A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
LIC e LEC

Pré-visualização | Página 1 de 2

39 
Elany Portela 
LIC e LEC 
Os Líquidos Corporais: 
- Cerca de 60% do corpo humano adulto 
é composto por líquidos – principalmente 
uma solução aquosa de íons (eletrólitos) e 
outras substâncias. 
- Esse percentual depende da idade, do 
sexo e da porcentagem de gordura 
corporal – as mulheres, por terem um 
maior percentual de gordura corporal, têm 
cerca de 50% do seu peso corporal 
composto por água. Em crianças recém 
nascidas ou prematuras, a água corporal 
varia de 70% a 75% do peso corporal. 
- Homem tem mais líquido corporal, pois 
possui maior massa muscular em relação 
a mulher. Como a mulher tem menor 
quantidade de líquido no corpo, a rigidez 
tecidual é menor em relação ao homem – 
celulites, rugas, tecido mole. 
- Com o envelhecimento, o percentual 
de água no corpo diminui e isso se deve, 
em parte, ao fato de que o 
envelhecimento está atrelado ao aumento 
de tecido adiposo do corpo, que faz 
diminuir proporcionalmente a quantidade 
de água. 
- Fatores que alteram o volume de água 
corpórea 
1. Idade – diminuição do líquido corpóreo 
acompanhada pela a diminuição da taxa 
metabólica com o aumento da idade; 
2. Sexo; 
3. Ingestão deficiente 
4. Desidratação; 
5. Doenças associadas (diabetes, 
queimaduras, diarreia, vômitos – trazem 
desidratação). 
 
 1/3 é Líquido Extracelular (LEC): 
- Corresponde a cerca de 20-22% do 
peso corpóreo e está em movimento 
constante pelo corpo; 
- É transportado, rapidamente, no sangue 
circulante e, depois é misturado no sangue 
pelos líquidos teciduais, por difusão, através 
das paredes dos capilares. 
- Onde se encontra os íons e nutrientes 
necessários para manter a vida celular 
(células vivem no LEC). 
- Contém grande quantidade de: Na+, 
Ca+, Cl-, Íons Bicarbonato (HCO3-), O2, 
Glicose, Ácidos Graxos, Aminoácidos e 
CO2 
- Subdivide-se em: Intravascular – plasma 
(5%); Intersticial – extravascular (15%); 
Linfa (2%) e Transcelular (1-3%). 
 
40 
Elany Portela 
 2/3 é Líquido Intracelular (LIC): 
- Contém grandes quantidades de: K+, 
Mg+, Fosfatos. 
- A composição eletrolítica (quantidade 
cátions e ânions) entre o plasma, o 
interstício e o intracelular é diferente, mas 
a concentração é a mesma. 
- Há um equilíbrio na concentração, ela 
deve ser a mesma nos espaços corpóreos 
para manter a regulação osmótica (isso 
evita a passagem de líquido/solvente pelos 
espaços) 
- Intervalo aniônico (ÂNIONS GAP) – 
soma dos cátions e a soma dos ânions 
devem ser iguais em um líquido corpóreo 
(Exemplo: no plasma , a soma da 
quantidade de Na+ deve ser igual a soma 
do Cl-- e do HCO3- ). Porém essa soma 
não é igual (Soma Na+ = 142 mEq/l e 
Soma Cl- e HCO3- = 130 Meq/l) e existe 
um intervalo, chamado de ânions gap, que 
é preenchido por outras moléculas que 
estão dissolvidas, como albumina 
(principalmente), glicose, sulfato e fosfato 
(diminui a diferença entre a quantidade dos 
ânions e cátions). 
- Ânions GAP está associado, 
principalmente, a manutenção da 
eletroneutralidade no meio extracelular. 
- A eletroneutralidade é a distribuição de 
cargas negativas e positivas no espaço 
extracelular – ela deve ser analisada, 
principalmente e primeiramente, no 
espaço extracelular, pois quando ela está 
equilibrada no extracelular nos outros 
espaços (interstício, intracelular) haverá, 
também, o equilíbrio. 
- A regulação osmolar participa da 
distribuição dos eletrólitos nos espaços, 
fazendo com que se tenha uma 
distribuição de cargas de forma 
igualitária e equivalente . Quando há 
problema na osmolaridade, há alterações 
entre as cargas positivas e negativas. 
- Não tem como reestabelecer o 
ambiente intracelular diretamente. 
Primeiro deve ser reestabelecido o meio 
extracelular, principalmente dentro do vaso 
sanguíneo – plasma – e depois o 
interstício e, assim, o ambiente intracelular 
(para saber se tem alguma alteração de 
eletroneutralidade e de pH, o plasma deve 
ser avaliado e deve ser corrigido, depois os 
outros ambientes serão reestabelecidos) 
- O intervalo aniônico deve ser mantido 
para não ter mais cargas positivas ou 
negativas. 
 - Se houver uma diferença de potencial 
de cargas em membranas celulares, é 
alterada a função dos CANAIS IÔNICOS 
– se altera a eletroneutralidade perde a 
capacidade de funcionamento de canais e 
é alterada a capacidade de Transporte de 
Membranas das células. 
- Se houver um distúrbio aniônico, com 
perdas de HCO3- ocorrem duas 
alterações: equilíbrio relacionado à 
neutralidade entre as cargas 
(eletroneutralidade) e a capacidade de 
 
41 
Elany Portela 
tamponamento (perde molécula com 
característica básica, alterando o pH do 
sangue). 
- Se a perdas excessivas de HCO3- em 
uma diarreia, o paciente tem uma acidose 
metabólica, que tem que ser corrigida por 
mecanismos respiratórios ou repor o 
bicabornato. 
- Com a perda de HCO3-, houve perda de 
carga negativa o que fez com que 
ocorresse um desequilíbrio na 
eletroneutralidade, e para manter um 
equilíbrio elétrico e os rins começam a 
reabsorver cloro para repor a quantidade 
de cargas negativas (pode ocorrer que a 
perda de HCO3- supere a reabsorção de 
cloro). 
Compartimentos dos Líquidos 
Corporais: 
Compartimento do Líquido Intracelular 
- Líquido intracelular constitui cerca de 
40% do total do peso corporal em uma 
pessoa “média” (70 kg). 
Compartimento do Líquido Extracelular 
- Todos os líquidos fora das células são 
chamados de líquido extracelular. Juntos, 
constituem cerca de 20% do peso 
corporal de uma pessoa (70 kg). 
- Compõem o líquido extracelular: 
1. Líquido Intersticial (extravascular) – 
preenche os espaços entre as células e 
corresponde a maior parte do LEC. 
 
2. Líquido Intravascular (plasma) – é o 
LEC nos vasos sanguíneos – é a parte 
não celular do sangue. 
-Possui quase a mesma composição do 
líquido intersticial. A composição iônica dos 
dois é similar, só que o plasma tem uma 
concentração maior de proteínas – há 
trocas a todo momento entre os dois. 
Obs: O plasma troca continuamente, 
pelos capilares, substâncias com o líquido 
intersticial. 
- O excesso de líquido intersticial – a parte 
que não voltou para os capilares 
sanguíneos – é drenado pelos capilares 
linfáticos e vai para os vasos linfáticos, e 
passa a ser chamado de linfa. 
- O plasma é importante para a 
manutenção da osmolaridade devido, 
principalmente, à presença da Albumina 
e do Sódio. 
- A albumina e o sódio são duas 
partículas que têm uma capacidade de 
atrair o líquido para dentro do vaso 
sanguíneo (mantém o equilíbrio entre os 
líquidos intracelulares, intravasculares e 
intersticial), conseguindo manter uma 
volemia constante e uma função cardíaca 
equilibrada para a manutenção tanto de 
oxigenação dos tecidos e também 
distribuição desses líquidos de forma 
igualitária entre os espaços corpóreos. 
- A albumina mantém o líquido dentro do 
espaço intravascular e faz com que ele 
não extravase para o espaço 
extravascular, deixando as pessoas 
edemaciadas. Se a concentração de 
albumina no plasma sanguíneo diminui, a 
pressão osmótica diminui e o plasma se 
propaga em maior proporção para os 
espaços intersticial, causando edemas. 
Pode extravasar para outros 
compartimentos corpóreos (como na 
ascite). 
 
42 
Elany Portela 
- A Albumina é a proteína de maior peso 
molecular – maior proteína que fica no 
sangue – e 60% das proteínas do sangue 
são representadas por ela (ela faz parte da 
classe da frutosaminas). 
3. Linfa (sistema linfático). 
 
4. Transcelular - é composto por: 
 
4.1 Líquido Sinovial (dentro das 
articulações); 
 
4.2 Líquido Cefalorraquidiano ou 
líquor (ao redor das meninges) - 
Meningite (inflamação das 
meninges cerebrais) – é 
recolhido o líquor para avaliar se 
tem características exsudativas 
ou transudativas e, se for 
exudativas a meningite é 
infecciosa (bacteriana ou viral) 
 
4.3 Líquido Intraocular; 
 
4.4 Líquido Peritonial; 
- Presente na cavidade peritoneal. 
- Quando há um acúmulo de