A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
3 Tecido Muscular

Pré-visualização | Página 2 de 3

que ele se despolarize também 
3. a despolarização da membrana do RS faz com que haja                   
abertura dos canais de cálcio e, consequentemente, sua saída para                   
o citoplasma ⇒ ​processo passivo: saída de íons acontece em                   
resposta à despolarização da       
membrana 
4. Cálcio fica disponível     
para interagir com a troponina         
para que ocorra o processo de contração muscular 
5. Com a interrupção do estímulo nervoso e a repolarização da                   
membrana, a proteína calsequestrina volta o cálcio para dentro                 
do RS, por meio de um processo ativo. 
6. O recolhimento do cálcio cessa o estímulo à contração 
 
 
Túbulo T 
- túbulos transversos característicos do sarcolema 
- longas invaginações tubulares cujos ramos envolvem as junções das bandas A e I de cada sarcômero                               
das miofibrilas 
- leva a despolarização da membrana até as regiões mais internas da fibra muscular 
- estão associadas a expansões/cisternas do retículo sarcoplasmático 
- a associação bilateral do túbulo T com a membrana do retículo sarcoplasmático é chamada de ​tríade                               
(2 tríades por sarcômero) 
- despolarizações iniciadas na superfície são transmitidas para as cisternas mais profundas do retículo                         
sarcoplasmático, possibilitando uma contração simultânea de todas as miofibrilas 
 
Inervação motora 
- sarcolema e terminal axônico do nervo motor ⇒ JNM/mioneural ou placa motora 
- membrana do sarcolema apresenta dobras juncionais que aumentam a superfície de contato                       
com os neurotransmissores que estão sendo liberados 
- a membrana do sarcolema apresenta receptores para acetilcolina 
- terminal axônico do nervo motor sobre uma área de depressão na superfície da fibra muscular 
- placa motora:​ terminal axônico + fenda sináptica + sarcolema 
- unidade motora:​ fibra nervosa e as fibras musculares por elas inervadas 
- variação na força de contração: diretamente ligado ao número de unidades motoras recrutadas para                           
executar a contração e o tamanho das unidades motoras que foram acionadas 
- delicadeza de movimento: relacionado com o tamanho da unidade motora ⇒ movimentos                       
muito delicados (dilatação e contração da pupila) estão relacionados a 1-10 fibras musculares                         
inervadas por um único neurônio motor; para contação mais vigorosas (movimentação de                       
membros), um único neurônio motor se ramifica e pode inervar mais de 1000 fibras musculares,                             
o que leva a uma diminuição na delicadeza dos movimentos 
 
Tipos de Fibras 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Inervação sensorial 
 
Fusos Neuromusculares 
- realizado pelas fibras     
intrafusais encapsuladas (fibras     
musculares modificadas) que são       
consideradas proprioceptores 
- proprioceptores: 
captam modificações no     
comprimento do músculo 
- fibras musculares   
inervadas por fibras nervosas       
aferentes e eferentes 
- é um mecanismo de       
controle da postura e da         
coordenação durante atividades,     
como caminhar e correr 
 
Órgãos tendinosos de Golgi 
- localizados nos tendões,     
próximos à inserção muscular 
- faixas de fibras colágenas encapsuladas inervadas por fibras aferentes 
- captam as diferenças tensionais e realizam o controle de força para realização de movimentos 
 
Regeneração muscular 
 
- a regeneração no músculo estriado esquelético fica a cargo das células satélites → mioblastos                           
inativos com capacidade proliferativa (hiperplasia) 
- são estimulados por estresse ou traumatismo 
- hipertrofia: aumento no número de miofibrilas que culmina no aumento no tamanho da fibra                           
muscular 
 
MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO 
- responsável por ​contração involuntária​ do ​coração​ e nas porções proximais das veias pulmonares 
- contração atrelada ao bombeamento de sangue 
- origem embriológica:​ mesoderma cardiogênico (lateral esplâncnico) 
- morfologia:​ células alongadas e ramificadas chamadas de ​cardiomiócitos 
- células especializadas em gerar impulsos ou conduzir os impulsos (duas especializações                     
diferentes) 
- apresentam estriações transversais 
- possuem um ou dois núcleos localizados centralmente 
- presença dos ​discos intercalares 
- fibras cardíacas são circundadas por uma delicada bainha de tecido conjuntivo, equivalente ao                         
endomísio do músculo esquelético, que contém abundante rede de capilares sanguíneos 
 
DISCOS INTERCALARES 
- complexos juncionais na interface de células musculares adjacentes 
- aparecem como linhas retas ou aspecto em escada 
- especializações de membranas presentes nos discos intercalares: 
(a) zônulas de adesão: ​ ancoragem de filamentos de actina dos sarcômeros terminais 
(b) desmossomos:​ promovendo a união celular 
(c) junções comunicantes: permite a passagem de íons por entre as células → difusão de íons mais                               
facilitada que faz com que o coração funcione como um sincício (uma massa única que contrai                               
simultaneamente) 
- 40-50% do volume citoplasmático do músculo estriado cardíaco é preenchido por mitocôndrias →                         
maior volume de mitocôndrias quando comparado ao músculo estriado esquelético 
 
 
DÍADE 
- uma cisterna do retículo sarcoplasmático associado ao túbulo T, próximo à linha Z 
- uma díade por sarcômero 
- os túbulos T são mais calibrosos 
- além do RS, o músculo estriado cardíaco utiliza fontes intracelulares de Ca​2+ para auxiliar no processo                               
de contração 
 
ATIVIDADE SECRETORA DAS CÉLULAS CARDÍACAS 
- células diferenciadas que não são especializadas em contração, mas sim, especializadas em secreção 
- célula cardíaca atrial​: localizada principalmente no AD, possuem grânulos de secreção recobertos                       
por membrana → PEPTÍDEO NATRIURÉTICO ATRIAL (natriurese e diurese) ⇒ controle da pressão                         
arterial 
 
REGENERAÇÃO: ​por não possuir células satélites, o músculo cardíaco ​não se regenera​; caso haja uma lesão                               
muito extensa do tecido, ele é substituído por tecido fibroso (colágeno do tipo I) 
 
MÚSCULO LISO 
- as fibras não possuem estriações → sem miofibrilas organizadas 
- responsável pela contração involuntária 
- localização:​ parede de vasos sanguíneos, parede das vísceras e derme 
- origem embriológica:​ mesoderma lateral esplâncnico e somático 
- morfologia:​ associação de células fusiformes alongadas 
- núcleo único e central 
- apresentam junções comunicantes 
- envolvidas por lâmina basal 
- ausência de estriações transversais​ ⇒ ausência de sarcômeros 
- células musculares lisas são revestidas por lâmina basal e são mantidas unidas por uma delicada                             
rede de fibras reticulares ⇒ contração simultânea de algumas células → contração do músculo liso                             
como um todo 
 
MECANISMO DE CONTRAÇÃO DO MÚSCULO LISO 
- no sarcoplasma, os filamentos de actina são estabilizados com tropomiosina 
- não há presença de sarcômeros e de troponina 
- o aporte de cálcio vem do retículo sarcoplasmático e de fontes extracelulares 
- miosina do tipo II encontra-se enrodilhadas → com sítio de ligação para actina recobertas 
- a adição de um Pi promove a mudança do filamento para estirado, expondo o sítio de ligação 
 
 
 
 
 
 
 
 
1. Chegada de um impulso nervoso provoca a abertura dos canais de cálcio, possibilitando a entrada                             
do íon na célula (a maioria do Ca²​= usado tem origem extracelular, pouca quantidade vem do retículo                                 
sarcoplasmático) 
2. Cálcio liga-se à calmodulina formando o complexo cálcio-calmodulina 
3. O complexo cálcio-calmodulina liga-se à calmodesmona