A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
92 pág.
DISJUNTOR SF6

Pré-visualização | Página 7 de 10

MANUTENÇÃO 
 
Controle de Estado do Disjuntor 
(continuação) 
 
Conceito de pressão G 
 
Fig. 1 
 
- Determinar a temperatura aproximada 
do gás com o termômetro aderente 
W52 (corresponde, aproximadamente, à 
temperatura do densímetro na sombra). 
 
- Determinar o valor da correção P, 
através do diagrama ao lado, para 
altitude h do local. 
 
Exemplo: 
Conceito de pressão = G 
S1 (T=20 C, h</=1000m) = 5,7 bar 
S2 (T=20 C, h</=1000m) = 5,4 bar 
Temperatura do disjuntor (através do 
termômetro W52) = 30 
Altitude do local de instalação = 
1.500m 
Valor de correção P: +0,38bar 
Valor da pressão corrigida: 
S1=S1(T=20 C, h</=1000m) + P 
= 5,7 + 0,38 = 6,08bar 
S2=S2(T=20 C, h</=1000m) + P 
 
= 5,4 + 0,38 = 5,78bar 
 
- Determinar os valores de pressão S1 e S2 
de maneira análoga ao exemplo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/53 
MANUTENÇÃO 
 
Controle de Estado do Disjuntor 
(continuação) 
 
Fig. 1 
 
- Representação esquemática de 
medição, dos pontos de resposta do 
densímetro. 
 
Fig. 2 
 
- Assegurar-se da ausência de 
componentes estranhos ao comando e 
que os bornes K dos sinais S1 e S2 
mecanismo de operação 70.00 estejam 
abertos. Se os bornes não forem 
fornecidos, remover as conexões 
correspondentes do controle da 
subestação e identificá-los. 
 
- De acordo com o esquema de fiação do 
mecanismo de operação 70.00, abrir o 
borne K do sinal S1 e conectar o 
indicador L. 
 
- Verificar se a válvula D do simulador 
W41 está fechada. Conectar o simulador 
W41 ao suporte 80.02 do densímetro, 
através das porcas M. 
 
- Abrir a válvula D do simulador W41: o 
manômetro A indicará uma queda de 
pressão. 
 
- Ler a pressão indicada pelo manômetro 
A do simulador W41, no mesmo 
instante em que o indicador L entrar em 
funcionamento. 
 
- Fechar a válvula D do simulador W41 
instantaneamente, para evitar perda de 
gás. 
 
- Comparar o valor da pressão medida ao 
valor teórico e repetir a medição. 
 
- Conectar agora o indicador L ao borne K 
do sinal S2, lado do aparelho. 
 
- Proceder a medição de S2 da mesma 
forma que S1: 
1. Diferença de pressão 
 
S1 – S2 = 0,3 ± 0,1 bar 
 
2. S2 = S2 calculado ± 0,2 bar 
Se o desvio exceder à tolerância, corrigir 
de acordo com o capítulo “CORREÇÃO 
DOS NÍVEIS DE RESPOSTA DO 
DENSÍMETRO”. 
 
 
 
Fig. 1
Fig. 2
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/54 
 
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/55 
MANUTENÇÃO 
 
Controle de Estado do Disjuntor 
(continuação) 
 
- Fechar os bornes K dos sinais S1 e S2 do 
mecanismo de operação 70.00. Se os 
bornes não forem fornecidos, 
reconectar os cabos anteriormente 
removidos no lado do disjuntor aos 
terminais correspondentes e apertar 
essas conexões. 
 
- Checar as funções do densímetro na 
sala de controle (comando à distância) 
 
- Finalmente, checar a pressão do gás (ver 
capítulo “DETERMINAÇÃO DA PESSÃO 
DE ENCHIMENTO”) e completar com 
gás SF6, se necessário. 
 
Fig. 1 
 
- Limpar com um pano limpo as 
superfícies de vedação da tampa 80.09 e 
do suporte 80.02 do densímetro. 
 
- Aplicar uma fina camada de graxa L..-44 
em o-rings 80.13 e 80.25. Colocar os o-
rings sobre a tampa 80.09. 
 
- Colocar a chapa de fixação 80.08 e 
apertar as porcas M. 
 
- Engraxar com L..-42 todo o contorno da 
tampa 80.09. 
 
- Verificar o vazamento no suporte 80.02 
do densímetro, através do detetor W51 
- Remover o termômetro W52 do 
densímetro 80.01 e apertar a tampa do 
densímetro 70.16. 
 
Teste de funcionamento 
 
- Verificar a operação do disjuntor por 
meio dos relés de proteção. 
 
 
 
 
 
 
Fig. 1
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/56 
MANUTENÇÃO 
 
Inspeção 
 
Lista de material 
 
Os mesmos materiais listados no capítulo 
“controle de estado do disjuntor”, 
acrescidos de: 
 
Ofertado pelo fabricante: 
 
- Ohmímetro W68 
 
- Observar o capítulo “Medidas de 
segurança”. 
 
Controle de estado do aparelho 
 
- Proceder de acordo com o capítulo 
“Controle de estado do disjuntor”. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/57 
MANUTENÇÃO 
 
Inspeção (continuação) 
 
Estado dos contatos de arco 
 
O estado de erosão dos contatos de arco 
pode ser verificado externamente ao 
disjuntor. Assim, as aberturas 
desnecessárias dos compartimentos de gás 
podem ser evitadas, antes da data de 
revisão. 
Para se determinar o desgaste máximo 
admissível, preceder como descrito abaixo: 
 
Fig. 1 
 
- A dimensão X, no momento da 
separação do contato elétrico, foi 
determinada para os pólos a, b e c de 
cada disjuntor e anotada na placa do 
mecanismo de operação 70.00 (ver 
capítulo “Verificações finais”) 
 
- Durante a operação Xao, Xbo) e Xco 
podem ser controlados periodicamente. 
Se o desgaste dos contatos atingir a X1 
– X10 = 6mm em um ou mais pólos, uma 
revisão é indispensável. 
 
Definições: 
 
X: Dimensão desde a extremidade 
externa do chassi 60.00 até o final 
esquerdo do barco de tração 61.01 
(visto do lado do mecanismo de 
operação 70.00) 
XMO: Valor de X no instante de separação 
elétrica dos contatos do pólo a do 
disjuntor em estado novo 
Xbo: Idem acima para o pólo b 
Xco: Idem acima para o pólo c 
XVA: Valor de X no instante de separação 
elétrica dos contatos do pólo a, em 
serviço 
Xb: Idem acima para o pólo b 
Xc: Idem acima para o pólo c 
 
Fig. 2 
 
- Proceder de acordo com o capítulo 
“Preparação do mecanismo de 
operação” e, logo depois, montar o 
dispositivo de fechamento lento W37. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fig. 1
Fig. 2
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/58 
 
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/59 
MANUTENÇÃO 
 
Inspeção (continuação) 
 
Fig. 1 
 
- Conectar o indicador L aos terminais de 
alta tensão do pólo a 
 
- Para a medição de Xa, mover 
lentamente o disjuntor, com o auxílio do 
dispositivo de fechamento lento W37, 
da posição fechada para a posição 
aberta. 
 
- Medir a dimensão Xa no instante da 
separação elétrica dos contatos (sinal 
sonoro cessa ou a lâmpada se apaga) e 
registre-a. 
 
- Repetir a medição por mais duas vezes 
 
- Conecte o fio de teste L ao pólo b, 
então ao pólo c e proceda a medição 
entre as dimensões Xb e Xc. 
 
- Repetir a medição por mais duas vezes. 
 
Valor limite K: 
 
Ka = Xa – Xao = 6mm 
Kb = Xb – Xbo = 6mm 
Kc = Xc – Xco = 6mm 
 
Exemplo 1: Pólo a 
Xa = 133mm 
Xao = 129mm 
K = 133 – 129 = 4mm 
 
O valor limite de K ainda não foi atingido. A 
revisão dos contatos não é necessária. 
 
Exemplo 2: Pólo b 
Xb = 137mm 
Xbo = 130mm 
K = 137 – 130 = 7 mm 
 
O valor limite de K foi atingido. A revisão 
dos contatos é necessária 
 
- Remover o dispositivo de fechamento 
lento W37 e montar o teto e painéis 
laterais do armário do mecanismo de 
operação 70.00 (veja o parágrafo 
FECHAMENTO DO ARMÁRIO DO 
MECANISMO DE OPERAÇÃO do 
capítulo “Montagem do sistema de 
supervisão do gás”). 
 
 
 
 
 
 
 
Fig. 1
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/60 
MANUTENÇÃO 
 
Inspeção (continuação) 
 
Estado do circuito de corrente 
 
A medição da resistência do circuito de 
corrente em posição fechada permite 
estimar o estado do mesmo sem a abertura 
do elemento de interrupção 20.00. 
 
Fig. 1 
 
- Fechar o disjuntor 
- Conectar o ohmímetro W68 aos 
terminais de alta tensão do pólo ª 
- Medir a resistência de condução 
diretamente nos terminais do pólo a, e 
registrar o valor 
- Conectar o ohmímetro W68 ao pólo b e 
ao pólo c e proceder as respectivas 
medições 
 
Valor de referência ≤ 40 µ 
 
- Se a resistência de contato em um dos 
pólos for maio que o valor de referência, 
repetir a medição após efetuadas 5 a 10 
operações mecânicas. 
- Se, mesmo assim, a resistência for 
superior a de referência, proceder a 
revisão. 
 
 
 
 
 
Fig. 1
 
 
 
Emissão nº 04 42.020.087P/61 
MANUTENÇÃO 
 
Inspeção (continuação) 
 
Fig. 1 
 
- A resistência de contato entre o terminal 
de alta tensão A do disjuntor, o 
conector K do cliente e os cabos S 
deverão ser medidos logo após a 
medição da resistência do circuito de 
corrente principal.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.