A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
AULA - Direito Civil 1 - Introdução

Pré-visualização | Página 3 de 7

do responsável por infração da ordem econômica poderá ser desconsiderada quando houver da parte deste abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social.Parágrafo único. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração.	Comment by Adilson: Art. 4º Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do meio ambiente.
· Em regra, deve haver requerimento da parte, salvo direito do consumidor, do trabalho, ambiental podem ser de oficio.
· Não é necessária a comprovação da insolvência, pois não requisito e sim uma causa.
· A simples prática do ato ultra vires (excede o objeto social da PJ) não gera desconsideração.
· A responsabilidade do sócio alcançado, não se limita ao percentual de cotas que o mesmo titulariza.
· O simples encerramento irregular da PJ não gera desconsideração (S. 435 STJ).	Comment by Adilson: Súmula 435 - Presume-se dissolvida irregularmente a empresa que deixar de funcionar no seu domicílio fiscal, sem comunicação aos órgãos competentes, legitimando o redirecionamento da execução fiscal para o sócio-gerente
· Desconsideração por ato administrativo é licita, sanção atinge PJ e seus sócios. 
· Socio da PJ deve ser citado para decidir sobre a desconsideração.
Espécies:
· Inversa – atinge os bens da PJ por dividas pessoais do sócio (en. 283 JDC, art. 133, § 2º CPC).	Comment by Adilson: É cabível a desconsideração da personalidade jurídica denominada “inversa” para alcançar bens de sócio que se valeu da pessoa jurídica para ocultar ou desviar bens pessoais, com prejuízo a terceiros
· Indireta – empresas controladoras se utilizam da personalidade jurídica da empresa para prejuízo de terceiros ou para obtenção de vantagens indevidas.
· Extensiva – visa atingir o socio oculto, na sociedade por conta de participação.
Fundações (art. 62 a 69 CC)
· A fundação privada é uma pessoa jurídica de direito privado criada por iniciativa de um particular que decide separar um patrimônio e destiná-lo para que seja utilizado na realização de determinada finalidade de interesse coletivo.
· Não tem fins lucrativos, receita gerada deve ser gasta com a própria entidade.
· acervo de bens que recebe personalidade para a realização de fins determinados
Sociedades
· A sociedade é uma espécie de corporação dotada de personalidade jurídica própria, instituída por meio de contrato social visando a finalidade econômica ou lucrativa.
· O ato constitutivo da sociedade é o contrato social, não estatuto (art. 981 CC).
· Espécies:
· Simples - tem fim econômico e são constituídas, em geral, por profissionais liberais ou prestadores de serviços.
· Empresarias - também visam lucro. Distinguem-se das sociedades simples jurídicas porque tem por objetivo o exercício de atividade própria de empresário sujeito ao registro (art. 967 do CC).
Ente despersonalizados (art. 986 CC)
· Coletividades de seres humanos ou de bens que não possuem personalidade jurídica própria.
· A capacidade jurídica permite ao ente despersonalizado exercer relações patrimoniais, mas jamais existenciais. Ou seja, a proteção aos direitos da personalidade se aplica a todos os sujeitos detentores de personalidade jurídica, não se aplicando, no entanto, aos chamados entes despersonalizados.
· Elas não têm personalidade jurídica, pois não obtém o “affectio societatis” (intensão união para objetivo comum), salvo sociedade de fato ou irregular (en. 58 da JDC); e tem somente o objetivo de organização interna.
· São eles: Espolio, massa falida, herança jacente e vacante, sociedades de fato ou irregulares, grupos de consórcios ou convênios médicos e condomínio.
· É reconhecido a personalidade jurídica do condomínio edilício (en. 90 da JDC).
· Responde solidariamente e ilimitadamente (art. 990 e 1.024 CC).
Extinção da PJ de direito privado
· Convencional: por deliberação de seus membros, conforme o quórum previsto nos estatutos ou na lei. 
· Legal: em razão de motivo determinante na lei (CC, art. 1.034).
· Administrativa: quando as pessoas jurídicas dependem de autorização do Governo e praticam atos nocivos ou contrários aos seus fins. 
· Natural: resulta da morte de seus membros, se não ficou estabelecido que prosseguira com os herdeiros. 
· Judicial: quando se configura algum dos casos de dissolução previstos em lei ou no estatuto e a sociedade continua a existir, obrigando um dos sócios a ingressar em juízo.
Domicilio (art. 70 a 78 CC)
· Conceito é a junção de dois elementos: 
· Objetivo - Estada habitual da pessoa em determinada localidade
· Subjetivo - Animus de permanecer em definitivo.
· Local onde responde por suas obrigações; se presume presente para efeitos de direito.
Modalidade 
· Profissional (art. 72 CC).
· Pessoa jurídica (art. 75 CC).
· Necessário ou legal (art. 76 CC) – determinado pela lei;
· Voluntario 
· Geral - quando escolhido livremente pela pessoa. 
· Especial - pode ser, o foro do contrato (art. 78 CC) e o foro de eleição (art. 111 CPC). 
· Agente diplomático (art. 77 CC).
Observações importantes
· Teoria da pluralidade domiciliar (art. 71 CC) - foi adotada pelo CC.
· Mudança (art. 74 CC) - Muda-se o domicilio, transferindo a residência com a intenção manifesta de o mudar.
· Adônidas (art. 73 CC) - Pessoas que não obtém domicilio.
Bens (art. 79 a 103 CC)
· Coisa é tudo aquilo que existe com exclusão do homem. Logo, coisa é gênero do qual se destaca como espécie os bens, sendo que para os bens serem considerados como jurídicos devem possuir as características de apropriabilidade e pecuniaridade.
Espécies
Imóveis (art. 79 a 81 CC)
· Acessões Artificial – construídos pelo homem, incorporado ao solo.
· Acessões Natural – desenvolvimento, força natural (árvore).
· Acessões industrial ou artificial (art. 1.253 ao 1.259 CC).
· Teoria da acessão – toda construção presume-se feita pelo proprietário (art. 1.253 CC), presunção relativa.
· Teoria da acessão inversa (art. 1.255 §uni CC).
· Acessões intelectual – bem móvel inseridos no imóvel se tronando imóvel (superado por pertenças, art. 93).
· Por determinação legal (art. 80 e 81) – Direitos reais sobre os imóveis e as ações que os asseguram.
· Obs.: Adquire com transcrição, Outorga uxória para alienação, Prazo para usucapião maior; Na ausência, a alienação só por sentença judicial; garantia por hipoteca
Moveis (art. 82 a 84 CC)
· Propriamente dito – qualquer bem que você possa deslocar, sem perda de sua qualidade ou valor.
· Antecipação de uso (art. 95 CC) – bens imóveis criados para se tornarem moveis; temporariamente imóvel (ex.: cana de açúcar).
· Por determinação legal (art. 83 CC) – lei determina se bem é móvel ou não.
· Semoventes – são animais.
· Obs.: Adquire com tradição; Prazo para usucapião menor; garantia como penhor.
Classificação
· Bens corpóreos - Ocupam lugar no espaço; físicos; existência.
· Bens incorpóreos - Existência abstrata (marcas, patentes, etc).
· Bens fungíveis (art. 85 CC);
· Bens infungíveis - os que não podem ser substituídos; inclusive pela vontade das partes (ex. contrato de comodato, que se trata de empréstimo de coisa infungível);
· Bens consumíveis (Art. 86 CC) - uso importa a destruição imediata.
· Não pode ser objeto de direitos reais de coisa alheia em fruição.
· Bens inconsumíveis;
· Bens divisíveis (Art. 87 CC);
· Bens indivisíveis
· Por natureza 
· Por lei (menor que um módulo rural, ou 03 alqueires). 
· Por vontade das partes (Condomínio, pelo prazo máximo de 05 (cinco) anos). 
· Singulares (Art. 89 CC);
· Coletivos (Art. 90 CC);
· Principais - é aquele que existe por si, ou seja, não depende da existência de nenhum outro bem, possui existência própria. (ex. carro)
· Acessórios: Por sua vez, bem acessório é aquele que depende da existência do bem principal. Exemplo: a árvore é bem principal, já os frutos são bens acessórios; fiança (ex. som).
· Para que não ocorra isso deve ser convencionado