A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Farmacologia caso clínicos e perguntas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Interação fármaco proteína plasmática
2º PERGUNTA
RELATO DE CASO:
  J.C, sexo masculino, 66 anos, diabético, etilista crônico , foi admitido na Emergência após apresentar quadro de inapetência/anorexia e hematêmese  (grande quantidade). Encontrava-se agitado, confuso, ictérico, com petéquias, hematomas e equimoses no tronco e membros superiores e inferiores. Apresentava desconforto respiratório, edema importante, oligúria e ascite volumosa. PA 90x60, FC = 120 bpm, FR = 28, SatO2 = 90%. Transaminase glutâmica oxalacética (TGO) = 80; Transaminase glutâmica pirúvica (TGP) = 150; Bilirrubina total = 2,2; Albumina = 2,5 ; Globulina = 4,0; Plaquetas = 70.000; Glicemia = 220 mg/dL. A tomografia computadorizada de abdômen confirmou a hipótese diagnóstica de cirrose alcóolica. Foi realizado Paracentese para drenagem do líquido abdominal . Administrado insulina regular (baixar os níveis glicêmicos), albumina (manter a pressão osmótica do sangue, reduzindo o escape de líquido para o terceiro espaço e consequentemente normalizar a ligação de fármacos à proteína), diuréticos populares de potássio, plasma fresco (reposição de fatores de coagulação), concentrado de hemácias (repor a volemia e normalizar o hematócrito e a hemoglobina), sulfato de neomicina (diminuir a formação de amônia gastrointestinal), lactulose ( diminuir o pH intestinal e a absorção de amônia, estimulando o crescimento de organismos fermentadores).
1º PERGUNTA 
 1º PERGUNTA 
O fígado é capaz de  reparar-se quando agredido. Por que não ocorre isso no caso de cirrose? 
RELATO DE CASO:
2º PERGUNTA
 1º PERGUNTA 
O fígado é capaz de  reparar-se quando agredido. Por que não ocorre isso no caso de cirrose? 
Se a agressão ocorrer de forma persistente ao longo de vários anos, o processo de reparação passa a envolver a criação de tecido cicatricial em vez de tecido com células hepáticas capazes de executar suas funções. A cirrose é casada por contínuas agressões no fígado, fato que provoca a substituição do tecido hepático normal por nódulos e tecido fibroso. No fundo, a cirrose nada mais é do que a cicatrização do fígado. Onde deveria haver tecido funcionante, há apenas fibrose (cicatriz).
RELATO DE CASO:
2º PERGUNTA
RELATO DE CASO:
1º PERGUNTA
2º PERGUNTA
O complexo fármaco-proteína age como um reservatório temporário na corrente sanguínea retardando a chegada de fármacos aos órgãos alvo e sítios de eliminação. Quando a ligação fármaco/proteína ocorre fortemente o que acontece?
RELATO DE CASO:
1º PERGUNTA
2º PERGUNTA
O complexo fármaco-proteína age como um reservatório temporário na corrente sanguínea retardando a chegada de fármacos aos órgãos alvo e sítios de eliminação. Quando a ligação fármaco/proteína ocorre fortemente o que acontece?
Ela pode diminuir a intensidade máxima de ação de uma dose única de um fármaco, por diminuir a concentração máxima atingida no receptor, alterando, assim sua resposta clínica.
3º PERGUNTA
4º PERGUNTA 
Existem duas classes de fármacos com alta afinidade com a albumina, quais são elas?
3º PERGUNTA
4º PERGUNTA 
Existem duas classes de fármacos com alta afinidade com a albumina, quais são elas?
Classe I:  a dose da droga é menor do que o número de locais da ligação da albumina, então a relação dose/capacidade é baixa. O número de sítios de ligação excede a quantidade de droga disponível, e a fração da droga ligada é alta. 
Classe II: a dose é maior que o número de sítios de ligação na albumina. A relação dose/capacidade é alta, e uma proporção relativamente alta da droga permanece na forma livre
3º PERGUNTA
4º PERGUNTA 
Quais algumas das principais funções do fígado?
3º PERGUNTA
4º PERGUNTA 
Quais algumas das principais funções do fígado?
Tem como principais funções a produção de proteínas de coagulação, produção de bile, gliconeogênese, transformação da amônia em ureia – para ser excretada pelos rins, produção de albumina, produção de vitamina K – atua na cascata de coagulação.
OBRIGADO!
EQUIPE: Lisandra Vinhas
                   Rebeca Euclides
                   Rita Edivania