A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Direitos Humanos APOSTILA

Pré-visualização | Página 3 de 5

na Inglaterra, seu dispositivo nuclear previa uma ordem para que a autoridade que detinha o paciente, a apresentasse imediatamente em juízo – nos dias atuais é empregado tanto nos casos de prisão efetiva, quanto no caso de simples ameaça a liberdade individual de ir e vir).
III- A Bill of Rights - 1689
Em 1685, Jaime II buscou restabelecer o absolutismo e o catolicismo na Inglaterra. Tal fato não agradava a nenhum dos dois lados do Parlamento. Em 1688, o Parlamento impõe, como condição para empossar Maria, filha de Jaime II, a assinatura de uma Declaração de Direitos (Bill of Rights), que garantia a legalidade do parlamento em controlar de diversas formas os poderes do monarca. O Bill of Rights veio para assegurar a supremacia do Parlamento Inglês sobre a vontade do rei, vez que seria o órgão incumbido da defesa dos súditos perante o monarca, não podendo assim, ter seu funcionamento subordinado a vontade deste; fortaleceu a instituição do júri e reafirmou alguns direitos fundamentais, como o direito de petição e a proibição de imposição de penas cruéis ou inusitadas.
IV- Act of Settlement- 1701
Em continuidade ao já decidido na Revolução Gloriosa, foi aprovado em 1701 o Act of Settlement, que serviu tanto para fixar de vez a linha de sucessão da coroa inglesa (banindo os católicos romanos da linha do trono e exigindo dos reis britânicos o vínculo com a Igreja Anglicana), quanto para reafirmar o poder do Parlamento e a necessidade do respeito da vontade da lei, resguardando-se os direitos dos súditos contra a volta da tirania dos monarcas.
3.4 A Revolução Americana 
Um dos pilares econômicos das monarquias absolutas eram as colônias ultramarinas. A quase totalidade dos reinos europeus mais expressivos tinha possessões coloniais, especialmente no Novo Continente, que era a América.
A Inglaterra no século XVIII era a principal potência econômica e naval do mundo. Suas maiores colônias ficavam na América do Norte e eram bastante prósperas, adotando um modelo de colonização em que o povoamento era mais estimulado que a simples exploração.
Boa parte dos colonos fugira do regime absolutista inglês e do clima de constante perseguição religiosa existente na Inglaterra da época. A terra nova era formada por pessoas de diversas origens que buscavam paz e prosperidade, esquivando -se sempre da opressão.
Ocorre que o tratamento dispensado a tais colônias era de elevada taxação e de pouco retorno por tais tributos. No final do século XVIII, a maioria dos americanos já não estava mais satisfeita com tal tratamento e começara a conspirar a proclamação de sua independência.
Vencida a guerra de Independência, os revolucionários americanos fundariam o primeiro Estado baseado nos direitos fundamentais: os Estados Unidos da América[footnoteRef:2]. [2: Apesar do caráter vanguardista, a Declaração de Independência e a Constituição Americana não asseguraram uma igualdade efetiva a todos os americanos, especialmente aos de origem africana. A escravidão não foi abolida de imediato, o que só ocorreu após uma violenta guerra (Guerra de Secessão) que, por pouco, não comprometeu a união dos Estados revolucionários.] 
I- A Declaração de Direitos do Estado da Virgínia - 1776
A Declaração de Direitos do Estado da Virgínia, datada de 12 de junho de 1776, declara que “todos os homens são por natureza igualmente livres e independentes e têm certos direitos inatos de que, quando entram no estado de sociedade, não podem, por nenhuma forma, privar ou despojar de sua posteridade, nomeadamente o gozo da vida e da liberdade, com os meios de adquirir e possuir propriedade e procurar e obter felicidade e segurança”. Assegura, também, todo poder ao povo e o devido processo legal (julgamento justo para todos), além da necessidade de submissão ao princípio da legalidade, a liberdade de imprensa e a liberdade ao culto religioso.
II- A Declaração de Independência dos Estados Unidos da América, Constituição Federal de 1787
A Declaração de Independência dos Estados Unidos da América, assim como a Constituição Federal de 1787, consolidam barreiras contra o Estado, como tripartição do poder e a alegação que todo poder vem do povo; asseguram, ainda, alguns direitos fundamentais, como a igualdade entre os homens, a vida, a liberdade, a propriedade. As dez Emendas Constitucionais americanas permanecem em vigor até hoje, demonstrando o caráter atemporal desses direitos fundamentais. Essas Emendas têm caráter apenas exemplificativo, já que, constantemente, novos direitos fundamentais podem ser declarados e incorporados à Lei Fundamental Americana. Outrossim, há que se ressaltar que, no que concerne aos direitos fundamentais nos Estados Unidos, o grande elemento revigorante é a observância do princípio do devido processo legal, principalmente porque a jurisprudência após a Guerra Civil, pacificou o entendimento no sentido de que, além dos aspectos processuais, que devem ser resguardados (ampla defesa), prevê esta cláusula um elemento substancial, que dispõe que a lei não pode restringir ou suprimir indevidamente uma liberdade individual, pois assim estaria violando direitos imanentes a pessoa, cuja proteção deve configurar finalidade precípua do Estado.
3.5 Revolução Francesa em 1789
A situação econômica e social da França no século XVIII era crítica. Além da maior parte da riqueza do país se originar da agricultura, que carecia de técnicas modernas de cultivo, a maioria dos camponeses ainda vivia sob o regime de servidão.
O Estado francês era dividido em três “classes” de pessoas, denominadas “estados”. O 1º Estado era composto do alto clero, que não pagava impostos. No 2º Estado, ficavam os nobres, que possuíam privilégios intocáveis, vivendo junto ao Rei e recebendo pensão ou, simplesmente, não pagando nenhum tipo de tributo. No 3º Estado, ficavam os burgueses e os camponeses, que pagavam altíssimos impostos, sustentando as demais classes sociais.
I Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
Com a Revolução Francesa em 1789, foi aprovada a “Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão”, que garante os direitos referentes à liberdade, propriedade, segurança e resistência à opressão. Destaca os princípios da legalidade e da igualdade de todos perante a lei, e da soberania popular. Aqui, o pressuposto é o valor absoluto da dignidade humana, a elaboração do conceito de pessoa abarcou a descoberta do mundo dos valores, sob o prisma de que a pessoa dá preferência, em sua vida, a valores que elege, que passam a ser fundamentais, daí porque os direitos humanos hão de ser identificados como os valores mais importantes eleitos pelos homens. A Declaração traçou ainda contornos precisos para as liberdades individuais, definiu no âmbito penal que não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena que não seja fixada em lei, garantiu a propriedade privada contra as expropriações abusivas, e por fim, previu a estrita legalidade tributária. Rompeu, em suma, com a monarquia absolutista e com os privilégios feudais (acabou com o denominado Ancien Régime), e, outrossim, serviu como referência indispensável a um grande número de Constituições de diversos povos, já que era um documento de caráter nacional e universal ao mesmo tempo.
Tal declaração seria ensinada nas escolas primárias francesas de forma semelhante à tabuada, fazendo com que todos os franceses tivessem acesso aos direitos fundamentais. Tal ensino foi retratado no filme Danton: o processo da Revolução, do cineasta Andrzej Wajda. Esse processo de espalhar os valores iluministas e dos revolucionários franceses pelo continente seria completado por Napoleão Bonaparte, figura que surgiria após alguns anos de terror revolucionário para se firmar como soberano francês.
4 IDADE CONTEMPORANEA
A Idade Contemporânea, também chamada de Contemporaneidade, é o período específico atual da história do mundo ocidental, iniciado a partir da Revolução Francesa (1789 d.C.). O seu início foi bastante marcado pela corrente filosófica iluminista, que elevava a importância da razão.
As revoluções burguesas impactaram