A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
RESUMO CIRURGIA (PARTE 2)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Resumo de Cirurgia Oral 2
ESPAÇOS FACIAIS:
Compartimentos teciduais revestidos por fáscias, preenchidos por tecido conjuntivo frouxo, que podem tornar-se inflamados quando invadidos por microoganismos.
Tecido conjuntivo frouxo dentro desses espaços serve como coxins para os músculos, vasos, nervos e outras estruturas e permitir o movimento relativo entre essas estruturas.
· Espaço facial profundo: infecção mais comum é abcesso do espaço vestibular, que muitas vezes estabele fístula crônica que drena para a cavidade oral ou para a pele. Enquanto houver drenagem da fístula, o paciente não sente dor.
Espaços primários da Maxila:
· Canino , Bucal, Infratemporal
Espaços primários da Mandíbula:
· Submentual, Bucal, Submandibular, Sublingual
Espaços Faciais Secundários
· Massetérico, Parotideo, Pterigomandibular, Temporal superficial e profundo Lateral da faringe Retrofaríngeo, Pré-vertebral
ESPAÇOS ANATÔMICOS ENVOLVIDOS NAS INFECÇÕES ODONTOGÊNICAS
Espaços faciais profundos associados a qualquer dente
· Vestibular, Bucal e Subcultâneo
Espaços faciais profundos associados aos dentes superiores:
· Bucal, Canino, Infratemporal,
· Infraorbital, Seios Maxilares e Seios Paranasais = Trombose Do Seio Cavernoso
Espaços faciais profundos associados aos dentes inferiores:
· Espaço Bucal, Espaço do Corpo Da Mandíbula, Espaços Perimandibulares (Submandibular, Sublingual e Submentoniano)
· Espaço Mastigador (Submassetérico, Parotideo, Pterigomandibular, Temporal Superficial e Temporal Profundo)
Espaços faciais profundos do pescoço:
· Faríngeo Lateral, Retrofaríngeo e Espaço Pré-Vertebral
· Sequelas sérias com ameaça à vida
· Podem comprimir, desviar ou obstruir completamente as vias aéreas e invadir estruturas vitais contidas no mediastino*
· As infecções dos espaços faciais profundos podem ser classificadas em baixa, moderada e alta gravidade, de acordo coma probabilidade de atingir as vias respiratórias e outras estruturas vitais.
· Moderada gravidade: trismo e elevação da língua, dificultando a intubação endotraqueal
· Alta gravidade: direta compressão ou desvio das vias respiratórias ou danificar órgãos vitais como o cérebro e o coração, pulmões ou pele.
A localização anatômica é peça-chave na definição da sua gravidade.
Angina de Ludwig = envolvimento bilateral dos espaços perimandibulares
· Celulite de rápida evolução com aumento de grandes proporções que pode obstruir as vias aéreas e disseminar-se para espaços fasciais profundos do pescoço, levando à morte.
· Elevação e deslocamento da língua, área bilateral endurecida acima do osso hióide
· Trismo, sialorreia, disfagia e dispneia.
I. Espaço Vestibular
· localizado na cortical vestibular
Maxila
· IC e IL abaixo do m. orbicular da boca;
· Canino abaixo do m. elevador do ângulo da boca
· Dentes posteriores abaixo da origem do m. bucinador
Mandíbula
· IC e IL acima do m. mentual;
· Canino acima do m. depressor do ângulo da boca;
· Dentes posteriores acima da iserção do m. bucinador;
II. Espaço Palatino:
· Localizado na cortical palatina;
· Espaço subperiosteal potencial no palato / ápices de IL e raízes P dos PMs e M
III. Espaço Bucal:
· Localizado na cortical vestibular;
· Limitado pela pele sobrejacente da face e pelo mm bucinador;
Maxila
· Limitado ao arco zigomático;
· Dentes anteriores acima da origem do m. bucinador;
· Aumento de volume abaixo do arco zigomático
IV. Espaço Canino:
· Localizado na cortical vestibular;
· Acima do m. elevador do ângulo da boca;
· Envolvimento do dente canino superior.
· Inchaço na região da asa do nariz.
V. Espaço Infraorbitário:
· Entre os mm elevador do ângulo da boca e elevador do lábio superior
· Extensão de infecções do espaço canino ou bucal
· Drenagem ocorre no canto medial ou lateral do olho / o edema apaga o sulco nasolabial
· Rota seios maxilares e seios paranasais = trombose do seio cavernoso
VI. Espaço Infratemporal:
· Posteriormente a maxila, limitado pela lâmina lateral do processo pterigoide do esfenoide e pela base do crânio; é contínuo com o espaço temporal profundo;
· Rota posterior para o seio cavernoso;
· Exclusivo de 3 Molares.
VII. Espaço Submentoniano:
· Localizado na cortical vestibular;
· Abaixo no musculo mentual e depressor do ângulo da boca;
· Dentes anteriores inferiores;
VIII. Espaço Sublingual:
· Localizado na cortical lingual;
· Borda medial da mandíbula como limite lateral e entre a mucosa do assoalho bucal e acima mm milo- hióideo / infecção acima da linha milo-hióidea / PMs e 1 e 2M / aumento de volume do assoalho com elevação da língua;
IX. Espaço Submandibular:
· Localizado na cortical lingual;
· Borda medial da mandíbula como limite lateral e abaixo mm milo-hióideo e camada superficial da fáscia profunda cervical /infecção inferior de 2M e 3M.
X. Espaço mastigador 
· Formado pela divisão da camada superficial da fáscia cervical profunda a qual circunda os mm da mastigação.
· Passa acima do mm masseter e acima da superfície medial do mm pterigoideo medial
· Sobre o arco zigomático: passa sobre a superfície lateral do mm temporal e termina na inserção do mm temporal no crânio
· O arco zigomático separa o submassetérico e temporal superficial
· mm pterigoideo lateral separa pterigomandibular e temporal profundo
· Espaço Submassetérico: entre mm masseter e lateral do ramo ascendente da mandíbula / pericoronarite ou fratura do ângulo mandibular / trismo moderado a grave;
· Espaço Pterigomandibular: entre o mm pterigoideo medial e superfície medial do ramo ascendente / 3 M ou pelo trajeto da agulha durante bloqueio do n. alveolar inferior / trismo e compressão das vias aéreas pelo edema;
· Espaço Temporal Superficial: entre a fáscia temporal e o mm temporal / quando em infecções graves / aumento de volume na região temporal superior ao arco zigomático e posterior à margem orbitária lateral;
· Espaço Temporal Profundo: entre mm temporal e o crânio / quando em infecções graves / aumento de volume na região temporal superior ao arco zigomático e posterior à margem orbitária lateral
XI. Espaços faciais cervicais profundos do pescoço
· Estende-se pelas infecções dos espaços pterigomandibular, submandibular e sublingual;
- Espaço faríngeo lateral que se estende da base do crânio no osso esfenoide até o osso hióide inferiormente / trismo, febre alta, disfagia / trombose da veia jugular, erosão da a. carótida interna e interferência nos n. cranianos IX, X e XII /aumento do volume lateral do pescoço entre o ângulo da mandíbula e mm esternocleidomastóideo
· Espaço Retrofaríngeo: atrás dos tecidos moles da faringe, da base do crânio até um ponto entre a C6 e a T4 / formado por tecido conjuntivo frouxo e linfonodos = pouca barreira contra a disseminação da infecção / pode romper a fáscia alar e entrar no espaço potencial
· Espaço pré-vertebral: raramente envolvido / osteomielite nas vértebras
· mediastino: espaço entre pulmões que contém o coração, nervo frênico e vago, traquéia e tronco principal do brônquio, esôfago, aorta e veias cavas superior e inferior. Infecção extremamente grave que comprime coração e pulmões e dissemina até a cavidade abdominal. Mortalidade elevada mesmo com drenagem torácica aberta.
· Fascite Necrotizante: “bactéria comedora de carne”. Rápida disseminação da infecção da superfície de revestimento da fáscia cervical profunda ao mm platisma. Vesículas cutâneas seguida de coloração roxa e isquemia, necrose e divulsão da pele. Requer cirurgia de emergência com debridamento de grandes áreas de pele.
Exodontia 
Simples e Complicadas
“Remoção cirúrgica do elemento dentário, sendo esta feita a partir de uma dilatação lenta e progressiva das paredes do alvéolo promovendo o rompimento das fibras do ligamento periodontal e assim, permitindo a remoção do dente.”
IndicaçõesAvaliação Clínica
Acesso ao dente
Abertura de boca adequada
Mobilidade
Dentes com mobilidade facilitam a remoção
Condição da coroa
Apoio para a remoção do dente
· Caries;
· Necrose pulpar;
· Doença periodontal;
· Raçoes ortodônticas;
· Dentes mal posicionados;
· Dentes fraturados;
· Dentes impactados;
· Dentes