Buscar

Nise da Silveira, Arteterapia, Psicologia Analítica - Questões

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

1- Como se deu a entrada de Nise da Silveira no trabalho desenvolvido no hospital referido?
Nise da Silveira foi a única mulher a se formar entre 150 alunos homens no curso de medicina na Bahia. Após o falecimento dos seus pais, Nise vai para o Rio de Janeiro e em 1933, próximo ao término da sua especialização em psiquiatria, ela começa a estagiar em uma clínica neurológica e nesse mesmo ano ela passa em um concurso e começa a trabalhar no Hospital Pinel.
Em 1936 ela é denunciada por possuir livros comunistas e é presa pela polícia de Getúlio Vargas, suspeita de ligação com o PCB, ela passa 18 meses presa na cadeia Frei Caneca. Em 1944, já livre, ela passa a ficar viajando entre as cidades com seu marido, pois tinha medo de ser presa novamente. Nesse mesmo ano, ela é integrada novamente no serviço público do Rio de Janeiro no Hospital Psiquiátrico Nacional Pedro II, conhecido como Engenho de Dentro, e é nesse momento então que ela parte para revolucionar o tratamento de pessoas enfermas. 
2- A partir de sua inserção no hospital Engenho de Dentro, o que Nise da Silveira observou da estrutura institucional que traria / trouxe dificuldades ao realizar seu trabalho?
Nise da Silveira enfrentou o extremo machismo e preconceito vindo de seus colegas de trabalho, que também eram profissionais da saúde. Esses comportamentos, apesar de serem negativos para a realização de um trabalho mais profissional, permitiram que Nise tomasse frente na administração do departamento de terapia ocupacional, onde foi ‘’jogada’’ apenas por ser mulher e ir contra as práticas agressivas de tratamento, como eletroconvulsoterapia e lobotomia.
A má execução de terapias aos clientes administradas pelos outros profissionais foi uma das dificuldades que Nise teve que enfrentar, pois, os clientes estavam emocionalmente debilitados e apresentavam um recalque significativo nas novas práticas de terapia que Nise oferecerá. Além disso, a estrutura do hospital psiquiátrico era precária, muita sujeira, desleixo e indiferença da parte administrativa do hospital.
3- Como Nise da Silveira associou a produção artística dos usuários/internos do Hospital à saúde mental – prevenção e promoção de saúde?
No contexto da época era pouco investigado como as noções artísticas funcionavam frente às emoções das pessoas. Nise, ao longo do seu trabalho, percebe que os clientes, que um dia foram reprimidos e bloqueados pelo tratamento terapêutico antecessor, passam a se comunicar por uma linguagem que foi esquecida. As artes produzidas pelas pessoas se apresentam como uma resposta do seu inconsciente, que muitas vezes, poderiam não ser ‘’alcançadas’’ e afloradas em uma terapia convencional. 
Desta forma, a realização das obras artísticas passa a ser uma forma de linguagem não verbal encontrada pelos internos para demonstrar o seus desejos, sentimentos e emoções, fazendo com que o seu ‘’mundo interior’’ transcenda o espaço físico do seu corpo e se instale na tela, desse modo, lidar com seus problemas passa se tornar algo mais leve. Além, claro, de remediar possíveis problemas futuros como depressão, ansiedade, ataques de pânico, solidão, etc. 
4- Quais foram as principais conclusões a que Nise da Silveira chegou, quando percebeu o acréscimo de saúde mental dos internos a partir de seu trabalho?
Nise da Silveira nota que seu método de terapia está dando resultados positivos quando as produções artísticas vêm à tona e o nível de agressividade e quadros depressivos no hospital diminuem. Ela percebe que a arte, e posteriormente os animais de estimação dão aos internos uma chance de expressar o que sentem, não apenas com as palavras, mas com a ‘’alma’’. 
Além disso, a compreensão da educação, do amor e a vontade de realmente ajudar são um dos principais aspectos que fizeram com que a terapia fosse um sucesso, deixando de lado a tradição de métodos abusivos de terapia.
5- Qual era a metodologia de intervenção utilizada por Nise da Silveira, apresentada no filme?
Nise da Silveira utilizou a Psicologia Analítica, de Jung, para aplicar no hospital psiquiátrico. Essa metodologia tem como base a troca de energia entre a consciência e a inconsciência, como uma espécie de conversação entre o mundo interior e o mundo exterior. Para Jung as experiências simbólicas têm fundamental importância na vida do indivíduo.
6- Qual o papel da Psicologia de Jung na prática profissional de Nise da Silveira, também contida no filme?
Jung criou o conceito do inconsciente coletivo, uma área onde reside impressões e sentimentos incontroláveis, essas impressões são frutos de vivências individuais e do coletivo. Nise da Silveira aproveita disso para fomentar que os internos produzam artes únicas, cada um com seu próprio fundamento e história. Não é dado sugestão do que deve ser produzido, é uma manifestação da essência mais pura que há na psique do indivíduo.
Por conta disso, é notório que muitas telas produzidas pelos clientes durante o tratamento, comportam-se como uma espécie de manifestação da história de vida do sujeito. Por exemplo, Fernando Diniz, um dos clientes do hospital psiquiátrico, pinta a casa em que sua mãe trabalhava quando ele era criança. 
7- De que forma Nise da Silveira relacionou as produções artísticas dos internos com quem atuava ao conjunto de simbolismos presentes nestas produções?
Os símbolos, para Jung, representam uma linguagem do inconsciente, provinda de experiências. Tendo isso em mente, Nise da Silveira percebe que alguns de seus clientes desenham figuras geométricas (contendo círculos, quadrados, triângulos, etc), algo similar a mandalas. Ela dita essas obras como ‘’alívios emocionais’’, ou seja, o indivíduo parte de desenhos similares a mandalas, tidos como formas de representação da psique, para Jung, para acalmar seus anseios. 
Nise entende que as obras produzidas por pessoas esquizofrênicas são capazes de transpor por meio da tela os estados do inconsciente do indivíduo, que muitas vezes é incapaz de apresentar-se por meio das palavras. E isso acontece mesmo com a perda da ‘’coerência do consciente’’, pois, os símbolos estão além disso, eles retratam o inconsciente na sua forma mais genuína. 
8- Quais símbolos estão presentes nas obras contidas no filme? Isto a partir da relação entre cada interno e suas produções individuais – (as escolhas dos instrumentos e materiais de trabalho diz muito sobre o artista! Logo, seus símbolos também!)
Por trás de cada obra há a concepção simbólica do próprio autor, pensando nisso, a riqueza de símbolos nos traços, nas formas, na obra completa e nos materiais usados é vasta. 
Por vezes vemos que a maior parte das obras feitas pelos internos no hospital psiquiátrico é com tinta e pincel, a priori pode-se imaginar que em última análise, tem o mesmo simbolismo, no senso comum: representar o interior por meio do pincel e da tinta. Porém, o pincel utilizado, a tinta pura ou misturada, o traço adotado, o objeto empregado na criação da obra dizem muito sobre ele, como por exemplo, os trabalhos de Emygdio de Barros, Adelina Gomes e Fernando Diniz. 
Já o interno Lúcio Noeman, parte para a criação de obras com argila, simbolizando um estado mais primitivo. Jung entende que obras que representam pedras (inclui-se esculturas), estão ligadas à importância que a pedra tinha na sociedade antiga, então, a escultura passa a ser como uma forma de dar um sentido a mais a pedra, além da sua figura natural.
9- Enumere quais as produções e artistas – internos presentes no filme que mais te chamaram à atenção, pensando no vínculo entre arte e psicologia?
1) Pintura de Fernando Diniz de uma janela aberta. Antes de Fernando começar a pintura, Nise coloca uma música clássica para tocar, porém, entramos no personagem e percebemos que Fernando ouve apenas ruídos e gritos. Após isso ele apenas diz ‘’música’’ e começa sua pintura com traços longos e fortes. Ao final da pintura ele a observa e diz ‘’até uma janela aberta vira paisagem. Um dia ela abre’’. Os ruídos da música representam a confusão mental do interno, e o seu comentário sobresua obra representa uma espécie de esperança no tratamento em que está inserido, onde cativa-se continuar produzindo mais pinturas.
2) Lúcio Noeman produzindo suas esculturas. A delicadeza em produzir a escultura e o seu estado de agressividade contrastam-se de uma maneira tão natural que por momentos, se esquece do estado de hostilidade do interno. A agressividade, ou os estados emocionais em geral, se casam muito bem com as criações artísticas, a transparência – mesmo que subjetiva – em uma obra, pode denunciar o lado mais sensível do autor, além de ajudar a acalmar seu estado de espírito. 
3) Emygdio de Barros. O que mais deixa as obras dele interessante é a sua história, ele era um operário que trabalhou na marinha. Além disso, Emygdio era uma pessoa muito reservada e não tinha boas habilidades de comunicação, tão pouco estudos sobre arte. Porém, desde sua primeira obra já era possível notar um talento incomum. Emygdio, após ser elogiado sobre sua obra diz ‘’eu não sou um pintor. Sou um operário. Mas enquanto eu estiver por aqui, eu vou pintando.’’, mais tarde ele diz a mesma frase, porém, dessa vez, aponta para a cabeça e complementa com ‘’continuarei pintando aqui, no engenho de dentro’’, fazendo uma ligação do nome do hospital com a sua psiquê. Além disso, denunciando uma vontade e perseverança em continuar pintando, pelo menos até estar consciente. 
10- Quais elementos de aproximação entre Arte e Psicologia estão presentes no filme indicado?
Além do filme se passar dentro de um hospital psiquiátrico e estar repleto de referências a comportamentos estudados na psicologia, a arte também se mostra presente e como o braço direito no sucesso da terapia dos internos.
Percebe-se que cada interno produz a sua própria arte, o que evidencia a subjetividade humana e a influência de suas experiências anteriores. 
Além do trabalho de terapia que Nise da Silveira realizou, é possível notar um trabalho científico (visto que foi uma das pioneiras da Psicologia Analítica no Brasil), artístico e político. Ela revolucionou a terapia ocupacional, enfrentou o machismo e foi contra as práticas desumanas de tratamento psiquiátrico. Nise também estudou a relação dos animais de estimação dentro de um contexto de terapia, e os denominou como ‘’co-terapeutas’’, ajudando na promoção da saúde dos internos. 
A arte na terapia se apresenta como uma forma de expressão não verbal, garantindo a comunicação entre o terapeuta e o cliente, que muitas vezes apresentam uma dificuldade de diálogo. A arte dá espaço para a expressão da raiva, da felicidade, medo, etc. Além de incentivar a criatividade, a busca e a investigação do interior de cada indivíduo. 
Por vezes, não apenas no filme, é possível notar o quanto um tracejado de tinta transparece o lado mais sensível do pintor, o lado que naturalmente não ficaria evidenciado sem uma expressão artística.
NISE O CORAÇÃO DA LOUCURA 2016 BLURAY 720P NACIONAL. Andre Silva. Youtube. 8 de mar. de 2020. 1h42min11s. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=bOrymJuwVvI&t=3329s>. Acesso em 18 de maio de 2021. 
Museu de Imagens do Inconsciente. Disponível em <http://mii2.hospedagemdesites.ws/#index>. Acesso em 18 de maio de 2021.