A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
DIREITO PENAL

Pré-visualização | Página 4 de 4

Esta é a teoria adotada pelo Código Penal brasileiro.
TERRITORIALIDADE
CP, Art. 5º - Aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido no território nacional.
O Código Penal adota o Princípio da Territorialidade. Logo, considera-se território nacional:
1) Território físico - Espaço terrestre, marítimo, aéreo, incluindo rios, lagos,
baías, ilhas e tudo que o compõe.
2) Mar territorial e seu espaço aéreo correspondente – faixa de 12 milhas
marítimas de largura, medidas a partir da linha de baixa-mar do litoral continente e insular.
3) Território brasileiro por extensão (território jurídico) – Art. 5º, § 1º, CP.
Será aplicada a lei penal brasileira, desde que a ação ou omissão seja
praticada no Brasil ou que o resultado desta tenha sido produzido ou deveria ter sido produzido no Brasil.
No Brasil, não se adota o princípio da territorialidade absoluta, porque há ressalvas quanto ao que fora estabelecido por convenções, tratados e regras de direito internacional.
Princípio da Territorialidade Temperada (ou mitigada)
1) Situações que brasileiros cometem crimes no exterior e serão
responsabilizados de acordo com a lei penal brasileira – regras da
extraterritorialidade (art. 7º, CP)
2) Situações que estrangeiros cometem infrações penais no território brasileiro
e não lhes será aplicada a lei penal brasileira - Imunidades diplomáticas e de
chefes de Estado
Obs.: Embaixadas não são extensão do país que representam. Apesar de
invioláveis, em regra, os crimes praticados em embaixadas estrangeiras
localizadas no Brasil terão aplicação da lei penal brasileira, salvo convenção
ou tratado internacional.
Imunidade diplomática
Prevista na Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961, incorporada ao direito brasileiro pelo Decreto nº 56.435/65.
A quem se aplica?
1) Chefes de Estado ou de Governo e suas famílias, bem como membros de
sua comitiva;
2) Embaixador e sua família;
3) Diplomatas, funcionários do corpo diplomático e suas famílias. Estes serão responsabilizados de acordo com a lei de seus respectivos países;
4) Funcionários de organizações internacionais, tais como a ONU, quando
estiverem em serviço
Obs.: o agente consular não possui imunidade diplomática, mas sim imunidade funcional relativa, restrita aos atos de ofício.
Art. 5º, §1º, CP - Para os efeitos penais, consideram-se como extensão do território nacional as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem, bem como as aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, que se achem, respectivamente, no espaço aéreo correspondente ou em alto-mar.
§2º - É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados a bordo de aeronaves ou embarcações estrangeiras de propriedade privada, achando-se aquelas em pouso no território nacional ou em voo no espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou mar territorial do Brasil.
	Lugar do crime
	Aplica-se a lei penal brasileira?
	Embarcações e aeronaves brasileiras de
natureza pública
	Sim – onde quer que se encontrem
	Embarcações e aeronaves brasileiras a serviço do governo brasileiro
	Sim – onde quer que se encontrem
	Embarcações brasileiras mercantes ou de propriedade brasileira
	Sim, desde que se encontrem no alto-mar
	Aeronaves brasileiras mercantes ou de
propriedade privada
	Sim, desde que se encontrem no espaço aéreo correspondente ao alto-mar
	Embarcações estrangeiras de propriedade privada
	Sim, desde que esteja atracada em porto ou navegando em mar territorial do Brasil
	Aeronaves estrangeiras de propriedade privada
	Sim, desde que em pouso no território nacional ou em voo no espaço aéreo brasileiro
	Embarcações ou aeronaves de natureza
pública estrangeira ou a serviço de governo estrangeiro
	Não
	Embarcações ou aeronaves, mercantes ou privadas, quando em território estrangeiro
	Sujeita-se à lei brasileira, desde que não seja julgado no território estrangeiro. Todavia, aplica-se a regra da extraterritorialidade condicionada – art. 7º, II, c, CP.