A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Bacterias_da_Microbiota_Norma_a_Patogenicidade

Pré-visualização | Página 2 de 3

o exame como comprovação etiológica. Os achados também não mostram correlação com a evolução clínica. 
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
PATOGENICIDADE (BOCA) 
Staphylococcus aureus 
	 * Abscesso (mandíbula)→ 
 
	
 PATOGENICIDADE (FARINGE) 
				
 		 Streptococcus pyogenes 
	 ← * Faringite
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
PATOGENICIDADE (FOSSAS NASAIS) 
	 Staphylococcus aureus 
	 * Portadores assintomáticos 
 -- furúnculos
	
 Streptococcus pneumoniae 
	 ← * inflamações de fossas nasais
 Pneumonias
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
PATOGENICIDADE (INTESTINO) 
	 Staphylococcus aureus 
	 * Enterotoxinas produzidas em alimentos
 (Intoxicação alimentar)
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
 
O MUNDO DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Historicamente são causa de mortes, não apenas limitando melhorias no conforto pessoal, mas também impedindo o avanço do bem-estar social e geral.
Somente no século 20 as melhorias das condições de vida, sanitarismo e intervenção médica tiraram as sociedades das conseqüências destas doenças.
 
Década de 50 = sucessos da medicina e da saúde pública pareciam tão impressionantes que os mais renomados cientistas estavam propensos a predizer a conquista das doenças infecciosas e a erradicação das “pestes” como causa de miséria da face do planeta.
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
 
O MUNDO DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Em 1969 William H. Stewart 
 “É o momento de fechar o livro 
 sobre doenças infecciosas”
		(diretor nacional de saúde dos EUA)
Infelizmente estes sábios homens subestimaram muito a capacidade de adaptação das multifárias formas de vida que compartilham o planeta conosco.
Como resultado a lista de doenças infecciosas novas e reemergentes é longa e ainda crescente.
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
 
ANTIMICROBIANOS
 Sulfonamidas (1913) – eram usadas como 		 corantes – Gerhard Domagk (1932) – 			 sulfamidocrisoidina foi utilizada em infecções 
	 de camundongos. E utilizado, com sucesso, 
			 pela primeira vez em humanos, na própria filha 			 (infecção estreptocócica grave).
Penicilina (1928) – Alexander Fleming 
	notou que uma o crescimento de 
	uma cultura de Staphylococcus 
	aureus teria sido inibida ocasionalmente 
	pelo fungo Penicillium. 
 
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
ANTIMICROBIANOS
A descoberta de Fleming não foi aproveitada de imediato, por não haver tecnologia adequada para cultivar o fungo em grande quantidade, separar o antibiótico do meio de cultura e purificá-lo
Florey, Chain e colaboradores 
	migraram da Inglaterra para 
	os EUA (1941) – produziram 
	penicilina em escala industrial
Em 1945 ganharam o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina por contribuição para o bem-estar da humanidade
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
 
ANTIMICROBIANOS
Quinina (1633) - um dos primeiros a ser isolado em 1820 da Cinchona – ação terapêutica notável contra o Plasmodium (Malária).
Emetina (meados de 1800) - isolada da Ipecacuanha - ação terapêutica contra amebíase.
Composto do arsênico denominado Atoxil 
	(1910) – descoberto por Ehrlich e 
	colaboradores com ação anti-sifilítica. 
 Erlich é considerado o pai da quimioterapia.
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
BENEFÍCIOS DA MICROBIOTA NORMAL
Grande quantidade de bactérias saprófitas no intestino e na boca dificulta a instalação de um patógeno
Bactérias do intestino produzem substâncias antibióticas às quais elas próprias são imunes
Colonização do recém-nascido é um estímulo para o desenvolvimento do sistema imune
Bactérias intestinais são produtoras de vitamina K, e auxiliam na digestão e absorção de nutrientes
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
MALEFÍCIOS DA MICROBIOTA NORMAL
Microrganismos deslocados do seu sítio normal no corpo humano (Ex: S. epidermidis em cateter)
Quando patógenos potenciais ganham vantagem competitiva devido a população diminuída de competidores inofensivos (Clostridium difficile)
Quando algumas substâncias alimentares inofensivas comumente ingeridas são convertidas em derivados carcinogênicos pelas bactérias no colo (Ex: ciclamato – cicloeximida)
Pacientes imunocomprometidos – microbiota normal pode multiplicar em excesso e causar infecções.
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
CATEGORIAS DE DOENÇAS INFECCIOSAS:
Doença comunicável: transmitida de uma fonte externa, animada ou inanimada, a um paciente.
Doença contagiosa: transmitida de paciente para paciente
Doença infecciosa: causada por um agente externo que replica ou multiplica
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
CATEGORIAS DE DOENÇAS INFECCIOSAS:
Infecção iatrogênica: produzida por intervenções médicas
Infecção nosocomial: adquirida em uma instituição de cuidados de saúde
 Infecção oportunista: Infecção em um paciente com defesas comprometidas por um agente de baixa virulência que não produziria infecção em um paciente normal
Infecção subclínica: Infecção que produz uma resposta imunológica, mas sem sintomas clínicos 
	( também chamada de infecção assintomática).
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
CONCLUSÕES:
Complexo Burkholderia cepacia e Stenotrophomonas maltophilia – bactérias de microbiota normal em vias aeréas superiores → podem causar pneumonias em pacientes imunocomprometidos .
Pseudomonas aeruginosa – microbiota normal de fezes → envolvida em vários tipos de infecções hospitalares
Staphylococcus aureus – profissionais de saúde portadores em fossas nasais devem ser descolonizados para dimimuir a prevalência de infecções em pacientes hospitalizados.
Enterococcus spp. – microbiota normal de fezes e irregular em orofaringe → infecções de ferida cirúrgica.
BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE
Professora Zilka Nanes (Universidade Estadual da Paraíba)
*
*
CONCLUSÕES:
A lavagem das mãos pelos profissionais de saúde é indispensável.
Mesmo que se inicie a terapia antimicrobiana monitorar o tratamento com cultura e exames complementares
A capacidade dos microrganismos em adquirir resistência a antimicrobianos jamais se esgotará
Usar racionalmente os antimicrobianos para evitar a seleção de estirpes multiresistentes
BACTÉRIAS: DA