A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Tuberculose na APS - MS

Pré-visualização | Página 1 de 1

Mári� Sale�
Tubercul�� n� APS
• A TB é uma doença infectocontagiosa, universal, crônica, endêmica, cujo agente etiológico
é uma micobactéria, o Mycobacterium tuberculosis (Mtb),
mais conhecida como bacilo de Koch (BK)
• Apesar de ser uma enfermidade milenar, mantém-se como importante
e grave problema de saúde pública mundial
• A TB causa 5 mil mortes por dia, sendo considerada a principal doença infecciosa
no mundo | • Em 2014, cerca de 1,5 milhão de homens, mulheres e crianças
morreram em consequência da TB | • Estima-se que um terço da população
mundial seja portadora da infecção latente pelo BK no mundo
Por que o ambiente em que vive a família deve ser levado em consideração?
• Além das características do estado bacteriológico do paciente, para haver o contágio,
a intensidade do contato é fundamental, seja pela proximidade,
continuidade ou existência de um ambiente desfavorável
• Estima-se que uma pessoa com a doença pode infectar, em média, de 10 a 15
pessoas que com ela tenham tido contato no período de um ano
• Essas condições concorrem para a associação da TB aos agrupamentos humanos com
piores condições socioeconômicas, em que são encontradas famílias numerosas,
multigeracionais, vivendo em casas pequenas, mal ventiladas e úmidas
Epidemiologia: • A TB atinge todos os grupos etários, com maior predomínio
em pessoas economicamente ativas, de 15 a 54 anos e do sexo masculino
• A intensidade do contato é o principal fator para o contágio
Transmissão: • A capacidade de transmissão do bacilo de uma pessoa para outra é
consequência do seu índice bacteriológico | • A TB se dissemina, essencialmente, pelo ar
• Uma pessoa com TB pulmonar, ao falar, espirrar e tossir, lança gotículas contaminadas
com BK no ar (as mais leves permanecem em suspensão) • Ao serem inalados por pessoas
sadias, esses bacilos provocam a infecção tuberculosa e o risco de desenvolver a doença
Que elementos do caso nos levam a suspeitar de tuberculose?
1 - casa mal ventilada, de três cômodos e um banheiro
2 - sem apetite, perdendo peso (3 kg em 1 mês) e com tosse seca, sem muco
3 - tosse persistente há quase 1 mês. | 4 - escarrou sangue
5 - adinamia, febre baixa, vespertina, e sudorese noturna
6 - diminuição do murmúrio vesicular
Manifestações Clínicas - A suspeição clínica é o primeiro passo para diagnosticar TB!!
Mári� Sale�
Diagnóstico: • Baciloscopia do escarro | • O exame baciloscópico é o método prioritário do
diagnóstico e do controle durante o tratamento de TB | • Quando realizado adequadamente,
permite detectar até 80% dos casos de TB pulmonar em uma comunidade
• 2 amostras (primeira coletada na UBS, segunda no domicílio)
• Quando a suspeição diagnóstica for forte e as primeiras amostras forem negativas,
amostras adicionais podem ser solicitadas | • Método bacteriológico: pesquisa de bacilo
álcool-ácido-resistente (BAAR) no escarro – pela coloração de Ziehl-Neelsen (ZN)
Como orientar a coleta do escarro? • Uma boa amostra de escarro é a que provém
da árvore brônquica, obtida após esforço de tosse, e não a que se obtém da faringe
ou por aspiração de secreções nasais, tampouco a que contém somente saliva
• O volume ideal é de 5 a 10 mL | • O transporte de potes de escarro entre unidades
de saúde deve utilizar caixa de isopor com gelo dentro de um saco plástico
• observar: refrigeração; proteção contra a luz solar; acondicionamento adequado
E se o paciente não conseguir escarrar?
• Em pacientes com forte suspeita de TB pulmonar e sem amostra de escarro adequada
proveniente da árvore brônquica, a técnica de escarro induzido pode ser utilizada,
seja para baciloscopia ou cultura
• Emprega-se, preferencialmente, o nebulizador ultrassônico e a solução
salina hipertônica durante, no mínimo, 5, e no máximo, 20 minutos
• Para a obtenção da solução a 3%, utiliza-se o seguinte recurso:
5 mL de solução fisiológica (SF) a 0,9% + 0,5 mL de NaCl 20%
• A fluidificação da secreção do pulmão provoca uma irritação,
levando à tosse, o que facilita a expulsão do catarro.
• Na indução do escarro, devem ser observadas as condições adequadas de biossegurança
(profissional treinado) unidade de saúde equipada com sala especial e cuidados
de biossegurança para prevenir a contaminação do ambiente durante a formação
dos aerossóis | • As recomendações de conservação e transporte
são as mesmas da coleta de escarro espontâneo
Mári� Sale�
Diagnóstico Radiografía de Tórax: • Deve ser solicitada para todos os pacientes
com suspeita clínica de TB pulmonar
Diagnóstico Teste tuberculínico:
• O teste tuberculínico (TT), analisado pela reação de Mantoux, baseia-se na reação celular
desenvolvida após a inoculação intradérmica de um derivado proteico do Mtb
(derivado de proteína purificada [PPD, do inglês purified protein derivative])
• É importante na avaliação de contatos assintomáticos de pessoas com TB,
adultos ou crianças, no diagnóstico de infecção latente pelo M. tuberculosis (ILTB).
Além disso, na infância, é um método coadjuvante para o diagnóstico da TB doença
Diagnóstico Exame de HIV: • O diagnóstico precoce de infecção pelo HIV em portadores
de TB ativa e o início oportuno da terapia antirretroviral (TSARV)
reduzem a mortalidade na coinfecção TB-HIV
• Essa associação leva a repercussões negativas na evolução das duas doenças
Notificar: • Todo caso de tuberculose confirmado deve ser notificado e investigado no prazo
máximo de uma semana, e encaminhado para vigilância epidemiológica da SMS para
que providências quanto a insumos e medicamentos sejam providenciados
Tratamento: • É realizado a nível ambulatorial, salvo algumas exceções:
• Os esquemas de tratamento são padronizados e disponíveis em kits liberados após a
notificação, o que impede a troca de medicamentos e enseja melhor controle de cada caso
• Em todos eles, a medicação é de uso diário e deverá ser administrada em tomada única,
preferencialmente em jejum (1 h antes ou 2 h após o café da manhã)
ou, em caso de intolerância digestiva, junto com uma refeição
Referência�: • Sampaio, TC; Barboza, TA. Tuberculose. Em: GUSSO, Gustavo e LOPES,
José Mauro Ceratti (orgs.) Tratado de Medicina de família e comunidade:
princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2019.