A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
ESTUDO DIRIGIDO_ Transferencia de renda e seguranca alimentar e nutrcional

Pré-visualização | Página 1 de 3

CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL - UNINTER
CURSO BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL – EaD
Estudo Dirigido
Disciplina: Política de Seguridade Social – Transferência de Renda e Segurança Alimentar e Nutricional. 
Olá pessoal, 
Este estudo dirigido tem o objetivo de auxiliar nos estudos para as provas, objetivais e discursivas. Mas, lembre-se que este não deve ser o único meio de estudo, aqui temos apenas uma síntese do foi estudado. 
Veja também as vídeos-aulas e os outros materiais disponíveis. 
Vamos lá!? 
· Sobre as dificuldades de se estrutura uma política social em um país como Brasil, vimos que uma das grandes dificuldades para a construção de ações contra a fome é a própria abordagem do planejamento, que não considera o problema de forma conjunta e sistêmica, como um complexo de manifestações simultaneamente biológicas, econômicas e sociais. Nessa direção, e acrescentando o fator tempo, Barraclough (1991) afirma que a pobreza massiva e a fome têm naturezas sistêmicas, e é possível, a curto prazo, obter melhorias em alguns aspectos da segurança alimentar independentemente de outros; a longo prazo, porém, todas as dimensões devem avançar juntas, pois, do contrário, o ‘sistema alimentar’ se tornaria crescentemente instável (ROCHA; BURLANDY; MAGALHÃES, 2013, p. 48).
· Sobre a importância da rede de equipamentos para a política de segurança alimentar e nutricional: Os equipamentos de Segurança Alimentar e Nutricional são, em sua grande maioria, a forma de operacionalização e distribuição da política materializada. A legislação cria um sistema, o sistema organiza a política e os equipamentos são a operacionalização do concreto para além das questões administrativas ou de planejamento. Estes equipamentos devem estar organizados de acordo com a lógica da Segurança Alimentar e Nutricional e na perspectiva do direito humano a alimentação adequada. Muitos programas estimularam e financiaram uma diversidade de programas e ações que se espalharam em um primeiro momento pelo Brasil. Podemos citar os restaurantes populares, cozinhas comunitárias e banco de alimentos como exemplo. Porém é importante lembrar que antes mesmo da recriação do CONSEA em 2003 onde se teve um avanço nas políticas da Segurança Alimentar e Nutricional em diversos municípios já existiam equipamentos que foram criados nessa lógica.
· Quanto a inclusão produtiva rural vimos que a alta incidência de pobreza no meio rural exigiu do governo federal estratégias específicas capazes de reconhecer e incorporar em suas ações a diversidade social e econômica existente no campo. Para isso, o Plano Brasil sem Miséria articulou, de forma inédita, as informações do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal com as bases de dados de outros programas voltados ao atendimento da população rural, permitindo ao poder público conhecer as famílias mais pobres do país e reorientar a ação dos programas de apoio à estruturação produtiva dos agricultores familiares. Assim, foi possível direcionar esses programas de maneira focalizada, levando ao público do Plano, em uma perspectiva sistêmica, uma ou mais ações do “pacote” de inclusão produtiva rural, constituído por assistência técnica especializada, recursos para investir nas propriedades, ampliação do acesso à água e energia elétrica e apoio à comercialização da produção, por meio de compras públicas e privadas. (BRASIL, 2015, p. 17).
· Em relação ao monitoramento e sua importância vimos que: Monitoramento consiste no acompanhamento contínuo, cotidiano, por parte de gestores e gerentes, do desenvolvimento dos programas e políticas em relação a seus objetivos e metas. É uma função inerente à gestão dos programas, devendo ser capaz de prover informações sobre o programa para seus gestores, permitindo a adoção de medidas corretivas para melhorar sua operacionalização. É realizado por meio de indicadores, produzidos regularmente com base em diferentes fontes de dados, que dão aos gestores informações sobre o desempenho de programas, permitindo medir se objetivos e metas estão sendo alcançados. O conceito de monitoramento encerra uma ambigüidade e pode se referir a dois processos distintos, ainda que interligados. Por um lado, enquanto o acompanhamento dos programas se constitui em uma atividade interna da organização, um procedimento “a distância”, por outro, o monitoramento também se refere a processos “presenciais”, checagens locais, que acabam constituindo um tipo de pesquisa rápida, qualitativa, por meio da qual gestores, pesquisadores ou outros agentes podem verificar como a implementação está sendo realizada, e se está atingindo seus objetivos, além de verificar que problemas estão interferindo nas ações, processos e consecução dos objetivos previstos (UNESCO, 2006, p. 21).
· Sobre a avaliação e sua importância - A avaliação costuma ser realizada por meio de estudos específicos que procuram analisar aspectos como relevância, eficiência, efetividade, resultados, impactos ou a sustentabilidade de programas e políticas, segundo aquilo que foi definido em seus objetivos. Seu objetivo é melhorar as atividades em andamento e dar subsídios para o planejamento, a programação e a tomada de decisões futuras. De um modo geral, as avaliações são executadas por instituições externas, com pesquisas que procuram responder a perguntas específicas, propor medidas de correção e orientar os tomadores de decisão, gestores e demais atores envolvidos no processo de formulação e implementação. Pode ter como objetivo melhorar a qualidade dos processos de implementação ou auferir resultados. (UNESCO, 2006, p. 21).
· No que se refere a justiça social estudamos sobre equidade, igualdade de cidadania, oportunidades, bens primários, sobre renda e como a sociedade brasileira atual cria estrutura que auxiliam no desenvolvimento da desigualdade social e como os programas são importantes. 
· Sobre o papel do Estado nas políticas públicas é necessário o entendimento do protagonismo do Estado no desenvolvimento de ações e políticas para o combate às desigualdades pois está é a função social deste ente. Da mesma forma é importante ressaltar que este Estado está sendo disputado por interesses privados que visam o acúmulo de riquezas que muitas vezes são obtidas fruto da exploração dos trabalhadores. Desta forma cabe ao Estado a mediação destas relações.
· Direitos fundamentais são os direitos básicos individuais, sociais, políticos e jurídicos que são previstos na Constituição Federal de uma nação. Por norma, os direitos fundamentais são baseados nos princípios dos direitos humanos, garantindo a liberdade, a vida, a igualdade, a educação, a segurança e etc) e renda básica (Renda Básica é a definição de projetos ou programas de transferência de renda, governamentais ou não, que provém como garantia de direito inalienável, a distribuição sistemática de uma soma em dinheiro, igual, periódica, individual e predeterminada, para todos os membros de uma comunidade política, sem nenhum tipo de discriminação, segregação ou condicionalidade) 
· A FAO é um organismo internacional que promove um intenso debate sobre o combate à fome no mundo, seja através das suas análises, formulações e eventos acabam por “conduzir” no campo internacional o movimento desta área. Josué de Castro foi além de um ativista, técnico um formulador neste campo. Sua atuação na FAO e em outros organismos é marcante, porém seus livros são clássicos da área.
· A característica sistêmica da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil é positiva pensando em um organismo que interage entre si para que funcione como um corpo integrado. Para Renato S. Maluf e Marcio Carneiro dos Reis no livro “Segurança Alimentar e Nutricional: perspectivas, aprendizados e desafios para as políticas públicas”, são seis as características de um pensamento sistêmico: 1) A mais geral é a mudança das partes para o todo; 2) As propriedades das partes surgem das ‘relações de organização’ entre elas, isto é, as partes são apenas um padrão em uma teia inseparável de relações; 3) A capacidade