A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Sistema sensorial

Pré-visualização | Página 1 de 12

AES11-PROBLEMA 4 MATHEUS SIQUEIRA MED 4-2019.1
1
OBJETIVO 1 descrever os tipos de sensibilidade, classificando-as em superficiais e profundas
• O corpo é sensível a muitos tipos de estímulos: a pressão de objetos contra a pele, a posição das articulações e dos músculos, a distensão da bexiga, a temperatura dos membros e do próprio sistema nervoso e a origem do prurido.
 • O sistema somatossensorial dIfere de outros sistemas sensoriais de 2 maneiras:
 • 1ª : seus receptores estão distribuídos por todo o corpo, em vez de estarem concentrados em locais restritos, especializados. 
• 2ª: pelo fato de responder a muitos diferentes tipos de estímulos, pode-se considerar esse sistema como um grupo de, pelo menos, 4 sentidos, em vez de apenas um:
 ♥ Tátil
 ♥ Temperatura
 ♥ Dor
 ♥ Posição do corpo
• O sistema somatossensorial, ou sensorial somático, pode ser considerado o mais variado dos sistemas sensoriais, mediando um amplo espectro de sensações – tato, pressão, vibração, posição dos membros, calor, frio e dor – que são transduzidas por receptores localizados dentro da pele ou dos músculos e retransmitidas para uma variedade de alvos no sistema nervoso central. Não é de surpreender, portanto, que essa complexa maquinaria biológica possa ser dividida em subsistemas funcionalmente distintos, com diferentes conjuntos de receptores periféricos e vias centrais. 
• Um subsistema transmite informações de mecanorreceptores cutâneos e medeia a sensação de tato fino, vibração e pressão. Outro subsistema origina-se em receptores especializados associados aos músculos, aos tendões e às articulações e é responsável pela propriocepção – nossa capacidade de perceber as posições dos membros e de outras partes do corpo no espaço. Um terceiro subsistema provém de receptores que fornecem informações acerca de estímulos dolorosos e de alterações na temperatura, assim como do tato mais grosseiro. 
 • Sistema somatossensorial é, de fato, um termo amplo, uma categoria coletiva para todas as sensações que não se enquadram em ver, ouvir, degustar e cheirar e, também, o sentido do equilíbrio pelo sistema vestibular. 
• A concepção popular de que existem apenas 5 sentidos é, claramente, muito simplória. 
• Um único receptor sensorial pode codificar características do estímulo, como a intensidade, duração, posição e, algumas vezes, a direção; porém, um único estímulo ativa normalmente muitos receptores.
• A sensação somática origina-se da atividade de fibras nervosas aferentes, cujos processos periféricos ramificam-se dentro da pele ou do músculo.
• Os corpos celulares das fibras aferentes residem em uma série de gânglios situados ao longo da medula espinhal e do tronco encefálico e são considerados parte do sistema nervoso periférico. Neurônios nos gânglios da raiz dorsal e nos gânglios dos nervos cranianos (que inervam o corpo e a cabeça, respectivamente) são elos crucias para o fornecimento de informações para circuitos do sistema nervoso central acerca de eventos sensoriais que ocorrem na periferia.
OBJETIVO 2: descrever os tipos de receptores periféricos para cada tipo de sensibilidade
AXÔNIOS AFERENTES
· Aferentes somatossensoriais diferem significativamente em suas propriedades de resposta, e essas diferenças, tomadas em conjunto, definem as distintas classes de aferentes, cada uma das quais capaz de contribuições específicas para a sensação somática. 
· Um dos fatores que distingue as diferentes classes de aferentes somatossensoriais é o diâmetro dos axônios. Os aferentes sensoriais de maior diâmetro (designados Ia) são aqueles que fornecem os receptores sensoriais nos músculos. 
· A maior parte da informação relacionada ao tato é transmitida por fibras com diâmetro ligeiramente menor (aferentes Aβ), e informações referentes a dor e temperatura são transmitidas por fibras de diâmetro ainda menor (Aδ e C).
· O diâmetro do axônio determina a velocidade de condução do potencial de ação e está bem relacionado às propriedades dos circuitos centrais e às várias demandas comportamentais para as quais cada tipo de aferente sensorial é empregado.
· Outra característica particular dos aferentes sensoriais é o tamanho do campo receptivo – a área da superfície da pele sobre a qual uma estimulação causa uma alteração significativa na taxa de potenciais de ação. Uma dada região da superfície corporal é inervada por aferentes sensoriais que variam significativamente no tamanho de seus campos receptivos. 
· O tamanho do campo receptivo é, em grande parte, uma função das características de ramificação do aferente dentro da pele; menor arborização resulta em menores campos receptivos. 
· Além disso, há variações regionais sistemáticas no tamanho médio dos campos receptivos aferentes, as quais refletem a densidade das fibras aferentes que inervam a área.
· Os campos receptivos em regiões com densa inervação (dedos, lábios, artelhos) são relativamente pequenos se comparados àqueles no antebraço ou nas costas, que são inervados por um menor número de fibras aferentes.
· Aferentes sensoriais diferenciam-se também pela dinâmica sensorial de sua resposta à estimulação sensorial. Alguns receptores disparam com rapidez quando um estímulo é inicialmente apresentado e, a seguir, silenciam na presença de estimulação continuada, enquanto outros geram uma descarga sustentada na presença de um estímulo que é mantido.
· Acredita-se que aferentes de adaptação rápida (aqueles que se tornam quiescentes face à estimulação continuada) sejam especialmente efetivos na transmissão de informações acerca de mudanças na estimulação em questão, como aquelas produzidas por um estímulo em movimento. 
· Por sua vez, aferentes de adaptação lenta são mais adequados para fornecer informações acerca dos atributos espaciais do estímulo, como seu tamanho e sua forma. Pelo menos para algumas classes de fibras aferentes, as características de adaptação podem ser atribuídas às propriedades das células receptoras que as encapsulam. 
· Aferentes de adaptação rápida associados a corpúsculos de Pacini tornam-se de adaptação lenta quando o corpúsculo é removido.
· Enquanto um dado aferente sensorial pode originar múltiplas ramificações periféricas, as propriedades de transdução de todas as ramificações de uma única fibra são idênticas. Como resultado, aferentes somatossensoriais constituem vias paralelas que diferem na velocidade de condução, no tamanho do campo receptivo, nas propriedades dinâmicas e nas características do estímulo efetivo. 
· Como se tornará evidente, essas diferentes vias permanecem segregadas pelos diversos estágios de processamento central, e sua atividade contribui de modo único para a extração de informação somatossensorial, necessária para o controle apropriado de movimentos tanto direcionados a um objetivo quanto reflexos.
· A pele está ricamente inervada por axônios que percorrem pela vasta rede de nervos periféricos o trajeto em direção ao SNC.
· Os axônios que transmitem a informação dos receptores somatossensoriais à medula espinhal ou ao tronco encefálico são os axônios aferentes primários do sistema somatossensorial.
· Os axônios aferentes primários entram na medula espinhal pelas raízes dorsais; seus corpos celulares estão nos gânglios da raiz dorsal.
· Os axônios aferentes primários apresentam diâmetros variados e seus tamanhos correlacionamse com o tipo de receptor sensorial do qual recebem a sinalização.
· Os axônios sensoriais cutâneos são designados Aalfa, Abeta, Agama e C.
· Os axônios do grupo C são, por definição, não mielinizados, ao passo que todos os demais são mielinizados.
• O diâmetro do axônio, junto com a quantidade de mielina, determina sua velocidade de condução do potencial de ação.
• Os menores axônios, as fibras C, não têm mielina e possuem diâmetro menor que 1 mm. Essas fibras transmitem sensação de dor, temperatura e prurido e são os axônios mais lentos.
TATO
• O tato pode ser ativo (quando se move a mão ou