A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
Materiais_eltricos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Sistemas Elétricos Prediais
Universidade do Estado de Mato Grosso
Aula:
Materiais elétricos
1. Entrada de Serviço
2. Eletroduto Soldável e Roscável
3. Quadro de distribuição
4. Quadro Sistemas de VDI
5. Disjuntores termomagnéticos
6. Dispositivo de proteção contra surto DPS
7. Disjuntor ou Dispositivo DR (Diferencial
Residual)
8. Disjuntor Diferencial Residual DDR
9. Condutores
10. Eletrodutos flexíveis
11. Instalações/passagem
12. Condulete
13. Fita Isolante
14. Tomadas e Interruptores
Materiais elétricos 
Universidade do Estado de Mato Grosso
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Proteção mecânica para fios e cabos em
instalações elétricas embutidas de baixa tensão, em
que a solicitação dos esforços mecânicos durante a
concretagem é elevada. Para obras prediais,
comerciais e industriais, também pode ser aplicado
nas entradas de padrões residenciais.
Cabeçote para
entrada de
energia protege
os fios e cabos
elétricos na
ligação do ramal
de serviço.
Eletroduto Soldável e Roscável
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Conexão Eletroduto Soldável e Roscável
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Abrigar os disjuntores (dispositivos de segurança), receber os
fios que vêm do medidor e distribuir os circuitos elétricos que
vão alimentar a edificação. Para instalações elétricas
residenciais e comerciais.
Quadro de distribuição 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Receber e abrigar, em um único ponto, tubulações, fiação/cabeamento,
conectores e dispositivos das instalações de Voz (telefonia), Dados (redes) e
Imagem (antena de TV).
Quadro Sistemas de VDI 
Telefonia 
Antena de 
TV
Rede Lógica
Instalação 3 
sistemas 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Quadro de distribuição 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Quadro de distribuição 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Quadro de distribuição 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Disjuntor Nema: possui apensa um
elemento de proteção para sobrecarga e
curto circuito, disjuntores mais antigos.
(Padrão Norte Americano)
Disjuntores termomagnéticos 
Disjunto DIN: Possui dois elementos
distintos de proteção, um para sobrecarga e
outro para curto-circuito, mais modernos.
(Padrão Europeu)
• A sobrecarga elétrica é decorrente do excesso de carga ligada em
determinado circuito e/ou tomada.
• O curto-circuito ocorre sempre que se junta dois pontos com uma
diferença de potencial por um condutor de resistência muito fraco.
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Curva B:
Curva de ruptura entre 3 e 5 vezes a corrente nominal.
Um disjuntor de 10A nesta curva deve operar quando sua
corrente atingir picos instantâneos dentre 30A e 50A.
• Chuveiros;
• Aquecedores elétricos;
• Cargas resistivas em geral;
• Circuitos TUG.
(Resistiva: carga que não sofrem oscilação de corrente)
Disjuntores 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Curva C:
Curva de ruptura entre 5 e 10 vezes a corrente nominal.
Um disjuntor de 10A nesta curva deve operar quando sua
corrente atingir picos dentre 50A e 100A.
• Ar condicionado;
• Bombas de piscinas;
• Micro-ondas;
• Iluminação fluorescentes e que utilize reatores;
(Indutivo: Carga que sofre pico de corrente)
Disjuntores 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Curva D:
Curva de ruptura entre 10 e 20 vezes a corrente nominal.
Um disjuntor de 10A nesta curva deve operar quando sua
corrente atingir picos dentre 100A e 200A.
• Grandes motores;
• Transformadores;
• Máquina de solda.
Disjuntores 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Ele funciona detectando uma
sobretensão oriunda do surto elétrico,
forçando a passagem dessa
sobretensão para o sistema de
aterramento. Dessa forma, para que
haja uma proteção efetiva, é
imprescindível um sistema de
aterramento eficiente para que a
corrente de surto possa ser escoada
com segurança.
Dispositivo de proteção contra surto DPS 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
O Dispositivo DR é usado para detectar fugas de corrente em um
circuito elétrico, e assim desligar o circuito imediatamente. Dessa
forma, DR é a abreviação para Diferencial Residual, podendo ainda
ser chamado de IDR (Interruptor diferencial residual).
Uma fuga de corrente acontece quando a corrente elétrica
encontra outro caminho para seguir para o terra que não o condutor
neutro da instalação elétrica. Isso pode acontecer em choques
elétricos, condutores mau isolados ou em contato com
carcaças.
Obs: Item 5.1 NBR 5410, a proteção do circuito pode ser realizada
individualmente ou por grupos de circuitos.
Disjuntor ou Dispositivo DR (Diferencial Residual)
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Disjuntor ou Dispositivo DR (Diferencial Residual)
Percepção do choque 
elétrico 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Disjuntor ou Dispositivo DR (Diferencial Residual)
Onde utilizar o IDR?
Conforme NBR 5410, item 5.1.3.2.2, o uso do IDR é
obrigatório em alguns casos específicos, conforme
abaixo:
• Circuitos que sirvam de ponto de utilização
situados em locais que contenham chuveiro ou
banheira;
• Circuitos que alimentem tomadas situadas em
áreas externas à edificação;
• Circuitos que alimentem tomadas em áreas
internas que possam vir a alimentar
equipamentos nas áreas externas;
• Circuitos que sirvam de pontos de utilização
situados em cozinhas, copas, lavanderias, áreas
de serviço, garagem e demais dependências
internas molhadas ou sujeitas à lavagem.
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
O DDR é um dispositivo de proteção que
possui tantos a função de um disjuntor
termomagnético (DTM) como a função de um
interruptor diferencial-residual (IDR) em um
só. Dessa forma, ele consegue atuar contra
curtos-circuitos e sobrecargas e também contra
fugas de corrente.
Dessa forma, a única desvantagem dos DDRs
é que costumam ser mais difíceis de encontrar
no mercado e, consequentemente, também
são mais caros em relação aos DTMs e IDRs.
Disjuntor Diferencial Residual DDR 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Tabela 36, 37 , 38 e 39 da NBR 5410, apresenta a capacidades de
condução de corrente, em ampères, para os métodos de referência (Tabela
33 – Tipos de linha elétrica. OBS: Condutores vivos são fase e neutro item:
6.2.1.2).
Condutores 
Cabos Fios
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Proteção mecânica para instalações
elétricas de baixa tensão, executadas em
alvenaria com recobrimento de argamassa.
Para obras residenciais, comerciais e
industriais.
Proteção mecânica para instalações
elétricas de baixa tensão embutidas em
lajes de concreto. Para uso em construções
prediais, comerciais e industriais, novas ou
reformas, onde a solicitação de esforços
mecânicos durante a concretagem de lajes
ou pisos é elevada.
Eletrodutos flexíveis 
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Instalações/passagem 
Luva Pressão
Promove emendas 
nos eletrodutos 
Caixa de Luz 4”x 2”
Instalação de plugs e 
tomadas e também 
utilizada como caixa 
de passagens.
Caixa de Luz 4”x 4”
Instalação de plugs 
e tomadas e também 
utilizada como caixa 
de passagens.
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Instalações/passagem 
Caixas Octogonais
Caixa de embutir no teto, por onde 
passam os fios das instalações, 
bem como fixa-se 
lâmpadas/luminárias/lustres.
Prolongador para Caixa 
Octogonal 
Peça que se encaixa entre a parte 
superior da caixa octogonal e o 
fundo móvel, atendendo, assim, a 
situações de instalação em lajes 
duplas ou de maiores espessuras.
Materiais elétricos
Universidade do Estado de Mato Grosso
Instalações/passagem

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.