Classificação dos Solos
48 pág.

Classificação dos Solos


DisciplinaPrincipios de Geomecânica16 materiais47 seguidores
Pré-visualização11 páginas
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 
ÁREA DE GEOTECNIA 
MECÂNICA DOS SOLOS 
Volume I 
Paulo César Lodi 
 
s V 
s x 
x 
x 
z 
P
 
A
 
z 
r2 
r1 
r0 
2 
1 
b
 
b
 
Mecânica dos Solos 2
 
SUMÁRIO Pág 
 
1.1. INTRODUÇÃO 03 
1.2. ORIGEM DOS SOLOS 05 
Tamanho das Partículas 07 
Constituição Mineralógica 08 
Sistema Solo-água 11 
Estrutura dos Solos 12 
1.3. TIPOS DE SOLOS EM FUNÇÃO DA ORIGEM 15 
1.4. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS 20 
1.4.1. Classificação Táctil Visual dos Solos 21 
1.4.2. Classificação Genética Geral 23 
1.4.3. Classificação Granulométrica 23 
Índices de Consistência 27 
Conceitos Importantes 31 
Atividade das Argilas 32 
1.4.4. Classificação Unificada (SUCS) 36 
1.4.5. Classificação segundo a AASHTO 39 
1.5. ÍNDICES FÍSICOS 42 
1.5.1. Relações entre Volumes 42 
1.5.2. Relações entre Massas e Volumes 43 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CITADAS E CONSULTADAS 46
Mecânica dos Solos 3
 
1.1. INTRODUÇÃO 
 
Por ser o solo um material natural, cujo processo de formação não depende de 
forma direta da intervenção humana, o seu estudo e o entendimento de seu 
comportamento depende de uma série de conceitos desenvolvidos em ramos afins de 
conhecimento. A mecânica dos solos é o estudo do comportamento de engenharia do 
solo quando este é usado ou como material de construção ou como material de 
fundação. Ela é uma disciplina relativamente jovem da engenharia civil, somente 
sistematizada e aceita como ciência em 1925, após trabalho publicado por Terzaghi 
(Terzaghi, 1925), que é conhecido, com todos os méritos, como o pai da mecânica dos 
solos. 
Sendo um material de origem natural, o processo de formação do solo, o qual é 
estudado pela geologia, irá influenciar em muito no seu comportamento. O solo é um 
material trifásico, composto basicamente de ar, água e partículas sólidas. A parte fluida 
do solo (ar e água) pode se apresentar em repouso ou pode se movimentar pelos seus 
vazios mediante a existência de determinadas forças. O movimento da fase fluida do 
solo é estudado com base em conceitos desenvolvidos pela mecânica dos fluidos. 
Podem-se citar ainda algumas disciplinas, como a física dos solos, ministrada em cursos 
de agronomia, como de grande importância no estudo de uma mecânica dos solos mais 
avançada, denominada de mecânica dos solos não saturados. Além disto, o estudo e o 
desenvolvimento da mecânica dos solos são fortemente amparados em bases 
experimentais, a partir de ensaios de campo e laboratório. 
A aplicação dos princípios da mecânica dos solos para o projeto e construção de 
fundações é denominada de "Engenharia de Fundações". A Engenharia Geotécnica (ou 
Geotecnia) pode ser considerada como a junção da mecânica dos solos, da engenharia 
de fundações, da mecânica das rochas, da geologia de engenharia e mais recentemente 
da geotecnia ambiental, que trata de problemas como transporte de contaminantes pelo 
solo, avaliação de locais impactados, proposição de medidas de remediação para áreas 
impactadas, projetos de sistemas de proteção em aterros sanitários, etc. 
As aplicações de campo da mecânica dos solos são as seguintes: 
 
Fundações: As cargas de qualquer estrutura têm de ser, em última 
instância, descarregadas no solo através de sua fundação. Assim a 
fundação é uma parte essencial de qualquer estrutura. Seu tipo e detalhes 
de sua construção podem ser decididos somente com o conhecimento e 
aplicação de princípios da mecânica dos solos. 
 
Obras subterrâneas e estruturas de contenção: Obras subterrâneas como 
estruturas de drenagem, dutos, túneis e as obras de contenção como os 
muros de arrimo, cortinas atirantadas somente podem ser projetadas e 
construídas usando os princípios da mecânica dos solos e o conceito de 
"interação solo-estrutura". 
 
Projeto de pavimentos: o projeto de pavimentos pode consistir de 
pavimentos flexíveis ou rígidos. Pavimentos flexíveis dependem mais do 
solo subjacente para transmissão das cargas geradas pelo tráfego. 
Problemas peculiares no projeto de pavimentos flexíveis são o efeito de 
Mecânica dos Solos 4
 
carregamentos repetitivos e problemas devidos às expansões e contrações 
do solo por variações em seu teor de umidade. 
 
Escavações, aterros e barragens: A execução de escavações no solo 
requer freqüentemente o cálculo da estabilidade dos taludes resultantes. 
Escavações profundas podem necessitar de escoramentos provisórios, 
cujos projetos devem ser feitos com base na mecânica dos solos. Para a 
construção de aterros e de barragens de terra, onde o solo é empregado 
como material de construção e fundação, necessita-se de um 
conhecimento completo do comportamento de engenharia dos solos, 
especialmente na presença de água. O conhecimento da estabilidade de 
taludes, dos efeitos do fluxo de água através do solo, do processo de 
adensamento e dos recalques a ele associados, assim como do processo 
de compactação empregado é essencial para o projeto e construção 
eficientes de aterros e barragens de terra. 
Mecânica dos Solos 5
 
1.2. ORIGEM DOS SOLOS 
 
O termo solo é aplicado na Engenharia Geotécnica para designar o material 
granular que cobre a maior parte da superfície terrestre. Seu significado difere daquele 
empregado na área agronômica que considera apenas os horizontes superficiais de 
pequena espessura que podem conter matéria orgânica. No contexto geotécnico, o solo 
pode ser definido como o material resultante da desagregação das rochas apresentando 
um índice de vazios maior que a rocha que o originou. É, portanto, constituído por um 
conjunto de partículas sólidas, água e gases. Normalmente, é a fase sólida que irá 
caracterizar o solo e esta pode variar em sua forma e tamanho. As demais fases (líquida 
e gasosa) correspondem à porosidade do solo. 
A origem dos solos está relacionada à decomposição que ocorre nas rochas 
presentes na crosta terrestre. Essa decomposição é resultante da ação dos agentes 
físicos, químicos e biológicos (intemperismo). Esses agentes podem ocorrer 
simultaneamente na natureza e acabam por se complementarem no processo de 
formação das rochas. Isso fica demonstrado quando analisamos o efeito da temperatura 
e da água nas rochas. Variações climáticas podem levar ao trincamento das rochas e, por 
conseguinte, a água irá penetrar essas trincas atacando quimicamente os minerais. Pode 
ocorrer também, que o congelamento da água nas trincas leve ao fissuramento da rocha 
devido às tensões geradas. MACHADO (2002) ressalta que os processos de 
intemperismo físico reduzem o tamanho das partículas, aumentando sua área de 
superfície e facilitando o trabalho do intemperismo químico. Já os processos químicos e 
biológicos podem causar a completa alteração física da rocha e alterar suas propriedades 
químicas. 
O Intemperismo físico não altera a composição química da rocha. Os principais 
tipos são: as variações de temperatura, o repuxo coloidal, ciclos gelo/degelo e alívio de 
pressões em maciços rochosos. 
 
Variações de Temperatura: da física sabemos que todo material varia de 
volume em função de variações na sua temperatura. Estas variações de 
temperatura ocorrem entre o dia e a noite e durante o ano, e sua 
intensidade será função do clima local. Acontece que uma rocha é 
geralmente formada de diferentes tipos de minerais, cada qual possuindo 
uma constante de dilatação térmica diferente, o que faz a rocha deformar 
de maneira desigual em seu interior, provocando o aparecimento de 
tensões internas que tendem a fraturá-la. Mesmo rochas com uma 
uniformidade de componentes não têm uma arrumação que permita uma 
expansão uniforme, pois grãos