A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Sistema Genital Feminino

Pré-visualização | Página 1 de 2

29 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
 
O sistema genital feminino é composto pelos ovários, 
pelas tubas uterinas, pelo útero, pela vagina, pelo 
vestíbulo vaginal e pela vulva. Sendo que os dois 
últimos órgãos fazem parte tanto do sistema genital 
feminino quanto do sistema urinário, constituindo o 
sistema urogenital. 
 
Os ovários são as glândulas sexuais das fêmeas. Eles 
possuem duas funções: uma função endócrina e 
outra função exócrina. Dessa forma, a parte exócrina 
dos ovários é responsável pela produção dos 
gametas femininos, os ovócitos II; e a parte 
endócrina dos ovários é responsável pela produção 
de hormônios sexuais (estrógeno e progesterona). 
Os ovários têm a morfologia diferente de acordo com 
a espécie de animal doméstico. Sendo assim, nas 
éguas eles possuem o formato de grão de feijão; no 
caso das carnívoras, eles são esféricos; já as porcas 
possuem os ovários lobulados, semelhantes a um 
“cacho de uva”; e por fim, as ruminantes possuem os 
ovários com formato ovoide. 
Equinos 
 
 
Carnívoras.
 
Suínos.
 
Bovinos. 
 
Os ovários, nos animais domésticos, ficam 
localizados no teto da cavidade abdominal, 
cranioventralmente às asas do ílio, na altura da 3ª e 
da 4ª vértebra lombar, entrando em contato com a 
extremidade caudal do rim e das alças intestinais. 
Porém, a situação dos ovários varia de acordo com 
as espécies de animais domésticos: 
 os ovários ficam na região 
sublombar, caudalmente aos rins. 
 
Sistema Genital Feminino 
 
30 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 os ovários ficam próximos a entrada 
da cavidade pélvica. 
 
 os ovários ficam próximos a entrada 
da cavidade pélvica. 
 
 os ovários ficam na região 
sublombar, próximos aos rins. 
 
Os ovários são divididos em: duas bordas, a 
mesovárica e a livre; e, em duas extremidades, a 
tubárica e a uterina. 
 fica em contato com o 
ligamento mesovárico, que fixa os ovários na 
cavidade abdominal. 
 não há nenhum ligamento 
relacionado a essa borda. 
 
 extremidade do ovário 
voltada para a tuba uterina. 
 é a extremidade oposta a 
extremidade tubárica. 
 
Os ovários são fixados a cavidade abdominal através 
de dois ligamentos: 
 suspende o trato genital 
feminino na região sublombar. Além disso, é 
através desse ligamento que penetram 
vasos sanguíneos, linfáticos e nervos. No 
caso das éguas e das cadelas, esse 
ligamento fixa os ovários na região 
sublombar. E no caso das porcas e das 
ruminantes, ele fixa os ovários na borda 
lateral do ílio. 
 fixa a extremidade 
uterina até a extremidade do ovário na 
região dos cornos uterinos. 
 
 
31 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
Os ovários são compostos pelas seguintes camadas: 
 camada mais externa. 
 camada esbranquiçada e 
fibrosa. 
 é a parte funcional dos 
ovários. Ela é subdividida em zona 
parenquimatosa e em zona vascular. A zona 
parenquimatosa é mais superficial, onde 
estão presentes os folículos. Já a zona 
vascular é a região mais interna do ovário, 
onde ocorre a chegada dos vasos. 
 
 
A bolsa ovárica é uma “dobra” do ligamento largo do 
útero, que fica recobrindo os ovários. Dessa forma, 
ela tem a função de proteger esses órgãos. No caso 
das cadelas, os ovários sempre se encontram dentro 
da bolsa ovárica. Já nas outras espécies, eles podem 
se encontrar dentro ou fora da bolsa. 
 
As tubas uterinas são túbulos membranosos 
estreitos, sem grande capacidade de dilatação. Elas 
são responsáveis por conduzir os óvulos do ovário 
para o útero. 
As tubas uterinas são divididas em duas 
extremidades: a extremidade uterina, onde se 
localiza o óstio uterino da tuba, conectando a tuba 
com o útero; e a extremidade ovariana, que se 
subdivide em: fímbrias, infundíbulo, ampola e istmo. 
 é a extremidade do infundíbulo, 
possui cílios que auxiliam na captação do 
ovócito. 
 tem forma de funil, e é o 
responsável por captar o ovócito. 
 é a parte mais dilatada da tuba 
uterina, onde ocorre a fecundação. 
 é o estreitamento da tuba uterina. 
As tubas uterinas são compostas pelas seguintes 
camadas: 
no caso das éguas, a zona parenquimatosa 
e a zona vascular são invertidas, ou seja, a zona 
vascular é mais externa e a zona 
parenquimatosa é mais interna. Por esse motivo, 
nessa espécie há a chamada fossa ovulatória, 
local do ovário em que a zona parenquimatosa 
não fica encoberta pela zona vascular, 
possibilitando a ovocitação. 
 
 
32 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
33 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
 é a camada mais externa. 
 é a camada intermediária, 
composta por uma camada dupla de músculo 
liso. Devido a contração dessa camada, a 
tuba uterina promove a movimentação do 
ovócito. 
 é a camada mais interna. 
A fixação das tubas uterinas é feita através de dois 
ligamentos principais: 
 é a porção média do 
ligamento largo, que sustenta as tubas. 
 lâmina de peritônio, que 
parte da cavidade abdominal e fixa os órgãos 
genitais. 
 
O útero é um órgão oco, com grande capacidade de 
dilatação que abriga o embrião e, posteriormente, o 
feto durante a gestação. 
Ele é divido em três partes: os cornos uterinos, o 
corpo e o colo, também chamado de cérvix. A sua 
forma é variável de acordo com a espécie de animal 
doméstico. 
 
É nos cornos uterinos que ocorre a gestação. Eles 
possuem uma forma aproximadamente cilíndrica, 
porém são assimétricos. Eles ficam situados na 
cavidade abdominal, entrando em contato com os 
intestinos ventralmente, e com o reto dorsalmente. 
Além disso, os cornos uterinos são divididos em duas 
extremidades: 
 fica em contato com a 
tuba uterina. 
 conflui para formar o corpo 
do útero. 
Os cornos uterinos ficam dispostos de forma 
diferente nas espécies de animais domésticos. 
os cornos uterinos nas éguas ficam dispostos 
em forma de “Y”, eles são levemente encurvados e 
possuem a extremidade voltada para a tuba uterina 
bastante arredondada. 
 
os cornos uterinos são espiralados e 
ficam voltados ventralmente. Além disso, os 
 
34 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
ruminantes possuem o ligamento intercornual, que é 
uma prega da serosa que auxilia na sustentação dos 
cornos, aproximando os dois. 
 
os cornos uterinos das porcas são longos e 
espiralados, assemelham-se a disposição das alças 
intestinais. 
 
os cornos uterinos das cadelas e das 
gatas possui a disposição em “V”, e são totalmente 
divergentes. 
 
O corpo do útero possui o formato cilíndrico, e é 
ligeiramente aplanado dorsoventralmente. Ele fica 
caudal aos cornos, em direção ao teto da cavidade 
abdominal, dorsal a bexiga urinária. 
Dorsalmente, o corpo do útero se relaciona com o 
reto. E ventralmente, ele fica em contato com as 
alças intestinais e a bexiga. Além disso, o corpo do 
útero é dividido em duas extremidades: a cranial, que 
é a transição dos cornos; e a caudal, que fica em 
contato com a cérvix. 
 
O colo do útero, também chamado de cérvix, é um 
canal tubular e a extremidade caudal do útero. Além 
disso, a cérvix só se abre em duas ocasiões: no estro 
e no momento do parto. Nesses dois momentos, 
abre-se o canal cervical, que é a luz do colo, que fica 
localizada entre os dois óstios da cérvix. 
O colo do útero possui dois óstios: o óstio interno do 
útero, que conecta o colo com o corpo do útero; e o 
óstio externo do útero, que conecta a cérvix com a 
vagina. 
 
 
35 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
Além disso, existem algumas diferenças na 
conformação do colo do útero entre as espécies. 
possuem a cérvix espiralada para que haja o 
encaixe com o pênis helicoidal dos machos. Além 
disso, a cérvix é longa e firma ao toque com as 
extremidades mal definidas, especialmente a 
vaginal. 
 
possuem a cérvix bem desenvolvida, em forma 
de roseta, com três ou quatro