A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
AD1 - Bioquímica II - 2020 1

Pré-visualização | Página 2 de 2

são diferentes, dependem basicamente das suas velocidades de síntese e degradação, o nível da maioria das enzimas é controlado predominantemente pela alteração da velocidade de transcrição dos genes que as codificam.
Controle da atividade enzimática: A atividade enzimática pode ser controlada de duas formas: Pela interação do ligante, controle alostérico, que está relacionado a qualquer alteração na estrutura terciária ou quaternária de uma enzima, sendo induzido por uma molécula ligante. E pela modificação covalente de sua molécula, que geralmente está associada com regulação em cascata, na qual uma enzima ativa a outra até atuar no substrato.
Controle por compartimentalização: Em geral a via de síntese de uma molécula acontece em um compartimento celular diferente da via em que ocorre a sua degradação, facilitando a regulação da via.
Regulação hormonal: O organismo coordena diversas atividades em diferentes níveis de organização por meio de sistemas complexos de sinalização envolvendo mensageiros químicos, os hormônios. Há diversas funções moduladas pelas ações combinadas de hormônios, tais como mudanças na concentração de uma enzima, na permeabilidade da membrana por um substrato, entre outras.
b) Quais são as diferenças entre anabolismo e catabolismo? (0,5) 
No anabolismo (biossíntese), moléculas complexas, como lipídeos, polissacarídeos, proteínas e ácidos nucléicos, são produzidos à partir de precursores simples. As reações anabólicas exigem uma entrada de energia, geralmente sob a forma das ligações fosfoanidrido do ATP e do poder redutor do NADH, NADPH e FADH₂.
O catabolismo é a fase de degradação do metabolismo, onde moléculas orgânicas de nutrientes, como carboidratos, gorduras e proteínas, são convertidos em moléculas menores e mais simples (como o ácido láctico, CO₂, NH₃). As vias catabólicas liberam energia, parte dessa energia é aprisionada na molécula de ATP, nos transportadores de elétrons (NADH, NADPH E FADH₂), o restante é perdido como calor.
 
4. O jejum intermitente é uma dieta para emagrecer onde as pessoas costumam ficar um longo período do dia sem comer. Quando passamos um período de tempo em jejum prolongado nosso metabolismo entra majoritariamente em fase anabólica ou catabólica? Por quê? (2,0) 
O nosso organismo entra em fase catabólica. 
No processo anabólico o corpo acumula energia e sintetiza as moléculas e produtos que necessita para seu mantimento. Em contrapartida, os processos catabólicos são aqueles se consomem os substratos energéticos (estocados pelo processo anabólico) para manter o funcionamento do organismo. Assim, a ideia do jejum intermitente é que a ingestão de alimentos seja com o mínimo de gordura, para que o corpo comece a consumir gordura corporal durante o processo de catabolismo. 
 
5. A maior parte das células tumorais cresce em condições anaeróbicas, devido à falta inicial das redes de capilares que suprem com oxigênio. Sendo assim, explique por que em muitos tumores encontrados em humanos, a captação e a degradação de glicose são cerca de 10 vezes mais rápidas do que em células normais? Como isso pode possibilitar uma terapia anticâncer? (2,0)
A captação da glicose e a glicólise é cerca de dez vezes mais rápida nos tumores sólidos do que em tecidos não-cancerosos, as células tumorais geralmente experiênciam hipóxia (fornecimento limitado de oxigênio), porque não tem uma rede capilar para suprir o tumor com o oxigênio.
Células cancerosas mais do que 100 a 200 μ de distância do capilar mais próximo dependem da glicólise anaeróbica para grande parte da sua produção de ATP, o rendimento dessa síntese é muito menor, com isso as células tumorais devem captar muito mais glicose do que as células normais. Sendo assim, quanto mais agressivo for o tumor, maior será a taxa de glicólise.
Com a alta taxa de glicólise, as células tumorais são capazer de sobreviver em condições anaeróbicas até que o suprimento de vasos sanguíneos alcance o tumor que está em crescimento. O hormônio peptídico VEGF (fator de crescimento vascular endotelial) estimula o crescimento de tais vasos sanguíneos.
Os transportadores de glicose e a maior parte das enzimas glicolíticas estão superexpressos em tumores. A dependência maior dos tumores pela glicólise (comparado aos tecidos normais) sugere que compostos que inibem as enzimas hexocinase, glicose-6-fosfato-desidrogenase ou transcetolase bloqueiem a produção de ATP pela glicólise, privando assim a célula cancerosa de energia e matando-a.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Bioquímica2. v.1 / Andrea Da Poian... [et al.] – Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2012.
2. LEHNINGER, A.L.; NELSON, D.L.; COX, M.M. Princípios de Bioquímica. 2. ed. São Paulo: Sarvier, 2000. 839p. 
 
3. NELSON, D. L.; COX, M. M. Princípios de Bioquímica de Lehninger. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.