A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
dissertação adm saude publica

Pré-visualização | Página 1 de 3

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
IDENTIFICAÇÃO: Emili Campos dos Santos – 19200994
 De acordo com a atividade proposta sobre os acontecimentos históricos e as condições que contribuíram para a saúde pública, posso começar dizendo que a partir dos meus conhecimentos sobre os artigos e o filme proposto tudo começou com a virada do século XX nos anos 1900, que acreditavam que o novo século iria trazer grandes esperanças, que seria o século da ciência, do progresso, da eletricidade, engenharia e principalmente da medicina. 
 Com base nisso, vimos que não foi o que realmente aconteceu, pois naquela época acabou tendo várias epidemias, principalmente nas grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, sendo elas, cólera, varíola, malária, tuberculose, febre amarela e grande quantidade de pestes. Diante disso é fácil perceber que essas doenças poderiam ser uma catástrofe para a época, já que não tinha tantos meios para combater, pois o estado que estava a saúde era uma vergonha nacional, até porque os pobres e os trabalhadores não tinham direito algum quando estavam doentes, eles só dispunham de atendimento filantrópico nos hospitais de caridade mantidos pela igreja, e alguns também acreditavam nas benzedeiras, sendo essa uma realidade completamente diferente dos ricos, que tinham mais condições, logo tinham seus próprios médicos.
 A partir dos anos 1902, essas epidemias foram ficando cada vez mais grave, o que afetou na vinda dos imigrantes para o Brasil, e isso significava que sem eles não haveria a agricultura do café e nem quem trabalhasse nas fábricas, sendo que o Brasil precisava da mão de obra dos imigrantes para a expansão do café. 
 Em meio a todo esse caos, Oswaldo Cruz, ex-aluno e pesquisador do Instituto Pasteur, é nomeado diretor e com isso organizou e implementou, instituições públicas de higiene e saúde no Brasil, na qual fez um instituto para produção de vacinas. Porem sempre acaba tendo alguma revolta, e isso não foi diferente nessa época pois eles tornaram obrigatória a vacinação contra a varíola, o que gerou revolta na população e em alguns militares, pois eles eram a favor das vacinas, porem contra a imposição de algo que seja obrigatório a população, o que acabou gerando um abaixo assinado contra a vacina obrigatória.
 Em meio a todas essas revoltas, o Brasil teve uma evolução, onde roupas, tecidos, sapatos, chapéus não iriam mais serem importados, pois começaram a produzir esses materiais no Brasil, nas indústrias têxteis. Diante disso em pouco tempo houve a greve dos operários, na qual os trabalhadores queriam seus direitos. Em 1919 além da greve dos operários teve a crise da gripe espanhola, que matou diversas pessoas, e que para piorar a situação os médicos não sabiam a cura e o governo não fazia nada quanto a saúde pública.
 Algum tempo depois, em 1919 os grevistas fazem acordo com os patrões e voltam a trabalhar, porém eles querem assistência médica e aposentadoria depois de alguns anos de trabalho, na qual em 1923 eles ganham esse direito.
 Com base nisso em 1930, Getúlio Vargas assume a presidência e diz que vai ajudar os mais pobres e desprotegidos, pois pouco tempo depois ele anuncia um decreto para os trabalhadores, na qual vai centralizar e unificar as estruturas da saúde, mas em 1932 isso gera revoltas e por conta disso ele afirma que vai dar aposentadoria, pensão e direito a plano de saúde para todos trabalhadores porem os mesmos iriam ter que pagar algumas contribuições para o governo para terem esses direitos.
 Diante de todo esse alvoroço que estava acontecendo o país precisava de recursos para a industrialização, que um deles era os recursos dos IAPS [(Institutos de Aposentadorias e Pensões, IAPS), organizados por categorias profissionais. Tais institutos foram criados por Getúlio Vargas ao longo dos anos 30, favorecendo as camadas de trabalhadores urbanos mais aguerridas em seus sindicatos e mais fundamentais para a economia agroexportadora até então dominante], na qual sempre foram aplicados pelo governo no financiamento da industrialização. Diante disso alguns anos depois algumas pessoas descobrem que Getúlio estava usando o dinheiro do governo e dos trabalhadores para investir na industrialização.
 Logo após, esses acontecimentos, finalmente começaram a criar iniciativas de saúde pública conhecido como SESP (atividades do serviço especial de saúde pública no interior do pais), sendo que o SESP faz parte da saúde pública que vem combatendo as epidemias para também prevenir a população das doenças, juntamente a criação de expedições no interior do estado para descobrir doenças como fez Carlos Chagas, algumas dessas expedições eram recente na época como a dos Irmãos Vilas Boas, que trabalharam junto com os índios combatendo as epidemias, pois ainda há um Brasil a ser descoberto e a saúde pública tem um papel importantíssimo nisso tudo. Sendo que tudo isso foi desde, a implantação dos programas e serviços de auxílios e de atenção médica foi impregnada de práticas clientelistas, típicas do regime populista que caracterizou a Era Vargas.
 A partir disso, nos anos seguintes em 1945, Vargas acaba sendo deposto, com isso irá ter novas eleições para presidente, que por consequência ele acaba sendo reeleito.
 Naquela época um meio de comunicação com o povo que era bastante usado era as rádios, na qual fazia-se entrevistas e também dava noticias e uma delas acredito que tenha sido bem impactante para a população, pois o Dr. Roberto José, deu uma entrevista falando quais seriam os maiores avanços da saúde no nosso pais, na qual ele falou que no período que o Brasil estava o modelo dos centros de saúde vinham enfrentando uma certa oposição dos médicos e dos especialistas, já que a influência dos americanos, acabou se tornando muito forte, e levou o Brasil a adotar o mesmo jeito da saúde deles, baseado em ter grandes hospitais, com médicos de todas as especialidades e também grande quantidade de equipamentos. Isso levou o Brasil a fazer uma grande inauguração de um hospital moderno, na qual todos da população ficaram abismados e é obvio que queriam serem atendidos naquele hospital caso precisassem, porém o povo achava que iria ser uma fortuna para fazer uma consulta se quer, já que seria tão moderno. E logo após a reeleição de Getúlio, ele anuncia a criação do ministério da saúde, que por sua vez, já tem uma estrutura própria e que vem para fortalecer as ações em saúde pública, a medicina preventiva.
 Alguns médicos da época queriam, um sistema de saúde público para todos, principalmente em redes locais, com uma visão municipal, só que eles acreditavam que isso não seria possível, pelo menos não naquela época e sim 30 anos depois quem sabe. Mas depois de um tempo Carlos Lacerda acusa Vargas de ser corrupto, acaba tendo varias crises e pouco tempo depois Vargas acaba morrendo e quem assume é Juscelino Kubitschek, que propõe um desenvolvimento econômico e a implementação da indústria automobilística e a construção de Brasília.
 Uma das coisas que era bastante comentada naquela época era sobre os IAPs, até porque eles tinham bastante dinheiro pois eles reuniam representantes de patrões e empregados, e eram formadas sob controle estatal. Dessa forma, podemos observar: centralismo, verticalismo e autoritarismo corporativo, do lado da saúde pública: clientelismo, populismo e paternalismo, do lado de instituições de previdência social. 
 Logo isso tudo, Janio Quadros assume, alguns militares tentam tomar o controle e João Goulart toma rumo desconhecido e o Brasil volta a normalidade, porem algum tempo depois Goulart também é derrubado do poder e após isso algumas pessoas importantes indicam Castelo Branco como presidente da República, e com isso alguns jornais da época já começaram a censurar as notícias e esconder a verdade dos trabalhadores e da população acontecendo assim um arrocho salarial na política da ditadura levando assim a classe