Aula 11 - A célula muscular
6 pág.

Aula 11 - A célula muscular

Disciplina:Biologia Geral I183 materiais1.655 seguidores
Pré-visualização6 páginas
os receptores para

acetilcolina na membrana das células musculares. Gradualmente, a pessoa

vai perdendo a força, e quando a capacidade de contrair o diafragma

fi ca comprometida, sobrevém a morte por asfi xia.

 Rigor mortis: também conhecido como rigidez cadavérica,

é devido à falta de ATP para que a musculatura volte ao estado relaxado.

É um fator importante para que os legistas possam determinar a

hora provável da morte.

 Tétano: é causado por uma bactéria, Clostridium tetanus.

A neurotoxina tetânica bloqueia a liberação de neurotransmissores

inibitórios, isto é, aqueles capazes de inibir a exocitose da

acetilcolina, levando a uma paralisia espasmódica (o músculo fi ca

paralisado no estado contraído).

 Distrofi a muscular Duchenne: é uma doença hereditária

ligada ao cromossomo X, na qual a proteína distrofi na, que forma

pontes entre a actina e o sarcolema, não é corretamente sintetizada.

Isso resulta em fi bras musculares mais frágeis, que, com o uso, vão sendo

lesadas progressivamente, conduzindo à perda da atividade motora.

CEDERJ 45

A
U

LA

M
Ó

D
U

LO
 3

1
1Curare, Botox e estricnina

Dardos envenenados com o extrato de curare, um cipó amazônico, têm sido

usados pelos índios brasileiros desde antes da chegada de Cabral. O alcalóide extraído

dessa planta liga-se ao receptor de acetilcolina na membrana dos músculos estriados.

Dessa forma, a acetilcolina não consegue abrir esses canais iônicos, impedindo a

contração muscular. Ao contrário da toxina tetânica, a musculatura é paralisada

no estado relaxado. Isso levou ao uso do curare e de seus sucedâneos sintéticos em

processos anestésicos. A ingestão do curare por via oral não é perigosa, de modo

que os índios fl echavam a presa que, ferida e parcialmente paralisada era capturada

com facilidade.

Uma outra molécula, a succinilcolina, também se liga aos receptores

de acetilcolina, mas provocando sua abertura. Por não ser degradada pela

acetilcolinesterase, a succinilcolina mantém os canais iônicos abertos por longo

período, levando à paralisia muscular no estado de contração.

 Curiosamente, tanto o curare quanto a estricnina

(principal componente do chumbinho, um perigoso raticida)

são extraídos de plantas do mesmo gênero: Strychnos

toxifera e Strychnos nux vomica, respectivamente.

Entretanto, a estricnina compete com neurotransmissores

do sistema nervoso central.

Visto isso, por que não usar o curare no lugar do

botox, já que ambos deixam o músculo no estado relaxado?

A resposta está no fato de que o efeito do curare dura

relativamente pouco, enquanto o organismo leva vários

meses para eliminar a toxina botulínica.

CEDERJ46

Biologia Celular II | A célula muscular

Navegar é preciso...

 Vários sites tratam desse assunto. Selecionamos alguns para

você visitar. Apesar da maioria dos textos estar em inglês, as imagens

são auto-explicativas e várias animações e fi lmes estão disponíveis.

cs.southwesternadventist.edu/.../ sk_muscle/- a interação actina-

miosina. O papel do cálcio, do ATP e a participação da troponina e da

tropomiosina no processo regulador.

 Para uma bela combinação de microscopia eletrônica e animação.

Vá ao site http://www.bio.davidson.edu/misc/movies/musclcp.mov

CONCLUSÃO

 Vimos na aula de hoje como é a organização estrutural da célula muscular

e como ela se presta à sua função contrátil específi ca. Surpreendentemente (ou

não), a musculatura voluntária dos invertebrados (caranguejos, gafanhotos,

minhocas etc.) é muito semelhante à dos vertebrados e muitos dos estudos sobre

a contração muscular voluntária foram, e continuam a ser, feitos nesses animais.

Se considerarmos que o sucesso evolutivo (= sobrevivência) de um animal depende,

em grande parte, de sua capacidade de correr atrás de suas presas e escapar das

espécies predadoras, isso é muito justifi cável, não acham?

CEDERJ 47

A
U

LA

M
Ó

D
U

LO
 3

1
1R E S U M O

\u2022 As células musculares são especializadas em contrair-se, graças ao deslizamento

de fi lamentos de actina sobre feixes de miosina.

\u2022 Existem três tipos de célula muscular: lisa, estriada cardíaca e estriada esquelética.

As duas primeiras são de contração involuntária, controlada pelo Sistema Nervoso

Autônomo. Apenas os músculos esqueléticos possuem contração voluntária.

\u2022 As células musculares têm origem em mioblastos que se fundem e formam fi bras

longas e multinucleadas. O crescimento das fi bras é feito pela fusão de mioblastos

a fi bras preexistentes.

\u2022 A maior parte do citoplasma da fi bra muscular é ocupado pelas miofi brilas. Ao redor

das miofi brilas distribuem-se mitocôndrias e cisternas do retículo endoplasmático

liso, que se associam aos túbulos T da membrana plasmática, constituindo as tríades.

Núcleos e demais organelas se situam na periferia da fi bra.

\u2022 A unidade de contração é o sarcômero, que compreende o espaço entre dois

discos Z: duas hemibandas claras e uma banda escura.

\u2022 Nas bandas claras predominam os fi lamentos de actina, as bandas escuras

são constituídas por feixes de miosina do tipo II e fi lamentos de actina que

interpenetram esses feixes. O disco Z é constituído por alfa-actinina e cap Z.

\u2022 A despolarização resulta da abertura de canais iônicos dependentes do

neurotransmissor acetilcolina (receptores de acetilcolina) e subseqüente

abertura de canais iônicos voltagem dependentes ao longo da membrana,

até atingir os túbulos T.

\u2022 O cálcio, que se acumula no retículo sarcoplasmático pela ação de uma Cálcio

ATPase, é liberado no citossol quando a despolarização da membrana chega aos

túbulos T, mudando a conformação da proteína DHPR. A DHPR provoca a abertura

de canais de cálcio na membrana do retículo sarcoplasmático.

\u2022 No citossol, o cálcio se liga à troponina, que, por sua vez, \u201cempurra\u201d

a tropomiosina, liberando o sítio de ligação para miosina no fi lamento de

actina.

\u2022 Durante a contração do sarcômero, cada cabeça de miosina hidrolisa uma

molécula de ATP, liga-se ao fi lamento de actina e, ao liberar o Pi, o fi lamento de

actina é puxado, encurtando o sarcômero. O relaxamento ocorre quando uma

nova molécula de ATP liga-se à miosina.

CEDERJ48

Biologia Celular II | A célula muscular

EXERCÍCIOS

1. Qual a origem das células musculares esqueléticas? Como crescem?

2. Quais são e quais as principais características dos outros tipos de músculo?

3. Defi na:

a) sarcômero

b) sarcolema

c) retículo sarcoplasmático

d) túbulo T- ou túbulo transverso

e) tríade

4. Qual a função das seguintes proteínas acessórias:

a) alfa-actinina

b) Cap Z

c) tropomodulina

d) troponina

e) tropomiosina

f) nebulina

g) titina

5. Por que nos referimos a fi lamentos de actina e a feixes de miosina?

6. Como, uma vez no estado contraído, o sarcômero volta ao estado relaxado?

7. Por que ocorre a rigidez cadavérica?