A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

Pré-visualização | Página 1 de 1

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA
RADIAÇÃO
É o deslocamento de energia liberada por partículas subatômicas; 
Classificada por natureza (ionizante e não ionizante) e meio de condução (corpuscular e eletromagnética);
Ionizante → Modificam a morfologia atômica;
Não ionizante → Não possui capacidade de modificar a morfologia atômica;
Possui efeitos positivos (manutenção da temperatura corporal, propicia a fotossíntese) e negativos;
Mais utilizada é eletromagnética (transportada por ondas), diferenciada pela amplitude e frequência. 
Kilovoltagem – força aplicada na ampola e intensidade de raio X
Miliamperagem – quantidade de elétrons e quantidade de raio x
Produzido pela colisão de feixes de elétrons em região anódica de ampola
Função: Avaliar alterações morfológicas estruturais (não avalia funcionalidade)
Usado para diagnóstico é raio heterogêneo (atravessa tecidos e tem força suficiente para marcar chapa)
Chapa é marcada pela densidade do tecido que não permite a passagem do raio
Sempre fazer o mais rápido possível 
Fatores que afetam a absorção:
Espessura da estrutura 
Densidade da estrutura
Número atômico (quanto menor, mais transponível)
** OSSO É O TECIDO MAIS DENSO DO CORPO HUMANO, POR ISSO É EVIDENCIADO
Fatores que afetam a exposição:
Quanto mais perto, mais radiação é recebida
Kw
ma
Radiografia X tomografia
Radiação atravessa corpo e projeta em uma placa todo o segmento que recebeu os raios
Sensibilidade de percepção de densidade entre tecidos deve ser maior que 10%
Bidimensional
Mais barata e acessível
Radiação atravessa corpo e obtém informações da área onde há receptores, reconstruindo matematicamente a estrutura
Sensibilidade de percepção de densidade entre tecidos deve ser maior que 1%
Tridimensional, é um corte e pode ser visto de diversos POV
Mais cara e menos acessível
Emite mais radiação, cuidado com as doses deve ser maior
Quanto maior a matriz, maior a definição e maior a radiação projetada
Ressonância magnética
Ressonância magnética é um fenômeno descoberto e usado para outros fins, a princípio 
Formação da imagem ocorre por emissão da própria estrutura avaliada
Indicação para tecidos moles (órgãos, músculos)
Vantagens: Não se utiliza de radiação ionizante, imagem é digital, possibilidade de avaliar imagem em diversos cortes
Desvantagens: exame demorado, mais caro, maior risco de alteração da imagem, nível de gordura interfere no sinal emitido, próteses ferro-magnéticas; 
Radiofrequência muda de acordo com o tecido a ser analisado (T1 → avaliação anatômica (escuro), T2 → avaliação patológica (claro))
Tudo que é matéria possui magnetismo
RM é a aplicação de um campo magnético externo que alinha os átomos
Estes são excitados por uma determinada radiofrequência 
No corpo humano, átomos de hidrogênio são os mais suscetíveis à RM (mais estáveis) e abundantes
Quando as ondas deixam de atingir o tecido, estruturas liberam energia (quanto mais receptiva, maior o sinal) pela volta dos átomos aos seus locais de origem
T2: NÃO EVIDENCIA MUITO BEM EDEMA DE LESÕES MUSCULARES
Escuro → músculo, córtex ósseo, estruturas com colágeno
Claro → líquido, gordura, medula óssea
T2 FAT-SAT/STIR: PRINCIPAL FREQUÊNCIA UTILIZADA EM AVALIAÇÃO MUSCULAR
Ignora o sinal de gordura, evidencia em claro o líquido e cartilagem