A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Cimento de Fosfato de Zinco

Pré-visualização | Página 1 de 1

Cimento de Fosfato de Zinco 
Pode ser utilizado como: 
 Forramento (porém não é muito 
indicado, pois pode trazer danos 
a polpa) 
 Restauração Provisória 
 Curativo 
 Fixação de bandas ortodônticas 
 Cimentação definitiva (principal) 
 Cimentação de peças protéticas 
Características: 
 É o cimento de fixação mais 
antigo 
 Tem bons resultados ao longo 
dos anos 
 Custo reduzido 
 Tem coloração branco opaca 
 Alto grau de solubilidade e 
menor resistência de união em 
relação aos cimentos resinosos 
 Possui ph inicial baixo, devido à 
presença de ácido fosfórico em 
sua composição 
**Em relação ao cimento resinoso, o 
cimento de fosfato de zinco é inferior 
**Se comparado com o OZE, o Fosfato 
de Zinco apresenta uma solubilidade 
menor 
Composição: 
Pó: 
 Óxido de magnésio 13% 
 Óxido de Zinco 75% 
 Dióxido de silício 
 Trióxido de bismuto 
 Fluoreto de tanino 
Líquido: 
 Ácido fosfórico (38% a 59%) e 
água 
 Fosfato de Zinco (até 10%) 
 Fosfato de Alumínio (2% a 3%) 
 
Pó + Líquido 
Manipulação: 
 Todo cimento fosfato de zinco 
possui um dosador, alguns 
produtos como o LS 
apresentam um dosador 
universal, que serve para 
base, forramento, cimentação, 
o que vai diferenciar é o 
número de gotas (3 gotas) 
**O cimento da SS WHITE possui dois 
dosadores, um maior e outro menor 
>> O menor é utilizado para cimentação, 
pois leva menos pó e a consistência irá 
ficar mais fluida, sendo que a 
consistência desejada para cimentação 
é em forma de fio 
>> O maior é utilizado para restaurações 
De acordo com o fabricante (SS 
WHITE): 
Para cimentação: proporção 
recomendada – quantidade mínima >> 1 
medida pequena do lado com três 
marcas + 4 gotas 
 Mistura cremosa que se 
desprende da espátula 
formando uma gota pegajosa – 
forma de fio >> apresenta 
consistência mais fluida 
Para restauração provisória e 
forramento: utilizar a maior quantidade, 
com 4 marcas + 4 gotas 
 Consistência igual a massa de 
vidraceiro, pegajosa, 
consistência mais viscosa 
PASSO A PASSO.... 
Usar placa de vidro grossa e resfriada 
(18°C a 24°C) 
Utilizar toda a extensão da placa 
(reação exotérmica) 
Dispensar a primeira gota, para evitar 
bolha de ar 
O liquido deve ser colocado após a 
dispensar o pó 
Utilizar a espátula 24 para espatulação 
Espátula para inserção n°1 
Condensador de Ward n°1 
Condensador de Ward n°2 
Hollenback 3S 
Sonda exploradora 
Acrescentar o pó ao líquido de maneira 
lenta e gradual (1/16; 1/16; 1/8; 1/4; 1/4 
e 1/4) 
Usar um cronômetro para cada parte a 
ser misturada 
 
 
Tempo: 
Porção 1: 10s 
Porção 2: 10s 
Porção 3: 10s 
Porção 4: 15s 
Porção 5: 15s 
Porção 6: 30s 
Tempo total: 1’30’’ 
 
Tempo de presa: entre 4 e 10min 
Estabilidade Dimensional: é muito boa 
do ponto de vista clínico – contração de 
0,04% a 0,06% em 7 dias 
Consistência para a cimentação: 
 Adere-se a placa 
 Superfície brilhante 
 Mistura fuida 
Consistência para restauração 
provisória e forramento: 
 Mais viscosa 
 Maior quantidade de pó 
 Resistência a dissolução maior 
 Superfície brilhante (menos 
brilhante quando comparada 
com a da cimentação) 
 Semelhante a massa de 
vidraceiro 
 Difícil de colocar na cavidade 
**A manipulação deve ser feita de forma 
correta, respeitando as orientações dos 
fabricantes 
 Use a maior área possível da 
placa, facilitando a dissipação de 
calor 
 Sempre em movimentos 
circulares 
 Com firmeza na mão, a 
manipulação deve ser vigorosa 
 É indicado que o pó esteja no 
canto superior e o líquido no 
centro da placa 
Toda reação geralmente forma uma 
matriz, a matriz dessa reação é 
chamada fosfato de zinco terciário – 
essa reação de presa também é 
chamada OPI 
Como produto final tem-se uma 
estrutura cristalina 
Há também partículas de pó não 
dissolvidas, chamadas de porções 
segregadas 
As partículas de pó estarão suspensas, 
envolvidas na porção cristalina, chama-
se matriz terciária 
A matriz do óxido de zinco e eugenol é 
chamado de eugenolato de zinco 
Tempo de presa pode ser controlado! 
Pelo fabricante: 
 Alterando a composição do pó 
ou do líquido, para mais ou 
menos 
 A temperatura (grau de 
calcinação do pó), quanto mais o 
fabricante queima o produto, 
mais retarda o tempo de presa 
 Pode alterar o tamanho das 
partículas, quanto maior uma 
partícula de pó, mais lenta será 
a reação 
 O fabricante também pode 
alterar o tamponamento do 
líquido, jogando mais ou menos 
ácido 
Pelo profissional: 
 Alterando a proporção 
pó/líquido: quanto mais pó, 
mais rápida será a reação 
 A velocidade de 
incorporação: se o produtor 
for jogado todo de uma vez 
toma presa mais 
rapidamente 
 Tempo de mistura: se for 
misturado muito rápido, pode 
tomar presa muito rápido 
 Temperatura da placa: se a 
placa estiver quente ou fria 
 Maneira de manipular: para 
manipular o fosfato de zinco 
é utilizada toda a extensão 
da placa 
 Contaminação por água ou 
perda de água 
Maior proporção de pó: 
Quanto mais pó >> mais rápida será a 
reação >> menor tempo de presa >> 
menor tempo de trabalho >> menor 
solubilidade >> maior resistência 
Grande quantidade de pó levada ao 
líquido de uma única vez: 
Tempo gasto de mistura será menor >> 
temperatura da reação será maior – se 
o pó é jogado todo de uma vez, o calor 
é liberado de vez também, podendo 
causar dano a polpa 
O calor deve ser liberado de forma 
gradativa, e para facilitar a liberação de 
calor, é utilizada toda a extensão da 
placa 
Maior proporção de líquido: 
Quanto mais líquido >> mais lenta a 
reação >> maior tempo de presa >> 
maior tempo de trabalho >> maior 
solubilidade >> menor resistência 
Quanto a temperatura: 
Se a placa for resfriada >> maior tempo 
de presa >> maior tempo de trabalho >> 
maior dissipação do calor 
Ao resfriar a placa, não devemos deixar 
formar gotículas de água na mesma, 
pois essa água pode interferir na reação 
de presa 
A placa não deve ser resfriada a uma 
temperatura inferior à de condensação – 
deposição de água na placa de vidro 
acelera o tempo de presa 
Se houver muita água >> a solução 
ficará mais fluida >> o tempo de presa 
será retardado 
**É tirado o excesso do cimento de 
fosfato de zinco após a presa 
O cimento de fosfato de zinco não 
possui adesão química nem as 
estruturas dentárias e nem a 
restauração 
Não possui ação antimicrobiana 
Apresenta adesão mecânica 
No óxido de zinco e eugenol e no fosfato 
de zinco, a principal ligação com a 
estrutura dentária é o 
EMBRICAMENTO 
>> O ph do cimento no início da 
mistura é muito ácido, com o passar 
do tempo o ph vai aumentando até 
chegar a 7, portanto, o produto não 
deve ser utilizado muito próximo a 
polpa – É preferível utilizar o produto 
apenas para cimentação de peça 
protética