Macroscopia do telencéfalo

Disciplina:Anatomia II375 materiais18643 seguidores

Pré-visualização

Macroscopia do telencéfalo (guilherme ferreira morgado)

	O telencéfalo compreende os dois hemisférios cerebrais e uma pequena parte mediana situada na porção anterior do III ventrículo.  Os dois hemisférios são separados pela fissura longitudinal do cérebro, cujo assoalho é formado por uma larga faixa de fibras comissurais, o corpo caloso.  Esses hemisférios possuem cavidades: os ventrículos esquerdo e direito, que se comunicam com o III ventrículo pelos forames interventriculares. 

	Cada hemisfério possui três pólos: frontal, occipital e temporal, e três faces: súpero-lateral, convexa, medial, plana, e inferior ou base do cérebro, muito irregular. 

	A superfície do cérebro apresenta sulcos, que delimitam os giros ou circunvoluções cerebrais. Esses sulcos possibilitam aumento da superfície sem grande aumento de volume.  Em cada hemisfério os dois sulcos importantes são o lateral (de Sylvius) e o central (de Rolando). 

	O sulco lateral começa na base do cérebro lateralmente a substancia perfurada anterior, como uma fenda que separa o lobo frontal do temporal. Termina dividindo-se em três ramos: ascendente, anterior e posterior. Os dois primeiros são curtos e penetram no lobo frontal, já o terceiro termina no lobo parietal.  

	O sulco central é profundo e percorre a face súpero-lateral separando os lobos frontal e parietal. Inicia-se na face medial do hemisfério e vai em direção ao ramo posterior do sulco lateral. As áreas situadas adiante do sulco central relacionam-se com a motricidade e as áreas atrás com a sensibilidade. 

	Os sulcos cerebrais ajudam a delimitar os lobos cerebrais. Os lobos são frontal, temporal, occipital, parietal e a ínsula, que está situada profundamente no sulco lateral. 
	O lobo frontal se localiza acima do sulco lateral e adiante do sulco central. O limite anterior do lobo occipital é o sulco parieto-occipital. Uma linha imaginaria parte em direção ao ramo posterior do sulco lateral e esse ramo limitam o lobo parietal. 


Na face súpero-lateral: 	 

No Lobo frontal identifica-se três sulcos principais: sulco pré-central, frontal superior e frontal inferior. Entre o sulco central e o sulco pré-central está o giro pré-central onde se localiza a área motora principal do cérebro.  Acima do sulco frontal superior está o giro frontal superior, já entre os sulcos frontal inferior e superior encontra-se o giro frontal médio e abaixo do sulco frontal inferior está o giro frontal inferior.  Esse giro é dividido pelos ramos anterior e ascendente do sulco lateral em orbital, triangular e opercular.  O giro frontal inferior do hemisfério esquerdo denominado giro de Broca é o centro cortical da palavra falada. 

	O lobo temporal apresenta o sulco temporal superior e o inferior. Entre os sulcos lateral e temporal superior está o giro temporal superior, já entre os dois sulcos temporais o giro temporal médio e abaixo do sulco temporal inferior o giro temporal inferior, que se limita com o sulco occipito-temporal. O assoalho do sulco lateral faz parte do giro temporal superior, mas a porção posterior é atravessada pelos giros temporais transversos, o qual o mais evidente é o transverso anterior, no qual se situa o centro cortical da audição. 

	O lobo parietal apresenta dois sulcos principais o sulco pós-central e o sulco intraparietal. Entre os sulcos central e pós-central fica o giro pós-central, onde se localiza a área somestésica. O sulco intraparietal separa o lóbulo parietal superior do inferior. Na porção inferior estão dois giros, o supramarginal em torno da extremidade do ramo posterior do sulco lateral e o giro angular, que está na porção terminal e ascendente do sulco temporal superior.  O lobo occipital ocupa uma porção pequena na face súpero-lateral. 

	Afastando-se os lábios do sulco lateral visualiza-se a insula, ela possui forma cônica e o seu ápice possui o nome de limen da insula.        


Face medial:

	O corpo caloso, a maior comissura inter-hemisférica, é formado por um grande numero de fibras mielínicas. Ele é formado por um corpo, que se dilata posteriormente formando o esplênio do corpo caloso e se flete anteriormente para formar o joelho do corpo caloso, que se afila para formar o rostro do corpo caloso, que continua como uma fina lamina, a lamina rostral, até a comissura anterior.   Emergindo abaixo do esplênio do corpo caloso há o fórnix, que é formado por um corpo, já as extremidades se afastam formando anteriormente a coluna do fórnix e posteriormente as pernas.  As colunas terminam no corpo mamilar cruzando a parede lateral do III ventrículo, já as pernas penetram no corno inferior do ventrículo lateral, onde se ligam ao hipocampo. No ponto de separação das pernas, algumas fibras cruzam de um lado para o outro formando a comissura do fórnix.  Entre o corpo caloso e fórnix estende-se o septo pelúcido, que é formado por duas delgadas laminas de tecido nervoso, as quais formam a cavidade do septo pelúcida. 

	O lobo occipital apresenta o sulco calcarino, o qual possui o centro cortical da visão, e o sulco parieto-occipital. Entre esses dois sulcos estão o cuneus, giro complexo, de forma triangular. Adiante ao cuneus existe o pré-cuneus no lobo parietal. Abaixo do sulco calcarino situa-se o giro occipito-temporal medial. 

	Existem dois sulcos que passam do lobo frontal para o lobo parietal, o sulco do corpo caloso e do cíngulo, que se divide em ramo marginal e sulco subparietal.  Destacando-se do sulco cíngulo existe o sulco paracentral, que delimita juntamente com o sulco cíngulo e o seu ramo margina o lóbulo paracentral.  Nas partes anterior e posterior do lóbulo paracentral localizam-se, respectivamente, as áreas motoras e sensitivas da perna e pé. 


Face Inferior:

	Essa face é dividida em duas partes, uma repousa sobre a fossa anterior do crânio e pertence a lobo frontal, já a outra pertence ao lobo temporal e repousa sobre a fossa média do crânio e a tenda do cerebelo. 

	O lobo temporal apresenta três sulcos: occipito-temporal, colateral e hipocampo. O sulco occipito-temporal limita com o temporal inferior o giro temporal inferior. Além disso, o sulco temporal inferior limita com o sulco colateral o giro occipito-temporal lateral ou giro fusiforme.  O sulco colateral junto com o calcarino delimita o giro occipito-temporal medial, já juntamente com o sulco hipocampo delimita o giro para0hipocampal, cuja porção anterior curva-se sob o sulco do hipocampo para formar o uncus.  O sulco colateral pode ser continuo com o sulco rinal. O sulco do hipocampo separa o giro para-hipocampal do uncus. Já esse giro se liga ao giro do cíngulo através do istmo do giro do cíngulo.  O uncus, giro-hipocampal, istmo do giro do cíngulo e o giro do cíngulo circundam as estruturas inter-hemisféricas e fazem parte do sistema límbico, que se relaciona com o comportamento emocional e controle do SNA.  

	Cada ventrículo lateral é uma cavidade revestida por epêndima e contendo liquido cérebro-espinhal. Sendo que possui uma região central e três cornos, que correspondem aos três pólos do hemisfério.  Os cornos são anterior, posterior e o inferior, com exceção do inferior todos tem o teto formado pelo corpo caloso. 

	O corno anterior fica adiante do forame interventricular, na sua parede vertical está o septo pelúcida, que separa o corno anterior dos outros. O assoalho é formado pela cabeça do núcleo caudado e já o teto e o limite anterior são formados pelo corpo caloso. 

	A parte central do ventrículo lateral se localiza no lobo parietal até o esplênio do corpo caloso, onde a cavidade se bifurca em cornos inferior e posterior, essa região é o trígono colateral.  O tecto é formado pelo corpo caloso e septo pelúcida. O assoalho é formado pelo fórnix, plexo corióide, parte dorsal do tálamo, estia terminal, veia tálamo-estriada e núcleo caudado. 

	O corno posterior estende-se para o lobo occipital e suas paredes são formadas pelo corpo caloso. Já o tecto do corno inferior é formado pela substancia branca do hemisfério, a cauda do núcleo caudado e a estria terminal. Na extremidade