A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
63 pág.
apostila_samu_CONDUTOR

Pré-visualização | Página 9 de 21

5 
Confuso 4 
Palavras desconexas 3 
Sons incompreenssíveis 2 
Sem resposta 1 
Resposta motora 
Obedece 6 
Localiza a dor 5 
Retirada 4 
Decorticação 3 
Descerebração 2 
Sem resposta 1 
 
 25 
 
 Dor à movimentação do pescoço 
 Dor em outras regiões da coluna 
 Deformidades visíveis ou palpáveis da coluna 
 Fraqueza ou formigamento das extremidades 
 Paralisia de membros inferiores 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sempre que houver a suspeita de TRM, a vítima deve ser tratada como tal, até a chegada ao 
hospital, ou seja, imobilizada com colar cervical, ou KED, conforme a necessidade, e transportada em 
prancha rígida. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 26 
 
CAPÍTULO V – ACIDENTES COM MÚLTIPLAS VÍTIMAS 
 
 
 Introdução 
 
O Distrito Federal apresenta uma população de aproximadamente 2,5 milhões de habitantes 
distribuídos geograficamente de acordo com suas 28 Regiões Administrativas. Esta população, como 
qualquer outra, encontra-se sujeita a ocorrência de desastres e calamidades, naturais ou provocados pelo 
homem. Assim sendo, aqui no Distrito Federal, podem ocorrer eventos tais como incêndios ou explosões 
em shoppings ou edifícios, acidentes rodoviários envolvendo ônibus ou caminhões, acidentes em 
depósitos de combustíveis , acidentes aeronáuticos, acidentes com material radioativo 
(clinicas radiológicas), distúrbios civis de grandes proporções ( Congresso Nacional) ou até mesmo 
ataques terroristas (Embaixadas, representações diplomáticas). 
Na ocorrência de qualquer uma das situações acima, a resposta dos órgãos públicos se fará 
necessária e será proporcional e específica para cada caso. Assim, questões que envolvem ordem 
pública e segurança envolverão predominantemente ações policiais; situações que envolvam incêndios ou 
ações de resgate ou salvamento envolverão predominantemente ações do Corpo de Bombeiros e assim 
por diante. Entretanto, em todas estas situações o objetivo final de toda a ação é preservar e salvar as 
VIDAS das vítimas envolvidas, fazendo com que em todas elas, esteja envolvida a responsabilidade 
primária e intransferível da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, através da rede hospitalar 
de assistência e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU 192, garantindo o acolhimento 
necessário e o tratamento adequado a cada vítima. 
A estrutura hierarquizada e regionalizada da atenção à saúde no Distrito Federal, por si, já garante 
uma facilidade na distribuição e encaminhamento das vítimas na ocorrência de acidentes ou calamidades. 
Praticamente todas as regiões de saúde (anexo1) possuem hospitais regionais com capacidade de 
atendimento nas áreas básicas (Cirurgia geral, clínica médica, Ginecologia Obstetrícia e pediatria), 
garantindo o acesso mais próximo ao local do incidente para um suporte hospitalar às vítimas. 
O papel do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência SAMU 192, conforme determinação da portaria 
MS 2048/02, é o de realizar a Regulação e atendimento local em situações de desastres, catástrofes ou 
acidentes com múltiplas vítimas de diferentes portes, bem como participar na elaboração de planos de 
atendimento e realização de simulados com Defesa Civil, Bombeiros, Infraero e demais parceiros. 
 
 Objetivos 
 
Estabelecer um protocolo de atendimento a acidentes com múltiplas vítimas, cujos objetivos são: 
 Oferecer os melhores cuidados ao maior número possível de vítimas 
 Racionalizar o uso de recursos humanos e materiais 
 Evitar a ―transferência‖ de local do desastre para os hospitais 
 
Tais objetivos serão alcançados através da integração de 3 componentes do SAMU 192: a Central de 
regulação médica, as Unidades Básicas e Avançadas móveis e o Posto Médico Avançado (PMA) no local 
do acidente. Entretanto, tal protocolo permite que, em caso de necessidade, as ações sejam integradas às 
atividades de outros órgãos (Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, etc), fazendo parte de um Sistema de 
Comando de Incidentes (SCI). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 27 
 
 
 
 Plano de ativação do serviço 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Ativação da equipe hospitalar 
 
Os hospitais de referência serão acionados inicialmente pelo médico supervisor de dia da central de 
regulação, recebendo destes a previsão de recursos disponíveis no momento. Após este levantamento, os 
dados serão repassados para o Médico Regulador de Campo. 
Central 
192 
CIADE 
DEFESA CIVIL 
INFRAERO 
CIOSP 
Órgãos públicos 
MÉDICO 
REGULADOR 
DIRETOR 
ATENÇÃO MÉDICA 
RADIO 
OPERADOR 
UNIDADES 
BÁSICAS E 
AVANÇADAS** 
DIRETOR 
GERAL 
CHEFE 
REGULAÇÃO 
COORDENADOR DE 
APOIO OPERACIONAL 
SUPERVISOR 
DE DIA 
HOSPITAIS 
REFERENCIA* 
CHEFE 
ENFERMAGEM 
* Definidos de acordo com o local do ocorrido 
ou de referencias específicas 
 
** Inicialmente enviadas 5 unidades ( 03 USB e 
02 USA) mais próximas 
 
 28 
Após avaliação e estabilização de cada paciente no local do incidente, os mesmos serão 
encaminhados para o hospital de destino após contato do Médico Regulador de Campo com o Chefe de 
Equipe da emergência. 
O contato Supervisor  HospitaisMédico Regulador de Campo será realizado de acordo com a 
via de comunicação disponível. 
 
 
 
 
 Distribuição geral e atribuições da equipe no local 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Atribuições dos profissionais envolvidos 
 
o Coordenador Médico Geral 
 
 Coordenar todas as atividades relacionadas à área da saúde 
 Prover de recursos as atividades das equipes da saúde, quando solicitado pelo 
Coordenador de Logística Médica 
 Coordenar todas as funções da equipe de atendimento médico pré-hospitalar durante o 
evento 
 Receber novas equipes e encaminha-las ao Coordenador do PMA, de acordo com a 
solicitação 
 Coordenar, junto ao comando geral do incidente, a captação e utilização de recursos 
humanos e materiais 
 Coordenar todos os serviços particulares de Atendimento pré-hospitalar que se 
apresentarem no local até o final do evento 
 Intermediar possíveis impasses entre as equipes do evento ou com os hospitais 
 Acionar a Central 192 em caso de necessidade de outros recursos 
 Determinar, em conjunto com o comandante geral do evento, o final da ação médica 
 
Coordenador médico 
geral 
Coordenador de 
Logística Médica 
Coordenador de 
PMA 
Médico Regulador de 
Campo 
Coordenador 
Área Triagem 
Coordenador 
Área Amarela 
Coordenador 
Área Vermelha 
Hospitais 
Central 
192 
Coordenador 
Área Verde 
 
 29 
o Coordenador do Posto Médico Avançado 
 
 Coordenar o fluxo de entrada e saída de pacientes do Posto Médico Avançado 
 Coordenar a distribuição dos pacientes para as posições próprias de acordo com a 
gravidade do caso 
 Coordenar as equipes de atendimento 
 Solicitar ao coordenador-geral do evento mais equipes quando necessário 
 Manter informado o médico regulador de campo o numero de pacientes e sua classificação 
 Definir, de acordo com as disponibilidades, as prioridades de remoção das vítimas, levando 
em conta sua gravidade 
 Designar a composição das equipes e os coordenadores das áreas vermelhas, amarela e 
verde. 
 Solicitar ao chefe de logística a necessidade de material 
 Assumir a coordenação da área vermelha até que disponha de pessoal para montagem do 
PMA 
 Liberar os pacientes

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.