A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
FICHAMENTO ETICA 01

Pré-visualização | Página 1 de 2

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
ELINEIZE SOARES DE OLIVEIRA
OTÁVIO DE SOUZA NETO
FICHAMENTO
Fichamento dos capítulos 7.16, 8 e 10 do livro
Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini
14ª edição.
Avaliação parcial apresentada no curso de Direito turno matutino disciplina de Ética Profissional (Integradora), sob a supervisão do Prof. Alexandre Montanha
SALVADOR-BA
 2020
Capítulo 7.16 - ÉTICA DOS DEFENSORES PÚBLICOS
A Defensoria Pública já fora prevista pelo constituinte de 1988. Ao ser promulgada a Constituição, previu-se a edição de lei complementar para organizar a Defensoria Pública da União, do Distrito Federal e dos territórios com a prescrição de normas gerais para sua organização nos estados.
A Emenda Constitucional 45 de 08.08.04, fortaleceu o papel da Defensoria pública ao converter seu parágrafo único em §1º e acrescentou um§2º, assegurando autonomia funcional e administrativa e a iniciativa de sua proposta orçamentária dentro dos limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamentária e subordinação do disposto no artigo 99 §2º.
A relevância dada as Defensorias Públicas reflete a convicção de que elas representam instrumento insubstituível para ampliar o acesso a justiça.
A Defensoria surge como o objetivo de levar o estado juiz as postulações dos miseráveis, não sendo mais recusada a prestação jurisdicional sob argumento de inexistir profissional da advocacia que traduza a prestação perante os tribunais.
O Defensor Público é advogado do povo, e para isso precisa ser provido de uma ética muito sensível, capaz de penetrar na sensibilidade e recato popular, suscetível de melindres por ter sido sempre relegados ao abandono.
Os advogados que emprestam seu grau para atuar junto ao estado onde a maioria dos problemas apresentados, não só jurídicos, mas sociais. São questões de exclusão ou de não inclusão, de pobreza, de miséria, de indigência de saúde física e mental. Ainda que desprovido de formação psicológicas tem que com seu talento e talento dos assistentes sociais compreender os dramas humanos para o bom desempenho de sua função. Não podendo a defensoria pública ser uma repartição burocrática insensível das misérias da condição humana para a burocracia e a esterilidade do ritualismo judicial.
Terá que atuar na formulação de procedimentos novos, aproveitando tudo que o ordenamento já permite de celeridade, singeleza, oralidade com vistas na obtenção rápida da restauração de situações de lesão como forma de honrar a missão que o constituinte lhe outorgou, vislumbrando a esperança de que esta pátria possa vir a transformar-se numa nação justa, fraternal e solidária conforme previu o constituinte. Devendo estar em sintonia comas novas tecnologias para auxiliar não eficiência das praxes tradicionais.
Não se concebe que no atual estágio da Federação, a remoção física de encarcerados seja gasto recursos volumosos para que o preso se apresente fisicamente diante do juiz, quando se pede contar com videoconferência ou audiência a distância na oitiva de testemunhas, interrogatórios e outros procedimentos processuais que ganham celeridade e eficácia com tais tecnologias.
As especificidades da função de um defensor público devem ser consideradas, pois é necessária a ponderação dos prós e contras dessa e de outras urgências diante da prática medieval que insiste em perpetuar-se.
Embora todo esse ritual imposto a sua função não se pode liberar de ser um profissional ético, á luz da consolidada deontologia forense.
Capítulo 9 – A ÉTICA DO PROMOTOR DE JUSTIÇA
Até a Constituição de 1967 o Ministério Público pertencia ao Poder Executivo e suas funções estavam adstritas a aspectos puramente jurisdicionais, restringindo a ação dos Promotores e Procuradores de Justiça a exercer basicamente o papel de acusadores no processo penal, não havendo qualquer deliberação federal no estabelecimento das funções do órgão, deixando a cargo de legislação estadual a competência de balizar as suas atribuições. Já a Constituição de 1988 alterou profundamente a visão de Estado, inaugurando uma sociedade voltada para o atendimento às necessidades do cidadão e estabeleceu direitos não concedidos antes. 
A Constituição de 1988 garantiu sua autonomia administrativa e funcional, tornando-o independente dos três poderes (legislativo, executivo e judiciário) e defensor dos direitos da sociedade, e não mais do Estado. Para cumprir esse papel, o Ministério Público foi estruturado de modo simétrico ao Judiciário, dividido em Ministério Público dos Estados e da União. Esse, por sua vez, abrange o Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Militar e Ministério Público do Distrito Federal e Territórios
A transformação do Ministério Público em “defensor da sociedade” remonta ao Código de Processo Civil de 1973, que fixou a defesa do interesse público como função do Ministério Público que caberia a ele intervir “em todas as demais causas em que há interesse público, evidenciado pela natureza da lide ou qualidade da parte” (art. 82, inciso III do CPC/73). Tal descrição, posteriormente alterada, dava novas atribuições ao Ministério Público, mas não definia com clareza quais questões passavam a ser seu alvo. Promotores e Procuradores aproveitaram essa indefinição da lei do Código de Processo Civil de 1973 para ampliar sua área de atuação, considerando “interesse público” vários conflitos coletivos, como desapropriações e acidentes de trabalho. 
Desse modo, o Ministério Público passou a ser o autor da ação penal e, ao mesmo tempo, ter a responsabilidade de: a) garantir os direitos da criança e do adolescente; b) defender o meio ambiente; c) garantir o cumprimento da Lei de Execução Penal nas unidades prisionais; d) combater a improbidade administrativa e a corrupção; e) garantir a saúde como direito de todos; f) defender os direitos dos idosos; g) pugnar pelos direitos dos portadores de necessidades especiais; h) lutar contra o trabalho infantil; i) garantir a todos o acesso à educação; j) promover as condições de urbanismo para vida com qualidade nas cidades; k) fiscalizar o cumprimento da legalidade e da qualidade de vida nos projetos sociais. 
Atuar na área jurídica requer um grau de responsabilidade social bastante elevado. Os responsáveis pela formação do profissional dessa área não podem se limitar a oferecer um curso pautado nos padrões de exigência legal mínimos. A emissão de diplomas de graduação não deve ser feita àqueles que concluíram o curso com aproveitamento regular das matérias exigidas pelos currículos mínimos legalmente fixados.
O profissional do Direito, antes de conhecer a técnica jurídica, a ferramenta processual, os elementos de interpretação normativa, deve lapidar dentro de si, o caráter humanístico da profissão, o seu papel como agente da paz social, garantidor da dignidade humana, garantidor do acesso a uma ordem jurídica justa. O instrumento jurídico processual, por mais perfeito que seja, perde seu valor se não for utilizado seguindo os princípios a que se destina que é garantir a justiça. 
Se o jurisconsulto compreende que a essência do Direito está nos seus princípios éticos e que toda a técnica jurídica deve trabalhar neste sentido, talvez, hoje tivéssemos ao nosso alcance o tão sonhado acesso à justiça. Pensamos assim, a ética adquiriu importância ainda maior. Embora necessária, é insuficiente a mera proclamação retórica. É preciso tipificar condutas. Erigir padrões de comportamento ético.
Há uma necessidade urgente da formação ética e humanística dos promotores. Se tais estudos comprovam que os promotores transmitem em seus julgados suas tendências ideológicas, construídas desde sua formação, se faz necessário atentar para a formação dos promotores. Se para a maior efetivação da justiça é necessária, acima de tudo, uma sólida formação humanística, deve-se atentar para a frágil formação humanística dos atuais promotores, carregados, ainda, de uma formação dogmática ao extremo, voltada muito mais à técnica que á ética. O bom promotor não é somente