A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
789 pág.
fichas de odonto - segunda edição

Pré-visualização | Página 2 de 50

posterior do 
assoalho bucal.
Glândula
Parótida
Glândula
Submandibular
Glândula
Lingual
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
GLÂNDULA SUBLINGUAL
Situada superiormente ao músculo milo-hióide e separada da mucosa oral por 
uma fina mucosa. Aloja-se na fossa sublingual medial ao corpo mandibular e 
anterior à glândula submandibular. Não é encapsulada.
É a menor glândula salivar maior e produz cerca de 10% do volume total de 
saliva. Assim como a glândula submandibular sua secreção é mista. 
Apresenta de 8 a 20 ductos sublinguais menores (acinares), ou ductos de 
Rivinus, que coalecem para formar um ducto sublingual principal, também 
chamado de ducto de Bartolin.
A sua inervação é feita por fibras motoras 
parassimpáticas do nervo corda do tímpano, 
ramo do nervo Facial. Sua vascularização é 
dada pelas artérias sublingual e submentual. 
Glândula
Parótida
Glândula
Submandibular
Glândula
Lingual
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
ARTICULAÇÕES FIBROSAS DO CRÂNIO
As articulações fibrosas do crânio são constituídas por várias camadas de 
tecido conjuntivo fibroso, estabelecendo a união entre os ossos (suturas) ou 
entre dentes e o osso alveolar (gonfose).
SUTURA 
TEMPOROPARIETAL 
SUTURA 
CORONAL 
GONFOSE 
SUTURA 
SAGITAL 
SUTURA 
SAGITAL 
SUTURA 
LAMBDÓIDE
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Notação dental - Sistema ISO/FDI
Representa os dentes de cada hemiarco através de uma numeração. A notação 
dentária é empregada para se representar os números de dentes existentes em 
cada espécie animal de uma maneira gráfica resumida:
19, 29, 39 E 49 Dentes Permanentes Supranumerários.
61 62 63 64 65 69
21 22 23 24 25 26 27 28 29 
31 32 33 34 35 36 37 38 39
71 72 73 74 75 79 
49 48 47 46 45 44 43 42 41
89 85 84 83 82 81 
 59 55 54 53 52 51
19 18 17 16 15 14 13 12 11 
D E
59, 68, 79 e 89 Dentes Decíduos Supranumerários.
Hemi-arco 
Inferior 
Direito
Hemi-arco 
Superior 
Esquerdo
Hemi-arco 
Inferior 
Esquerdo
Hemi-arco 
Superior 
Direito
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Anestesiologia
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Anestésicos Locais
São agentes que bloqueiam de modo reversível a condução de impulsos nas 
fibras nervosas. 
Mecanismo de Ação: Reduzir a permeabilidade dos canais iônicos aos íons 
sódio, impedindo a despolarização pelo bloqueio da condução.
5) apresentar alto índice terapêutico;
6) deve manter suas propriedades ao 
ser combinado com outros agentes;
7) deve ser esterilizável sem perda de 
propriedades;
8) não ser alergênico e não causar 
dependência.
Propriedades desejáveis: 
1) Ação específica e reversível;
2) possuir rápido tempo de início de 
ação com duração de ação adequada;
3) ser efetivo por injeção ou aplicação 
tópica e não ser irritante ao tecido 
injetado.
4) não causar dano permanente às 
estruturas nervosas e não ser tóxico;
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
COMPOSIÇÃO DA SOLUÇÃO ANESTÉSICA
DROGA ANESTÉSICA LOCAL: Bloqueio da condução nervosa
AGENTE VASOCONSTRITOR: + Profundidade e + duração da anestesia; 
menos absorção do anestésico local e do vasoconstritor.
CLORETO DE SÓDIO - Isotonicidade da solução.
ÁGUA DESTILADA - Diluente para o volume.
(META) BISSULFITO DE SÓDIO: antioxidante (preservador para o 
agente vasoconstritor). Importância: o paciente tem uma maior sensação de 
queimação (desconforto) quando se utiliza um tubete ’’mais velho’’. 
Atentar-se para alérgias a esse componente. 
METILPARABENO: Agente bacteriostático*. 
*NÃO É MAIS USADO EM ANESTÉSICOS DE DOSE ÚNICA.Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Mecanismo de ação dos anestésicos
1. Deslocamento de íons cálcio do sítio receptor dos canais de sódio, que 
permite...
2. A ligação da molécula de anestésico local a esse sítio receptor, 
produzindo...
3. O bloqueio do canal de sódio, e uma...
4. Diminuição na condutância de sódio(Na), que leva à...
5. Depressão da taxa de despolarização elétrica, e a... 
6. Falha em obter o nível do potencial de limiar, juntamente com uma... 
7. Falta de desenvolvimento dos potenciais de ação propagados, chamado de...
8. Bloqueio de condução. 
 
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Alterações de Sensibilidade
ANESTESIA - Desaparecimento total de uma ou mais modalidades de 
sensibilidade após estimulação adequada.
HIPOESTESIA - Diminuição da sensibilidade.
HIPERESTESIA - Aumento na sensibilidade.
ALODINIA - Dor provocada/produzida por estimulo que normalmente não 
provoca dor.
PARESTESIA - Alteração na sensibilidade, não dolorosa. Insensibilização da 
região. (resolução espontânea em 8 semanas).
ALGIA - Dor em geral.
DISESTESIA - Alteração na sensibilidade. (subdivide-se em HIPO e HIPER).
HIPOALGESIA - Sensibilidade diminuida a estímulos NOCIVOS.
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Divisão da Anestesia Local
1. ANESTESIA EXTRA-ORAL. 
2. ANESTESIA INTRA-ORAL. 
 2.1. ANESTESIAS TERMINAIS.
 2.1.1. Superficiais ou tópicas - Só Anestesia tecidos moles.
 2.1.2. Profundas (infiltrativas) - A solução anestésica entra em contato com 
 as teminações periféricas sensitivas.
 2.2. Anestesia por bloqueio.
 2.2.1. Regional (campo) - Uma região é anestesiada, porém dentro de um 
 limite.
 2.2.2. Troncular (condução) - A anestesia é depositada nas mediações de 
 um tronco nervoso.
Obs: Usa-se a troncular quando à intervenção cirúrgica necessita insensibilizar 
3 ou mais dentes, quando está indicada a anestesia terminal infiltrativa como 
em inflamações ou osso mais denso.Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Anestesia Local
A TRONCULAR POR BLOQUEIO: 
Área de um tronco do nervo.
B. REGIONAL POR BLOQUEIO:
Área de um ramo do nervo.
C. TERMINAL POR BLOQUEIO:
Área próxima a terminação nervosa. 
A
B
c
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Anestesicos Locais - Cuidados especiais
Prilocaína e Articaína - não devem ser utilizadas em pacientes gestantes, pois 
podem levar a metamoglobinemia, tanto a mãe, quanto o feto.
Prilocaína - apresenta felipressina como seu vasoconstritor, podendo estimular 
contrações uterinas.
Mepivacaína - deve ser evitada na gestação e na lactação, pois possui má 
metabolização pelo bebê. O período ideal para procedimentos em gestantes é 
o 2° trimestre. Procedimentos mais invasivos ou fora desse período, devem ser 
realizados após o nascimento do bebê.
Pacientes diabéticos - é contra indicado uso de Adrenalina, pois provoca a 
quebra de glicogênio em glicose podendo causar hiperglicemia.
Articaína - é considerado de duração intermediária, sua biotransformação se 
inicia no plasma e sua meia vida plasmática é menor que a dos outros 
anestésicos, isso faz com que seja excretada com mais rapidez pelos rins.
Pacientes idosos dependem da situação de saúde para escolha do anestésico.Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido por Eduzz.com
Anestesicos Locais - Cuidados especiais
Indicações:
GESTANTES - Lidocaína, epinefrina.
IDOSOS - Articaína, epinefrina (depende do a.
HIPERTENSOS, DIABÉTICOS E CARDIPATAS: Prilocaína, felipressina.
Licenciado para Laisa Brito Soares - 05802793325 - Protegido