Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
PODERES E DEVERES DA ADMINISTRAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 1

PODERES E
DEVERES DA
ADMINISTRAÇÃO
Anna Catharina Garcia 
CONSTITUCIONALIZAÇÃO
DO DIREITO
ADMINISTRATIVO: A
QUEBRA DE PARADIGMA
1800 - França: O fim do livre controle do
gestor na figura do Rei 
É só no PÓS GUERRA que há a efetivação
da pirâmide de Kelsen e a Constituição se
torna EPICENTRO do Direito
Administrativo: O administrador não está
mais "acima" do administrado, ele esta,
inclusive, cerceado pelos Direito
Fundamentais
DEVERES DA ADMINISTRAÇÃO
Poder-Dever de Agir: O gestor tem o poder e o dever de agir.
Dever de Eficiência: Rendimento funcional.
Dever de Probidade: A maneira de agir do administrador deve ser proba/ética, estando sujeito às
sanções da lei 8.429/92 (Lei da Improbidade Administrativa).
Dever de Prestar Contas: É natural da Administração pública como encargo de gestão de bens e
interesses prestar contas a sociedade, que realiza essa fiscalização de maneira mais "abstrata" +
figura do Tribunal de contas em um controle concreto das contas públicas.
CELSO ANTONIO BANDEIRA DE MELLO: NÃO há poderes, há deveres-poderes, o
administrador só exerce o poder se ele
cumpre com seus deveres.
FUNÇÃO ADMINISTRATIVA X PODERES
ADMINISTRATIVOS:
DISCUSSÃO DA DOUTRINA
OBS: Cada esfera tem um controle e
seus agentes.
PODER DE POLÍCIA
Art. 78 da Lei 5.172: "Considera-se poder de polícia
atividade da administração pública que, limitando
ou disciplinando direito, interesse ou liberdade,
regula a prática de ato ou abstenção de fato, em
razão de interesse público concernente à
segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à
disciplina da produção e do mercado, ao exercício
de atividades econômicas dependentes de
concessão ou autorização do Poder Público, à
tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade
e aos direitos individuais ou coletivos."
Critica da doutrina: conceito do CTB
Não exige tributação, apesar do conceito, atua
onde é necessário e deve estar totalmente
regulado pela legalidade : discricionariedade,
a auto-executoriedade e a coercibilidade.
Exemplo: Apreensão da CNH
MECANISMO DE REPRESSÃO: O proprio
judiciário
PODER DISCIPLINAR
É uma faculdade punitiva interna através da
qual a autoridade administrativa pune as
infrações funcionais dos servidores e de todos
que estiverem sujeitos à disciplina dos órgãos e
serviços da Administração. Seu exercicio é
OBRIGATÓRIO mas a punição NÃO, deve
inclusive respeitar o devido processo legal.
Exemplo: o servido público federal vai 
estar sujeito as sanções do estatuto federal (8112/90)
PODER SANCIONADOR
A adm publica pode diretamente aplicar sanções sem
depender de um provimento do poder judiciário, a partir
da sua capacidade de auto tutela e auto executoriedade.
E essa sanção tem natureza punitiva, requerendo para
isso um devido processo legal e todas as garantias
processuais. 
Exemplo: ilícitos numa licitação.
PODER REGULAMENTAR
Segunda parte do inciso IV do art. 84 da CF/88 - IV
sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como
expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução;
O sistema constitucional atribuiu ao poder
executivo a função de concretizar as leis, pois,
nem todas que sao produzidas pelo poder
legislativo já estão prontas para aplicação, logo,
ele irá concretizar melhor a previsao abstrata e
será regulado politicamente pelo CN
OBS:
DECRETO NAO É REGULAMENTO. O regulamento não tem força
própria para produzir normatização, enquanto o decreto tem.
a CF ainda preve que o PR faça decretos executivos e
excepcionalmente os autonomos.
PODER DISCRICIONÁRIO: É
PODER?
CELSO ANTONIO BANDEIRA DE MELO ENTENDE QUE
NÃO: Discricionariedade é uma medida de liberdade
decisória do gestor publico dentro da legalidade. 
QUEM DA A MEDIDA DO GRAU DE
DESCRICIONARIEDADE? A legalidade, que vai
necessariamente parametrizar essa ação, todo ato
será vinculado, e dentro da vinculatividade, a
legalidade vai estabelecer um espaço decisório
menor ou maior para o gestor, depende da matéria
discutida. Quem parametriza POLITICAMENTE as
decisões da adm publica, é o legislativo, pois, é a
partir da legalidade que ela vai colocar o grau de
abertura para o gestor (efetivando o sistema de
FREIOS E CONTRAPESOS).