A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Pessoa Natural - Direito Civil I

Pré-visualização | Página 1 de 6

CONCEITO DE PERSONALIDADE 
Soma de bens corpóreo e incorpóreos da pessoa natural ou 
jurídica 
Soma de aptidões da pessoa 
Isto é, aquilo que a pessoa é, tanto no plano corpóreo, quanto no 
social 
DELIMITAÇÃO DO CONCEITO DE PESSOA NATURAL 
 Exclui-se: Animais, Seres inanimados, Entidades místicas, Entidades 
metafísicas 
 São objetos de direito: ar, a água, o solo e as pedras, entidades 
religiosas, Deus, mundo, almas 
PERSONALIDADE CIVIL 
INÍCIO DA PERSONALIDADE 
Nascimento com vida (CC, art. 2o) 
Mas assegura-se, desde a concepção, os direitos do nascituro (CC, 
art. 2o) 
→Teoria natalista 
→CC Francês exige que o nascituro → Independe do corte do 
cordão seja apto para vida umbilical (LRP, art. 53, § 2o) 
TEORIA NATALISTA 
Não seria pessoa, porque é necessário o nascimento com vida 
O nascituro não teria direito, mas mera expectativa de direitos 
Nascituro seria então uma coisa? 
A resposta é sim, já que teria apenas expectativa de direitos 
Está cada vez mais distante das técnicas de reprodução assistida e da 
proteção ampla de direitos da personalidade e da dignidade da pessoa 
humana 
TEORIA DA PERSONALIDADE CONDICIONAL 
Personalidade começa com o nascimento com vida 
Nascituros são sujeitos a uma condição suspensiva (são direitos 
eventuais) 
Está apegada a questões patrimoniais, não resolvendo sobre 
direitos pessoais. 
Evento futuro e incerto 
Acaba reconhecendo uma mera expectativa de direitos 
Washigton de Barros Monteiro, Miguel Maria Serpa Lopes e Clóvis 
Beviláqua 
TEORIA CONCEPCIONISTA 
Nascituro é pessoa e tem direitos resguardados por lei 
Art. 1o do Esboço Teixeira de Freitas: “As pessoas consideram- se 
nascidas apenas formadas no ventre materno. A Lei lhes conserva 
seus direitos de sucessão ao tempo do nascimento” 
Maria Helena Diniz, Flávio Tartuce, Giselda M. F. N. Hironaka, Silmara J. 
Chinellato, Pontes de Miranda, Rubens Limongi França, Pablo Stolze, 
Rodolfo Pamplona Filho, Roberto Sinese Lisboa, CristinaoChaves de Farias, 
Nelson Rosenvald, Francisco Amaral, Guilherme Calmon Nogueira da 
Gama, Antônio Junqueira de Azevedo, Gustavo Rene Nicolau, Renan 
Lotufo 
TEORIA CONCEPCIONISTA 
 Ganha força com a Lei de Biossegurança (Lei 11.105/2015), 
que proíbe engenharia genética em embrião humano 
 Possibilidade de utilização de células- tronca para fins 
científicos e terapêuticos, desde que os embriões sejam 
considerados inviáveis (art. 5o, Lei 11.105/2015) 
 Possibilidade de utilização de células embrionárias nos casos 
de embriões congelados há 3 anos ou mais da data da 
publicação da Lei 11.105/2015 ou já congelados na data da 
publicação da norma, depois de completarem 3 anos, 
contados a partir do congelamento 
 A Lei 11.105/2015 exige que os genitores do embrião 
autorizem a utilização para esses fins. 
 Pais e não proprietários! 
GANHO REFORÇO COM A LEI DOS ALIMENTOS 
GRAVÍDICOS (LEI 11.804/2008) 
 Direito de alimentos da mulher gestante (art. 1o) 
 Despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela 
decorrentes, da concepção ao parto 
 Já haviam julgados anteriores a lei (TJMG, Ag. 
1.000.00.207040- 7/000) 
 Inclusive referente a alimentação especial, 
 CRÍTICAS: assistência médica e psicológica, exames 
 1. Neologismo infeliz → alimentos são para complementares, 
internações, partos e grávida e não ao seu estado biológico 
(Silmara demais prescrições preventi vas e terapêuticas 
 Junho Chinellato_ indispensáveis, a juízo do médico, além do 
 2. Seria melhor que a lei fosse denominada lei 
 13 outras que o juiz entender pertinentes (art. 2o) 
 dos alimentos do nascituro (Flávio Tartuce) 
Constitucionalidade da Lei 11.105/2005 declarada pela ADIN 3510, STF (Decisão 
acertada: 1) presunção de morte dos embriões; 2) ponderação (interesses da 
coletividade) 
NASCITURO = EMBRIÃO? 
NÃO 
Nascituro → vida intra ulterina 
Embrião → vida ultra ulterina 
Maria Helena Diniz 
SIM 
Estão na mesma situação fática 
Nascituro está protegido no CC, art. 2o e o embrião pela Lei 
11.105/2005 
Giselda M. F. N. Hironaka, Silmara J.Chinellato e Flávio Tarturce 
ARESTOS QUE CONFIRMA A TEORIA CONCEPCIONISTA 
DANO MORAL A NASCITURO PELA MORTE DO PAI 
• STJ, REsp 399.028/SP, entre outros 
DANO MORAL A NASCITURO – RAFINHA BASTOS 
• STJ, REsp 1.487.089/SP –Caso Wanessa Camargo - CQC 
SEGURO DPVAT PELA MORTE DE NASCITURO 
• STJ, REsp 1.120.676/SC, entre outros 
 
NASCITURO TEM DIREITOS PATRIMONIAIS? 
Sim 
Ex.: doação a nascituro (CC, art. 542) 
Doação condicional (evento futuro e incerto) 
NATIMORTO E SEUS DIREITOS DIREITOS DA PERSONAL IDADE 
Tais como nome, imagem e sepultura 
En. 1, I JDC/CJF 
É uma evidência também da adoção da teoria concepcionista 
CONCEITO DE CAPACIDADE CIVIL 
Aptidão da pessoa para exercer direitos e deveres na órbita civil 
(CC, art. 1o) 
A capacidade é a medida jurídica da personalidade (M. H. Diniz) 
CLASSIFICAÇÃO DA CAPACIDADE CIVIL 
CAPACIDADE DE DIREITO OU DE GOZO 
Comum a toda pessoa humana 
Inerente a toda personalidade Só se perde com a morte 
CAPACIDADE DE FATO OU EXERCÍCIO 
Nem todos a possuem 
Relacionada com o exercício dos atos da vida civil 
CAPACIDADE CIVIL LIMITADA 
Quem só tem a capacidade de direito 
Inerente a toda personalidade 
Só se perde com a morte 
CAPACIDADE CIVIL PLENA 
Quem tem capacidade de direito e de exercício 
Relacionada com o exercício dos atos da vida civil 
CAPACIDADE NÃO PODE SE CONFUNDIR COM 
LEGITIMAÇÃO 
Condição especial para celebrar determinado ato ou negócio 
jurídico 
Ex.: outorga uxória (CC, art. 1.647) 
LEGITIMIDADE 
Uma das condições da ação para ser autor ou réu em uma 
demanda 
Ex.: CPC, art. 485, IV → extinção da ação no caso de ilegitimidade 
 
 
 
 
 
 
ABSOLUTAMENTE INCAPAZES 
CAPACIDADE DE FATO OU DE EXERCÍCIO (CC, 
ARTS. 3O E 4º 
 Profunda alteração pela Lei 13.146/2015 (Estado da Pessoa 
com Deficiência) 
 Convenção de Nova Iorque 
 Sistema anterior preocupava-se não com a pessoa e sim com 
o seu patrimônio 
 Há conflitos com o novo CPC → PL 757/2015 
 Afinado realmente com o Direito Civil Constitucional? 
ABSOLUTAMENTE INCAPAZES (CC, ART. 3º) 
Absolutamente incapazes (CC, art. 3o) 
Proibição total para o exercício de direitos por parte da pessoa 
natural 
Violação → nulidade absoluta do negócio jurídico (CC, art. 166, I) 
Devem ser representados 
ANTES DA LEI 13.146/2015 
 Menores impúberes 
 Enfermos ou deficientes mentais que não tiverem o 
discernimento para a prática dos atos da vida civil 
 Aqueles que mesmo por causa transitória não puderem 
exprimir sua vontade 
DEPOIS DA LEI 13.146/2015 
 Menores impúberes 
 PL 757/2015 → pretende incluir pessoas que não podem 
exprimir vontade e que não são necessariamente pessoas 
deficientes 
VERDADEIRA REVOLUÇÃO NA TEORIA DE INCAPACIDADES 
 Não existe mais absolutamente incapaz que seja maior 
de idade 
 Valoriza-se a dignidade-liberdade e não mais a 
dignidade- vulnerabilidade 
 Revogação do art. 1.768 CC/2002 pelo art. 747 do CPC 
⬄ fim da 
 Não há mais possibilidade de interdição absoluta 
curatela? 
 PL/SF 757/2015 → busca resolver, substituindo ação de 
interdição por ação de nomeação de curador ou medida 
de amparo cautelar 
DEFICIÊNCIA NÃO AFETA A PLENA CAPACIDADE CIVIL 
DA PESSOA, INCLUSIVE PARA (LEI 13.146/2015, ART. 6º 
 Casar-se e constituir união estável 
 Exercer direito de decidir sobre o número de filhos e de ter 
acesso a informações adequadas sobre reprodução e 
planejamento familiar 
 Conservar a sua fertilidade, sendo vedada a sua esterilização 
compulsória 
 Exercer direitos sexuais e reprodutivos 
 Exercer o direito à guarda, à Exercer o direito à família e à 
convivência familiar e comunitária 
 tutela, à curatela e à adoção, como adotante ou adotando, 
em igualdade de oportunidades com as demais pessoas 
TOMADA DE DECISÃO APOIADA 
(ART. 84, LEI 13.146/2015 E CC, ART. 1.783-A) 
 Possibilidade de exercer a sua capacidade legal em igualdade 
de condições com as demais pessoas 
 A categoria visa auxílio