A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
Apol Fundamentos de Filosofia

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Apol Fundamentos de Filosofia - página 1
Pre-visualização do material Apol Fundamentos de Filosofia - página 2
Pre-visualização do material Apol Fundamentos de Filosofia - página 3

Apol Fundamentos de Filosofia

Questão 1/10 - Fundamentos de Filosofia
Leia o fragmento a seguir: “Na concepção grega, a verdade é alétheia, que significa o não oculto, o não dissimulado e, como tal verdadeiro, é o que se manifesta aos olhos do corpo e do espírito, é a manifestação do que é ou existe tal como é. O falso é pseudos, o escondido, o encoberto, o dissimulado, parece ser, mas não é como parece” (Verdade. Valdirene Alves Lima. Disponível em: <http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/filosofia/verdade.htm>. Acesso em 13 de julho de 2016). De acordo com os conhecimentos adquiridos durante as aulas e suas leituras, analise as sentenças a seguir, assinalando V para as afirmativas verdadeiras e F para as afirmativas falsas.
1. ( ) Para a filosofia, a verdade é uma questão de argumentação lógica e coerente.
2. ( ) Alimentado pela ignorância, pelas crenças e preconceitos, o sujeito ignorante é aquele que nada sabe, porém, não tem consciência desse estado.
3. ( ) Incerteza é o estado de quem não sabe como pensar, agir ou dizer, pois que movido por certezas falhas.
4. ( ) Insegurança é o estado de quem age movido por suas incertezas e dúvidas.
5. ( ) Segundo Kant, é por preguiça e covardia que optamos por permanecer na ignorância.
 
Agora marque a sequência correta:
Nota: 10.0
	
	A
	F, V, F, V, F
	
	B
	F, V, V, F, F
	
	C
	V, F, V, F, V
	
	D
	F, V, V, F, V
Você acertou!
1. Comentário
Para a filosofia, a verdade de algo não é apenas uma questão de argumentação, mas, de correspondência entre aquilo que se fala e sobre o que se fala algo. Da mesma forma, o sujeito ignorante é aquele que, não sabendo, também não tem consciência que não sabe. Já a incerteza é o estado daquele que age, pensa e diz movido por certezas falhas, incompletas. E, como afirma Kant, é por preguica e covardia que optamos por viver na incerteza e na ignorância.
Questão 2/10 - Fundamentos de Filosofia
Leia o seguinte fragmento: “Desde as origens da filosofia o problema do conhecimento sempre ocupou a maioria dos filósofos. O tema já era tratado pelos pensadores pré-socráticos, os quais, dada a maneira como abordavam o assunto, se dividiam entre racionalistas e empiristas. O racionalismo e o empirismo representam visões opostas na maneira de explicar como o homem adquire conhecimentos” (Empirismo e Racionalismo. Ricardo Ernesto Rose. Disponível em: <http://www.consciencia.org/empirismo-e-racionalismo>. Acesso em 12 de julho de 2016). De acordo com os conhecimentos adquiridos durante as aulas e suas leituras, analise as sentenças a seguir, assinalando a afirmativa incorreta.
Nota: 10.0
	
	A
	Também chamado de racionalismo inatista, segundo o inatismo, os sentidos não são uma fonte confiável de conhecimento, sendo melhor confiar naquilo que a razão pode conhecer.
	
	B
	Segundo o empirismo, em oposição ao racionalismo inatista, o conhecimento é produzido a partir das experiências que realizamos por meio dos nossos órgãos dos sentidos.
	
	C
	Segundo o inatista Rene Descartes, nossas ideias são de três tipos: ideias adventícias, ideias fictícias e ideias inatas.
	
	D
	Aristóteles, discípulo de Platão e seu continuador, sistematizará o racionalismo inatista lançando as bases lógico-formais do racionalismo inatista.
Você acertou!
No campo epistemológico, duas correntes rivalizam sobre a origem do conhecimento: o racionalismo inatista e o racionalismo empirista. Para os primeiros, a origem do conhecimento está nas ideias, que são inatas. Já para o segundo grupo, a origem está nas experiências que realizamos por meio dos órgãos dos sentidos. Enquanto Platão faz parte do primeiro grupo, Aristóteles, apesar de ser discípulo de Platão, é um filósofo empirista.
 
Questão 3/10 - Fundamentos de Filosofia
Leia o fragmento a seguir: “Faz alguns anos já, dei-me conta que admitira desde a infância muitas coisas falsas por verdadeiras e de quão duvidoso era o que depois sobre elas construí. Era preciso, portanto, que, uma vez na vida, fosse postas abaixo todas as coisas, todas as opiniões em que até então confiara, recomeçando dos primeiros fundamentos, se desejasse estabelecer algo firme e permanente nas ciências” (DESCARTES, Rene. Meditações sobre Filosofia Primeira. Campinas: Unicamp, 2008. p. 21). De acordo com os conhecimentos adquiridos durante as aulas e suas leituras, analise as sentenças a seguir, assinalando a afirmativa correta.
Nota: 0.0
	
	A
	Descartes era um filósofo cético e, por isso mesmo, passou a duvidar de tudo o que poderia ser apresentado como verdade.
	
	B
	Da mesma forma que Sócrates põe-se a investigar se ele era realmente o homem mais sábio da Grécia Antiga, também Descartes põe em dúvida tudo o que lhe fora ensinado como sendo verdadeiro.
A dúvida é uma atitude filosófica característica de muitos filósofos, independente de sua filiação ontologia. Porém, a dúvida filosófica é uma atitude que não se encerra em si mesma, mas, nos provoca à busca pelo conhecimento. Não se trata de um duvidar por duvidar, mas de, a partir dela, iniciar um processo investigativo. Assim, para que Descartes chegasse ao “cogito, ergo sum”, foi necessário que ele iniciasse por um princípio de dúvida, até chegar, como ele mesmo define, a essa ideia clara e distinta de que, por concluir que penso, não posso negar minha existência. Da mesma forma Sócrates que, na Antiguidade, pôs-se a investigar a afirmação do oráculo, pois colocou-a em dúvida.
	
	C
	A dúvida metódica é um método criado por Descartes cujo principal objetivo é duvidar de tudo.
	
	D
	Ideias claras e distintas, segundo Descartes, são aquelas que, pela própria evidência das mesmas, não temos como submetê-las ao princípio da dúvida.
Questão 4/10 - Fundamentos de Filosofia
No que diz respeito à justiça distributiva de Aristóteles, analise as assertivas abaixo.
I.  O princípio do justo meio, que Aristóteles defende para a moral, também o defendia no campo da política, pois a cidade justa é aquela que age com equilíbrio.
II.  Em que pese a defesa e importância do princípio do justo meio para Aristóteles, este era defendido, única e exclusivamente, no campo da moral. 
III.  Para Aristóteles, a justiça distributiva se baseia no princípio de que é necessário tratar desigualmente os desiguais, para torná-los iguais.
 Está correto o que se afirma em:
Nota: 10.0
	
	A
	I, II e III estão corretas.
	
	B
	I e II estão corretas.
	
	C
	Apenas a II está correta.
	
	D
	I e III estão corretas.
Você acertou!
De acordo com o conteúdo estudado.
Questão 5/10 - Fundamentos de Filosofia
Leia o fragmento a seguir: “Conhecer é pensar o que é. O conhecimento é certa relação – de conformidade, de semelhança, de adequação – entre o espírito e o mundo, entre sujeito e objeto. Assim conhecemos nossos amigos, nosso bairro, nossa casa. O que há em nosso espírito, quando pensamos neles, corresponde aproximadamente ao que existe na realidade” (Conhecimento e Verdade. Disponível em: https://jarbas.wordpress.com/052-conhecimento-e-verdade/. Acesso em 13 de julho de 2016). De acordo com os conhecimentos adquiridos durante as aulas e suas leituras, analise as sentenças a seguir, assinalando a afirmativa incorreta.
Nota: 0.0
	
	A
	Desde a segunda infância começamos a distinguir entre o que é verdadeiro e o que é falso.
	
	B
	Diante da decepção de algo que descobrimos não ser verdadeiro, uma alternativa é iniciarmos um processo de investigação para saber a verdade sobre o mesmo.
	
	C
	Na sociedade da comunicação, somos bombardeados diariamente com uma infinidade de informações que não conseguimos processá-las na mesma velocidade em que as recebemos.
	
	D
	Na fase adulta não corremos o risco de nos decepcionarmos, pois, nossas verdades já estão enraizadas.
Comentário
A relação com o conhecimento, do que é ou não verdadeiro, passa por vários momentos diferentes e distintos. Esse processo é gradativo e progressivo. O que não implica em que, na fase adulta, não corramos o risco de enganos e equívocos. Diz-se que vivemos na era da informação. Porém, o excesso de informações, bem como a fragmentação das mesmas têm por objetivo, não nos informar,