A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Processos formadores de rocha

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 @agrostudym 
 
 
 
Processos formadores de rocha 
 A rocha é um conjunto, grupo, coleção, 
agrupamento de minerais. 
Existem rochas que possuem apenas um 
mineral, mas são vários cristais e rochas que 
possuem vários minerais. 
Existem três processos bem distintos e 
básicos de formação de rocha: 
 Processo ígneo, que é magmático, o 
resfriamento de magma. 
 Processo sedimentar 
 Processo metamórfico. 
Processo ígneo (magmático) 
 O magma nada mais é do que a rocha em 
estado líquido. Então, o magma é a rocha em fusão. 
O mais comum (mais conhecido) é a 
solidificação por resfriamento de magma como 
ocorre nos vulcões (processo ígneo). 
No Brasil, temos alguns exemplos de 
vulcões, mas são vulcões antigos. As ilhas de 
Fernando de Noronha são um arquipélago de ilhas 
vulcânicas, e ali tem o registro mais próximo do 
recente, do presente de atividade magmática, por 
volta de um milhão de anos (em termos geológicos, 
é pouco). Depois disso, não tivemos nenhum 
registro ativo de nenhum vulcão no território 
brasileiro. 
 
 
 
 
Não temos nenhum vulcão ativo no 
território brasileiro, pois estamos bem no meio de 
uma placa tectônica e esses processos de atividade 
vulcânica, terremotos ocorrem nos limites das 
placas tectônicas. 
 No meio de uma placa tectônica a atividade 
geológica, é mais estável. 
Para obter rocha ígnea ou rocha magmática 
tem que haver antes da sua formação, o magma. 
Assim, as rochas magmáticas são produtos do 
resfriamento do magma. 
Processo sedimentar 
 A típica característica em uma rocha 
originada no processo sedimentar são esses 
planos, geralmente horizontais que recebem o 
nome de acamamento ou estratificação. 
 
Para haver uma rocha sedimentar é 
necessário haver sedimentos, que são os grãos, os 
clastos. 
Processo Metamórfico 
É quando temos uma rocha toda dobrada, 
deformada. 
Ao escutarmos o termo metamórfico, logo 
pensamos em um processo na natureza, a 
metamorfose, que é a transformação da larva em 
borboleta. Então, o termo metamórfico tem a ver 
com a mudança, com a transformação. 
@agrostudym 
 
Aula do YouTube Sistema Terra 
 
2 @agrostudym 
 Assim, as rochas metamórficas são 
produtos da transformação de rochas pré-
existentes. 
 
Pra haver uma rocha metamórfica é 
necessário haver outra rocha. 
 Uma rocha original pode ser tanto ígnea, 
como sedimentar, ou até mesmo outra rocha 
metamórfica. 
 
Processo ígneo: 
 Temos uma câmara magmática em 
profundidade. 
 O magma, que é a rocha em fusão encontra 
passagens que seriam fraturas (qualquer 
descontinuidade na crosta), que vai atingir a 
superfície. 
 Formará derrames de lava (magma mais 
viscoso). 
 Junto com o magma sempre vem muito 
material gasoso e líquido que acaba sendo 
muitas vezes, uma atividade altamente 
explosiva, porque o gás leva a essa 
explosão e leva grande quantidade de 
material para a superfície. 
A cinza vulcânica que é uma poeira jogada para 
a atmosfera pelo vulcão, possui cristais de sílica 
que é a mesma composição do mineral quartzo, só 
que não está em um arranjo cristalino perfeito (é 
como se fosse um vidro vulcânico). 
Alguns registros de atividades vulcânicas no 
território brasileiro também podem ser vistos na 
paisagem na bacia do Paraná. 
 
Na imagem é visível a formação de pacotes 
(não chega a ser camadas de rochas sedimentares, 
mas são sucessivos derrames de lavas que cobriu 
grande parte do continente). 
Tudo foi coberto por lava, por magma que se 
solidificou formando uma rocha que é muito 
característica de atividade vulcânica que é o 
. basalto
O basalto, apesar de ser uma rocha preta 
muito dura, ela é muito suscetível e muito frágil à 
ação de intemperismo. A rocha então, se 
intemperiza pela ação da água e de 
microorganismos, se transformando em solo. 
Regiões de basalto geralmente são áreas de solos 
bastante férteis, por isso é muito comum e intensa 
a atividade de agricultura. 
Assim, na imagem é perceptível que no topo 
de cada derrame acaba tendo mais vegetação, e 
isso ocorre porque no topo do derrame o magma 
tem muito gás e acaba ficando como se fosse uma 
espuma, então, o material com mais vazios que 
chamamos de pedra-pomes (bem poroso), é mais 
frágil e altera mais fácil para a formação de solo, 
por isso no topo do derrame tem essa tendência de 
formar mais solo. 
O basalto também tem a característica de 
formar as bolhas em função do gás, e dentro dessa 
bolha, cheia de água com sílica dissolvida, começa 
um processo de crescimento de cristais de fora 
para dentro, que irá formar os geodos. 
 
3 @agrostudym 
 A questão do derramamento desse basalto 
no Sudeste até a Argentina, Paraguai é bem 
extenso. O Rio Paraná corta esses derrames e 
forma cachoeiras como as Cataratas do Iguaçu. 
Assim, as cataratas do Iguaçu nada mais estão do 
que erodindo e formando uma erosão remontante 
que tende a ir para a montante, e isso tudo são 
basaltos de derrame que recebe o nome de 
formação serra geral. 
 
O único ponto em que esse pacote de 
derrame atinge o litoral é na Praia de Torres, no Rio 
Grande do Sul (por isso ela recebe esse nome). 
Quando o basalto resfria, ele tem uma 
característica por esse resfriamento que é o de 
formar colunas, que é chamado de disjunções 
colunares. 
 
Mapa geológico da bacia do sedimentar do Paraná 
 
No interior do Paraná e em certa parte do 
estado de São Paulo, são regiões onde tem 
intensiva atividade agrícola (principalmente a 
plantação de cana). 
O fato do basalto ser uma rocha que se 
intemperiza fácil, continuamente esta 
disponibilizando elementos químicos para o solo, 
como se fosse uma fertilização natural. 
Dentro do processo magmático de 
resfriamento de magma, serão discutidos dois tipos 
principais: tem o magma que resfria na superfície, 
que será o resfriamento rápido e tem o magma que 
resfria em profundidade. 
O resfriamento do magma em profundidade 
tende a formar minerais mais bem formados, 
maiores. Já o resfriamento em superfície é o 
resfriamento muito rápido.