A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
167 pág.
Ensinando Permacultura e-book 18mar2020

Pré-visualização | Página 8 de 31

e com qual 
finalidade. Na natureza todos os elementos possuem uma fonte 
energética embutida, com maior ou menor grau de concentração. 
A captação de energia deve vir acompanhada de um uso adequado 
e de uma armazenagem para que algum possível período de es- 
cassez energética seja superado com tranquilidade. (Princípio 2: 
Capte e armazene energia.)
i) Utilizar materiais, fluxos de energia e valorizar os serviços am- 
bientais de ciclo curto e local. (Princípio 5: Use e valorize os serviços 
e recursos renováveis.)
|| 42 ||
j) Deve-se observar a disposição e a interação entre os elementos e 
os processos presentes em determinada área para então começar 
a interagir fazendo reflexões, planejamentos e ações sobre ela. 
(Princípio 1: Observe e interaja.)
k) A natureza fornece respostas em relação às interações que mantemos 
com ela. Essas respostas podem contribuir para o crescimento da 
produção, seja ela de energia, alimentos ou outros itens, ou para a 
diminuição dela. Para buscar um equilíbrio no sistema é preciso 
estar atento a esses efeitos. (Princípio 4: Pratique a autorregulação 
e aceite feedback.)
l) Para se construir um futuro mais seguro e saudável é necessário 
ter as necessidades atuais supridas. Portanto, deve-se pensar em 
resultados a curto, médio e longo prazo. (Princípio 3: Obtenha 
rendimento.)
Conteúdo complementar
Vídeos
• Assista à playlist “PDC – Éticas e princípios de planejamento”, no 
canal do NEPerma/UFSC no YouTube.
Leitura
• “Princípios da Permacultura” – website ilustrativo.
Aula
• Acesse o conteúdo da aula “Éticas e princípios de planejamento”.
Referências sugeridas
DIXON, Milton. Future Care. Permaculture Productions LLC. Disponível em: 
https://permacultureproductions.com/2014/01/future-care/. Acesso em: 26 out. 2017.
HARLAND, Maddy. Future Care – redefining the third permaculture ethic. 
https://www.youtube.com/playlist?list=PLBkLTk0zlYHv0Z1x_8dSDFpijaTJBW3d3
http://permacultureprinciples.com/pt/
http://docs.google.com/presentation/d/e/2PACX-1vQuzd5UOtQCfZ3BsEMODH2Nm4h7wfilmOULOxAAzBHvf7SGtdvQThoJgIGKxK83UMtE8DGSNcr39O8I/pub?start=false&loop=false&delayms=60000&slide=id.p
https://permacultureproductions.com/2014/01/future-care/
|| 43 ||
Permaculture International, n. 95, Spring 2018. Disponível em: https://www.
permaculture.co.uk/. Acesso em: 14 mar. 2018.
HOLMGREN, David. Permacultura: princípios e caminhos além da 
sustentabilidade. Tradução Luzia Araújo. Porto Alegre: Via Sapiens, 2013. 416 p.
PERMACULTURE Ethics and Principles. In: WITHONEPLANET. The Tropical 
Permaculture Guidebook: A Gift from Timor-Leste. International Edition 2017. v. 1. 
ISBN: 978-0-6481669-9-3. Disponível em: https://permacultureguidebook.org/. 
Acesso em: 10 jul. 2018.
https://www.permaculture.co.uk/articles/redefining-third-permaculture-ethic-future-care
https://www.permaculture.co.uk/articles/redefining-third-permaculture-ethic-future-care
https://permacultureguidebook.org/
5
Fundamentos de Ecologia
Arno Blankensteyn 
Pedro Buss Martins
Importância
Considerando os humanos como espécie pertencente à bio- 
diversidade, podemos compreender a Permacultura como Ecologia 
humana aplicada, no sentido de planejar espaços sustentáveis e promover 
qualidade de vida para as populações atuais e futuras. O permacultor 
age numa interação harmoniosa com os ecossistemas, o que promove o 
aumento da diversidade e a produção de alimentos orgânicos, utilizando 
modelos naturais. O planeta é entendido como um organismo vivo, com 
estruturas, relações e funções interligadas e interdependentes.
Objetivos
Perceber que a Permacultura, na sua abordagem sistêmica, baseia-
se na Ecologia como ciência-mãe. Reconhecer a importância do equilíbrio 
dinâmico da biosfera. Possibilitar a aplicação dos fundamentos de Ecologia 
no planejamento e na criação de paisagens permaculturais e na sua 
integração com os demais princípios e conceitos da Permacultura.
|| 45 ||
Conteúdo mínimo
• Conceito de Ecologia. Ecologia da biosfera e a visão planetária. 
A geomorfologia, o clima e os ecossistemas vinculados.
• Gradientes ambientais e microclimas: fatores físicos, químicos e 
biológicos.
• Ecologia florestal: fluxos de energia e matéria, sucessão natural e 
interações biológicas.
• Ecologia aplicada à paisagem planejada, na construção e manu- 
tenção de agroecossistemas e na recuperação de áreas degradadas 
através de seu uso sustentável.
• Reciclagem de matérias-primas e vermicompostagem.
Metodologia
Aula expositiva e dialogada, na qual são construídos os conceitos 
fundamentais de Ecologia, utilizando ferramentas como projetor, quadro 
branco e vídeos. Prática e dinâmica para demonstrar conceitos discutidos 
anteriormente ou apresentar novos.
Exposição
 60 min
O instrutor conduz uma exposição sobre os fundamentos e prin- 
cipais aspectos da Ecologia, da visão planetária da biosfera aos biomas, 
ecossistemas naturais e agroecossistemas. Deve-se manter diálogo com a 
turma, apresentando questionamentos e incentivando a participação dos 
estudantes, pautando-se pelos seguintes temas: visão planetária, gradientes 
ambientais e microclimas, ecologia florestal, ecologia aplicada, reciclagem 
e vermicompostagem.
o que é ecologia?
No momento inicial pode-se construir com a turma o conceito de 
Ecologia. É possível pautar a conversa na definição do próprio termo Ecologia 
(do grego oikos = casa, logia = estudo), e a partir daí explorar os objetivos, 
objetos de estudo e aplicações da Ecologia.
|| 46 ||
a viSão Planetária
Recomenda-se abordar a tectônica de placas como processo gerador 
do relevo e a resposta geomorfológica que auxilia na definição de diferentes 
climas. Como exemplo, pode-se apresentar o caso da cadeia de montanhas da 
Serra do Mar, que se estende do Sudeste ao Sul do Brasil, e que confere a essa 
grande região um clima e características similares. Destacar que a umidade 
que evapora do oceano viaja para o interior do continente até encontrar a 
serra. Aí o vapor d’água condensa-se e cai em forma de chuva, abastecendo 
com umidade a região litorânea e permitindo o desenvolvimento do bioma 
Floresta Atlântica.1 A partir disso, pode-se trabalhar o ciclo da água e seu 
papel essencial para a ecologia terrestre, traçando, por exemplo, o caminho 
dos rios desde a nascente até o mar e alguns fenômenos como o transporte de 
nutrientes, erosão, florestas ciliares etc.
Em quase todos os continentes ocorrem montanhas, e nelas acontece 
um fenômeno natural fundamental, que é a formação de nuvens. As nuvens 
são a água evaporada do oceano adjacente, que se condensa ao atingir 
altitudes mais elevadas. Com esse fenômeno em andamento, é comum a 
formação de chuvas. As águas então banham as florestas, escorrem com os 
rios e retornam para o mar. Essa configuração de processos atmosféricos 
é que influencia o clima da região litorânea de Santa Catarina até o Rio de 
Janeiro. Lembremos que, na Ásia, o fenômeno das monções é semelhante, 
porém em escala bem maior. O Oceano Índico, em suas regiões tropicais, 
produz muitas nuvens que se movem sobre as áreas continentais. Naquela 
região, a cordilheira do Himalaia, com suas montanhas, permite a 
formação de geleiras em grandes altitudes. Isso adiciona o estado sólido 
do ciclo da água, que, ao passo que derrete e escorre continente abaixo, 
passa a alimentar inúmeras bacias hidrográficas, criando condições para a 
formação de importantes civilizações humanas, com mais de 2 bilhões de 
pessoas que dependem diretamente desse fenômeno para sua sobrevivência.
Aborda-se a ecologia sob uma perspectiva global e sistêmica, 
explicitando as dimensões espacial e temporal dos processos ecológicos. 
Recomendamos tecer relações entre o clima e a geomorfologia e explicar 
como estes influenciam a ecologia de um bioma ou ecossistema. O estudo 
1 O termo “floresta” foi aqui adotado em virtude de a palavra tradicionalmente conhecida 
“mata” sugerir, na opinião dos autores, algo que diminui o real valor do bioma.
|| 47 ||
da ecologia e o do clima

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.