A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
84 pág.
Linguística Básica - Trilha de Aprendizagem TODAS

Pré-visualização | Página 7 de 21

comunicativo. 
 
 
às formulações textuais; 
 
 
à variação linguística; 
 
 
à forma pela qual os seres humanos entendem uma língua; 
 
 
à formulação dos mais textos; 
 
 
Pergunta 6 
1 ponto 
O termo “pluralidade teórica da linguística” foi cunhado por Borges Neto (2004). 
 
Assim, uma das principais consequências desse conceito é: 
 
 
Debilita a linguística, uma vez que não se desenvolve uma teoria específica; 
 
 
O enfraquecimento da área, pois acaba não tendo um objeto de estudo definido; 
 
 
Consolida a linguística, porque tal pluralidade permite dar conta das diversas formas de manifestação 
da linguagem humana; 
 
 
Exaure a linguística, pois falta um autor referência que oriente os estudos linguísticos; 
 
 
O fortalecimento da linguística, porque ela se alia a outras áreas importantes; 
 
 
Pergunta 7 
1 ponto 
Leia a charge a seguir: 
 
 
Considerando a teoria linguística da Pragmática, o sentido do enunciado “Sabia que estou acordado 
há duas horas por causa dessa cantoria?” deve ser interpretado, considerando não só a linguagem 
verbal, mas também: 
 
 
O nível sintático das orações dos dois diálogos; 
 
 
O contexto no qual o Hagar enuncia a sua fala; 
 
 
A variante linguística “admirava”, por evocar uma imagem humorística de contraste; 
 
 
O elemento morfológico das falas das personagens, uma vez que destoam de suas figuras. 
 
 
O aspecto sonoro representado pelo músico dos quadrinhos; 
 
 
Pergunta 8 
1 ponto 
Ferdinand de Saussure foi considerado o pai da linguística moderna, uma vez que ele, a partir da 
publicação póstuma de o Curso de Linguística Geral, fundou a linguística enquanto uma ciência. 
Porém, isso não invalida estudos sobre a linguagem feitos anteriormente. 
 
Só que, diferentemente da linguística moderna, os estudos sobre a linguagem pré-saussure: 
 
 
Todos apenas se dedicavam à evolução das línguas ao longo do tempo; 
 
 
Estavam subordinados diretamente a outros campos do saber. 
 
 
Possuíam um objeto de pesquisa próprio; 
 
 
Praticamente tinham um cunho filosófico, a fim de desvendar a natureza da linguagem; 
 
 
Integralmente buscavam formar gramáticas normativas de uma língua específica; 
 
 
Pergunta 9 
1 ponto 
Leia a citação abaixo: 
 
Fundamentam-se as regras da gramática normativa nas obras dos grandes escritores, em cuja 
linguagem as classes ilustradas põem o seu ideal de perfeição, porque nela é que se espelha o que o 
uso idiomático estabilizou e consagrou ( LIMA, 2011, p. 38) 
 
REFERÊNCIAS 
 
LIMA, Carlos Henrique da Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa / Rocha Lima. 49.ed . 
- 49.ed. - Rio de Janeiro: José Olympio, 2011. 
 
Esse trecho não condiz com os estudos linguísticos, porque: 
 
 
esse conjunto de estudos enfoca as áreas da morfossintaxe; 
 
 
tal obra é voltada para as produções literárias. 
 
 
essa gramática almeja prescrever, em vez de observar e analisar fatos linguísticos; 
 
 
essa obra pretende só analisar a língua escrita; 
 
 
o livro em si privilegia os usos da língua consagradas socialmente; 
 
 
Pergunta 10 
1 ponto 
Veja a figura abaixo: 
 
 
 
Fonte: ILARI, 
R. 
Linguística Românica. São Paulo, Ática, 1992. (refazer o quadro) 
 
O quadro anterior pode ser um exemplo de pesquisa: 
 
 
do Estruturalismo; 
 
 
dos estudos clássicos sobre a linguagem. 
 
 
dos Neogramáticos; 
 
 
do Comparativismo Histórico; 
 
 
da Gramática de Port-Royal; 
Apresentar as dicotomias formuladas por Saussure 
No final desta unidade, você terá a capacidade de compreender três dicotomias saussureanas, o 
significante e o significado, a língua e a fala e, por fim, a sincronia e a diacronia. Além disso, você 
compreenderá os conceitos relacionados a ela, bem como verá a maneira pela qual, esses 
influenciaram as teorias linguísticas modernas. Gostou? Então adiante com o conteúdo! 
 
Neste tópico, vamos esmiuçar sobre as chamadas dicotomias, um dos principais conceitos do 
Estruturalismo fundado postumamente por Saussure no início do séc. XX. Antes disso, devemos nos 
recordar o que foi visto na unidade passada sobre a definição e o objeto da linguística. 
 
Na visão do mestre genebrino, que ele “[...] separa uma parte do todo linguagem, a língua – um objeto 
unificado e suscetível de classificação”, elegendo-a como objeto de estudo da linguística. 
 
Assim, existem vários tipos de linguagem, a musical, a da pintura etc. Dentre dessas, há a linguagem 
verbal humana, a qual deve ser estudada pelos linguistas. 
 
Para fazer isso, o mestre genebrino estabeleceu “[...] uma nomenclatura que pudesse melhor descrever 
os fatos da língua. 
 
Surgem, então, as dicotomias saussureanas” ( SILVA, 2011, p. 44). Nesse viés, 
 
Chama-se dicotomia um par de termos – pertencentes em geral ao nível epistemológico da 
metalinguagem – que se propõem simultaneamente, insistindo na relação de oposição que permite 
reuni-los. O exemplo clássico é o das dicotomias saussurianas [...]. Tal procedimento é característico 
da atitude estrutural que prefere propor as diferenças – consideradas como mais esclarecedoras –, 
antes de passar ao exame e à definição dos conceitos (GREIMAS; COURTÉS, 2008, p. 139). 
 
De uma outra maneira diferente do que Greimas e Courtés (2008), pode-se dizer que as dicotomias 
 
[...] são uma espécie de duplicidade semântica que alicerça os estudos do estudioso genebrino. A 
visão dicotômica sobre a língua oferece ao estruturalismo uma ideia de causa e consequência 
(PEREIRA, SILVA, 2016, p. 13). 
 
Figura 1 - Dicotomias como duas partes diferentes que se complementam 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
É interessante ressaltar que as dicotomias impactaram diretamente os estudos linguísticos posteriores, 
influenciando “[...] várias vertentes dos estudos contemporâneos da linguagem, que se ramificou em 
várias correntes de pesquisas no século XX e XXI” (PEREIRA, SILVA, 2016, p. 11). 
 
Portanto, sabendo disso, vamos apresentar e nos aprofundar mais em relação às dicotomias a seguir. 
 
Conceituar o signo linguístico, o significante e o significado 
Em primeiro lugar, antes de conceituar a primeira dicotomia, significante e o significado, é 
fundamental discutirmos sobre o signo linguístico saussureano. 
 
Conforme vimos anteriormente, a comunicação humana pode ocorrer a partir de vários tipos de 
linguagem, ou seja, por meio da pintura, escultura, da música etc. A música, exemplo de um tipo de 
linguagem. Apesar de cada uma delas possuírem características próprias, existe um ponto em comum: 
todas se manifestam por meio de um signo. 
 
Se você não entendeu, há um exemplo bem bacana que podemos utilizar, a fim de que você entenda 
sobre isso. O exemplo em questão é a placa de trânsito. 
 
Figura 2 - Placa de trânsito. 
 
 
Note que apenas um círculo, uma faixa na diagonal vermelha, junto com uma seta apontada para a 
direita possui o sentido de “proibido virar à direita”. Aliás, isso também se aplica a outros idiomas, 
como “do not turn right” (inglês), ou “ne tourne pas à droite” (francês). 
 
Desta forma, pode-se dizer que essa placa simboliza o sentido de proibido virar à direita, ou seja, é 
um sinal. Para Bechara (2005, p. 28, grifos do autor), 
 
Entende-se por signo ou sinal a unidade, concreta ou abstrata, real ou imaginária, que, uma vez 
conhecida, leva ao conhecimento de algo diferente dele mesmo: as nuvens negras e densas no céu 
manifestam ou são o sinal de chuva iminente: o -s final em livros é o signo ou sinal de pluralizador. 
 
Essa é a lógica básica do funcionamento de um signo. 
 
Ele leva ao entendimento de outra coisa, se não ele próprio. Contudo, dentre as várias formas de a 
linguagem se manifestar, existe uma língua natural, como o português, o alemão, o tupi etc. 
 
Em relação a isso, Saussure (2012, p. 27) afirma que : 
[...] a língua existe na coletividade sob a forma