A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Fisiologia da Tireoide

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fisiologia da Tireoide 
 
 
O hipotálamo controla os hormônios liberados pela adeno-hipófise e ela, por sua vez, controla a tireoide, 
constituindo o eixo hipotálamo-hipófise-tireoide. O hipotálamo libera o hormônio chamado de hormônio 
estimulador de tireotropina (TRH). Esse hormônio vai até a adeno-hipófise, passando pelo plexo capilar 
primário, sistema porta-hipofisário e plexo capilar secundário. As células estimuladas na adeno-hipófise são 
as células tireotrofas, que liberam o hormônio tireoestimulante (TSH). O hormônio tireoestimulante cai na 
corrente sanguínea e estimula a tireoide a produzir os hormônios T3 e T4. A relação entre esses dois últimos 
hormônios e o eixo em questão se dá através de feedback negativo que será abordado mais adiante. Em 
suma, conforme a concentração de T3 e T4 sobe na corrente sanguínea, o eixo vai sendo bloqueado. O 
inverso também acontece. A tireoide fica na posição inferior à laringe, profundamente aos músculos 
esternotireóideo e esterno-hioideo, ao nível de C5 e T1 e, geralmente, entre o segundo e o terceiro anéis 
traqueais. É formada por aproximadamente três milhões de folículos. Agrupamentos de 30 a 40 folículos 
formam os lóbulos. O lúmen dos folículos é preenchido por coloide, cujo principal componente é a proteína 
tireoglobulina (TG) formada por muitas tirosinas, um aminoácido ao qual o já iodo se liga para a formação 
de T3 e T4. O hormônio T3 se chamada tri-iodotironina, ou seja, há 3 moléculas de iodo ligadas à tirosina. O 
T4 se chama tiroxina ou tetraiodotironina e possui 4 iodos ligados à tirosina. Na tireoide há também outras 
células chamadas de células parafoliculares, ou células C, responsáveis por produzir a calcitonina (CT) que 
reduzem a calcemia. 
 
Biossíntese dos hormônios tireoidianos 
Duas substâncias são essenciais para a síntese e secreção dos HTs: o iodo e a tireoglobulina. 
 
Os HTs são compostos que apresentam iodo na sua composição, o que torna clara a dependência de um 
suprimento alimentar adequado de iodo para garantir que sejam sintetizados em quantidades apropriadas. 
Assim, a baixa ingestão alimentar de iodo limita a síntese dos HTs, reduzindo suas concentrações circulantes 
e os seus efeitos biológicos, condição conhecida como hipotireoidismo. A tireoglobulina é uma glicoproteína 
de alto peso molecular, constituída de duas subunidades. É sintetizada exclusivamente na célula tireoidiana 
e secretada para o interior dos folículos tireoidianos, em resposta à ação do TSH. Ela apresenta vários resíduos 
do aminoácido tirosina, os quais, durante o processo de síntese de HT, sofrem iodação, razão pela qual é 
considerada a matriz para a biossíntese desses hormônios, bem como o reservatório deles. 
A síntese de T3 e T4 acontece nas seguintes etapas: 
 
• Captação de iodeto pelas células foliculares tireoidianas 
• Oxidação do iodeto 
• Iodação dos resíduos tirosil da molécula de tireoglobulina, formando iodotirosinas 
• Acoplamento oxidativo de duas iodotirosinas formando iodotironinas ainda ligadas à tireoglobulina 
 
E a secreção dos HT: 
• Endocitose de coloide 
• Proteólise da TG 
• Secreção hormonal 
 
A célula folicular tem estrutura semelhante às células do ducto do néfron. A parte da célula voltada para o 
capilar é chamada de membrana basolateral, enquanto a parte da célula voltada para o lúmen do folículo, 
para a região do coloide, se chama membrana apical. 
 
 
 
 
 Captação de iodeto pelas células foliculares tireoidianas 
 
Na membrana basolateral, a captação é responsável pelas bombas de sódio e potássio. Essa bomba joga o 
Na+ para fora, reduzindo a contração intracelular, e internaliza o potássio, aumentando a concentração de 
K+ dentro da célula. A redução de sódio dentro da célula abre margem para que mais sódio entre. Esse íon, 
então, ao entrar novamente, carrega iodeto por mecanismo de cotransporte através da proteína NIS 
(Simporte de I- e Na+). Uma vez dentro da célula, o iodeto é direcionado à membrana apical da célula 
para ser jogado no coloide folicular. A saída do iodeto se dá por antiporte, ou antitransporte, com cloreto 
(Cl), através de uma proteína transportadora chamada de Pendrina. 
 
 Oxidação do iodeto 
 
Note que entre a entrada do iodo e a saída dele da célula, ele muda a conformação de iodeto (I-) para iodo 
(l2). Essa mudança acontece por conta da oxidação realizada pela enzima tireoperoxidase (TPO), na presença 
de peróxido de hidrogênio (H202). O H202 é produzido por uma enzima chamada de DUO X. 
 
 Iodação dos resíduos tirosil da molécula de tireoglobulina, formando iodotirosinas e acoplamento 
oxidativo de duas iodotirosinas formando iodotironinas ainda ligadas à tireoglobulina 
 
A tireoperoxidase também é responsável por iodar as tirosinas, formando primeiro a MIT (monoiodotirosina), 
e a DIT (di-iodotirosina). Após a formação de vários MiTs e DITs (tirosinas), acontece o acoplamento entre 
MIT e DIT, formando T3 e entre dois DITs para formação de T4. Esse acoplamento é feito também pela enzima 
tireoperoxidase. Atenção, a ligação entre quatro MITs para formar T4 não acontece. Essa reação não acontece 
porque cada MIT tem uma tirosina, e o T4 tem 2 tirosinas. Caso 4 MITs se ligasse, o T4 teria que ter 4 tirosinas, 
e isso não acontece. A formação do T3 e do T4 (tironinas) se dá sempre pela ligação entre 2 tirosinas (MIT ou 
DIT). A ligação entre duas tirosinas resulta em uma tironina. 
 
 
 
Resumindo, as ligações ficariam da seguinte forma: 
 
• Tirosina + 1 iodo: MIT 
• Tirosina + 2 iodos: DIT 
• MIT+DIT:T3 
• DIT + DIT: T4 (tetraiodotironina) 
 
O hormônio T3 pode ter o iodo inserido em uma posição errada, formando o RT3 (T3 Reverso). O RT3 não 
tem função biológica, e fica inativo no organismo. Essa forma é usada, fisiologicamente, para inativação de 
T4, em que o organismo transforma T4 em RT3 para diminuir a ação do T4 em situação com excesso desse 
hormônio. Além disso, duas moléculas de MIT se ligam, formando o T2, sem função dentro do organismo. 
 
 Secreção dos HT 
 
Por fim, após a formação de T3 e T4 na forma de tireoglobulina (TGB) no lúmen do folículo, a célula capta 
esses hormônios novamente com a formação de uma vesícula ou fagossomo. Essa vesícula se liga ao 
lisossomo que degrada a TGB e separa T3 e T4 livres que são liberadas na corrente sanguínea. A saída do T3 
e T4 é possível através da proteína MCT8. Se, nesse processo de fagocitar o coloide, vier T2 ou RT3, hormônios 
sem função biológicas, esses hormônios são reciclados pela enzima desalogenase que degrada esses 
hormônios, liberando iodo e tirosina que saem para o coloide novamente e ficam disponíveis para formação 
de T3 e T4, como visto anteriormente. Vale ressaltar que o T3 representa apenas 7% da produção hormonal, 
ao passo que o T4 representa 93%. Porém, apesar de ser menor a produção, o T3 tem muito mais função e 
ativação no organismo. O T4, quando entra na célula, é convertido em T3 em um processo que será estudado 
mais adiante. Todo esse processo de síntese de hormônios é estimulado pelo TSH. Além disso, com a ligação 
do TSH no seu receptor, na membrana basal das células foliculares, esse hormônio induz a proliferação das 
células foliculares, melhora a atividade da bomba Na/K, melhora a captação de iodeto, melhora na endocitose 
de coloide, melhora na liberação de T3 e T4, aumenta a formação de tireoperoxidase, entre outras funções 
celulares que refletem nas funções tireoidianas. 
 
 
Você tem uma tirosina e pode adicionar iodo em suas extremidades. 
Colocando 1 iodo você forma um MIT, colocando 2 iodos você forma um DIT. Portanto, se você fundir um 
MIT (1 iodo) com 1 DIT (2 iodos teremos um T3). 
 
 
 
 
Transporte plasmático 
 
99% das HTs estão ligadas a proteínas transportadoras 
 
•Globulina transportadora de hormônios tireoidianos (TBG) 
•Pré-albumina transportadora de hormônios tireoidianos (TBPA) 
•Transtiretina (TTR) – no SNC