
Quais os valores de referência para cada variável apresentada? 
Por que mesmo com o aumento nos níveis de HDL o paciente teve uma melhora? 
Identifique 3 sinais e sintomas característicos da doença são relatados nesse caso clínico. 
Na atividade em discussão percebemos que o paciente apresenta um quadro de sedentarismo em consequência das limitações causadas por um acidente. Por ser portador de HF ele teve a fração de colesterol LDL bastante aumentada, com a introdução do medicamento atorvastatina, houve redução do LDL que é a fração prejudicial e o aumento do HDL fração boa. A atorvastatina age pela inibição de produção de colesterol pelo fígado, aumentando a absorção e destruição de frações prejudiciais (LDL) do colesterol. Quando há uma concentração elevada de colesterol ligado à LDL, verifica-se uma maior chance de desenvolvimento de aterosclerose, uma doença caracterizada pela formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos. A LDL em excesso pode depositar-se nos vasos sanguíneos e sofrer oxidação. Isso leva a uma modificação na estrutura da LDL, fazendo com que as células endoteliais não a reconheçam, o que estimula a ação do sistema imunológico. Com isso, ocorre a formação da placa aterosclerótica (manifestações da aterosclerose que podem obstruir um vaso), que leva a problemas cardiovasculares e até mesmo vasculares cerebrais. Uma das doenças que resultam nesse índice elevado do colesterol é a HF (hipercolesteronemia familiar), é uma doença hereditária que leva a doença cardiovascular agressiva e prematura. Isto inclui infarto do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais e até mesmo estreitamento das válvulas cardíacas. 
Os valores de referência para as frações de colesterol são: valor de colesterol total com ou sem jejum < 190; HDLc com e sem jejum >40; LDLc (baixo) com e sem jejum < 130; triglicerídeos com jejum < 150 sem jejum, <175. 
 Com o aumento do HDL o paciente apresentou uma melhora, pois ele é a fração boa do colesterol no sangue. Os sinais que o paciente apresenta no caso clinico em analise são aumento do colesterol desde os 16 anos, histórico familiar de hipercolesteronemia com óbito na família devido doenças cardiovasculares, e presença de xantomas nos calcanhares que é um sinal bem característico de colesterol elevado. 
Referencias de pesquisa: 
Magalhães ME 2017, Novas metas de colesterol da Diretriz de Dislipidemia da SBC, disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ijcs/v30n6/pt2359-4802-ijcs-30-06- 0466.pdf, Acesso: 22/09/2020. 
Sociedade Brasileira de Endocrinologia e metabologia S BEM, Curiosidades sobre o colesterol; disponível em: https://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-o-colesterol/; Acesso em: 22/09/2020. 
Associação hipercolesteronemia familiar AHF, Prevenção e tratamento da hipercolesteronemia familiar; disponível em: http://www.ahfcolesterol.org/prevencao-e-tratamento/. Acesso em: 22/09/2020.