A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Atividade de sociologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Colégio Estadual Onildo Raimundo de Cristo
Aluno= Daniel Lisboa Data= 23/03/2021
Professora= Lucivone Disciplina= Sociologia
Série= 2°/ano
Atividade/Fichamento de sociologia, pág. 230 a 237
Cidadania é uma conquista
Na década de 1990, o sociólogo Herbert de Souza (1935-1997), conhecido como Betinho,
concebeu e comandou a Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida. Aderiram à
campanha empresas públicas e privadas; meios de comunicação; brasileiros e brasileiras de
todas as classes sociais, idades, categorias profissionais, tendências políticas e religiosas; e,
principalmente, jovens dispostos a recolher e distribuir alimentos. As ações desenvolvidas pelo
sociólogo permitem demonstrar que a cidadania é fruto da conquista de direitos e um
mecanismo para tornar as sociedades mais igualitárias. A cidadania se relaciona, portanto, com
o princípio de igualdade e com a ampliação da democracia e o respeito a direitos na sociedade.
O reconhecimento dos direitos humanos, atribuídos aos indivíduos independentemente de sua
etnia, gênero, cor, idade e religião, está previsto e garantido, em tese, nas atuais democracias.
As origens dos conceitos de cidadão e cidadania
Cidadão, na Roma antiga, era o habitante não escravizado da cidade, do sexo masculino, que
participava da sociedade com seu poder de voz e de voto nos comícios e plebiscitos e com sua
participação na administração pública. Embora essa participação interferisse na dinâmica dos
espaços urbanos e rurais, cidadania não implicava igualdade.
Na Europa sob as monarquias absolutistas, ocorreram lutas da burguesia por mais influência
política, exigência de autonomia para as cidades e rebeliões pelos direitos da população que
não fazia parte da nobreza. Deve-se à influência do pensamento idealista do filósofo alemão
Immanuel Kant (1724-1804) a concepção de lei moral, segundo a qual as relações dos seres
humanos entre si supõem a liberdade e uma profunda consciência de dever.
Ao estudar essa nova configuração da cidadania, o sociólogo britânico Thomas Humphrey
Marshall (1893-1981) afirma que a cidadania não nasce acabada: ela é construída pouco a
pouco pela adição de novos direitos, conquistados por diferentes atores sociais, em lutas e
reivindicações organizadas ao longo da formação da sociedade capitalista. Tomando por base o
desenvolvimento da sociedade inglesa, ele concebeu três tipos de direitos conquistados ao
longo dos séculos: civis, políticos e sociais. Esse conjunto de direitos é o que dá garantia à
condição de cidadão.
Direitos civis; englobam as liberdades pessoais de expressão e culto religioso, o direito à
propriedade, o direito a um tratamento legal justo.
Direitos políticos; correspondem a formas de participação no processo político, como o direito
do voto (eleger e ser eleito), de ocupar cargos políticos e administrativos no aparelho do
Estado, de participar de júri, entre outros.
Direitos sociais; procura garantir, entre outros, o trabalho para todos e a previdência social
para indivíduos sem condições de trabalhar, além dos aposentados.
Políticas públicas: dilemas da cidadania
Por meio de políticas públicas, o Estado intervém em diferentes dimensões da sociedade. As
grandes decisões de cunho econômico de uma nação, como obras de infraestrutura (pontes,
barragens, estradas, portos, etc.) e formas de atrair investimentos, geralmente resultam de
opções do grupo político que está no poder. No contexto atual de competição econômica
intensa entre os países, muitas escolhas políticas podem levar o governo a deixar de atender às
demandas mais imediatas da população (educação, saneamento e saúde, por exemplo). Com
isso, crescem as desigualdades sociais internas e entre os países. Mesmo com a existência de
leis que priorizam o cidadão, estabelecer um limite de atuação entre o poder político e o poder
econômico é sempre difícil
O poder político diz respeito à distribuição coletiva dos recursos e seu sujeito máximo é o
Estado, que opera por meio de um aparato jurídico-administrativo (leis, órgãos estatais, etc.).
Já o poder econômico tem por base a propriedade, a posse e a gestão dos recursos
econômicos, e o seu sujeito típico é a empresa.
A formação e a distribuição dos bens em nossa sociedade dependem da interação entre a
esfera da economia e a da política. Quando o Estado assume os problemas sociais como
questões de sua responsabilidade, está formulando e implementando políticas sociais.
As políticas sociais são estabelecidas para garantir um mínimo de bem-estar e consumo para
todos os indivíduos, seja pela provisão de serviços, seja por transferências diretas de renda.
Para que os direitos se concretizem em conquista efetiva e beneficiem a todos, é preciso a
participação do povo no exercício de sua cidadania.
O desenvolvimento de um país está vinculado a condição de cidadania de sua população e
não ocorre somente com a superação da pobreza socioeconômica, mas se estende a ampliação
da participação política. A conquista da cidadania exige instrumentos de reivindicação e vai
além de campanhas e programas específicos ou emergenciais: implica vencer os diferentes
problemas sociais por meio da participação política, uma ação efetiva de mobilização das
diversas instâncias da sociedade civil no sentido de exercer os seus direitos e deveres.