CARDIOLOGIA 02 - Eletrocardiograma COMPLETO
35 pág.

CARDIOLOGIA 02 - Eletrocardiograma COMPLETO


DisciplinaSistemas Orgânicos Integrados I477 materiais366 seguidores
Pré-visualização16 páginas
sintomáticas como: BAV de 3º grau 
(BAVT); Disfunção do nódulo sinusal sintomática (DNS) caracterizada por: bradicardia, parada sinusal, 
bloqueio sinuatrial e taquicardia paroxística (Síndrome Bradi-taqui).
\uf0fc Bradicardias temporárias sintomáticas relacionadas a drogas: digoxina, diltiazem, B- bloqueador, 
amiodarona.
\uf0fc Infarto agudo do miocárdio (IAM): IAM anterior com: surgimento de bloqueio de ramo direito (BRD) e PR > 
0,20s (200ms), Bloqueio de ramo direito (BRD) com hemibloqueio anterior esquerdo (HBAE), BRE agudo, 
BAV 2° grau Mobitz 2 (isto é: PR constante que de repente interrompe), BAVT; IAM inferior com: BAVT ou 
BAV 2°grau com instabilidade hemodinâmica, IAM de VD, com instabilidade hemodinâmica e BAVT, 
frequentemente necessitando de implante de MP dupla câmara para estimulo AV sequencial.
\uf0fc Pós-operatório de cirurgia cardíaca: marcapasso epicárdico (eletrodos instalados durante cirurgia 
cardíaca).
\uf0fc Controle de taquiarritmia com overdrive como: QT longo, Extra-sistolia atrial bloqueada, Taquicardia 
ventricular incessante, Taquicardia ventricular induzida por extra-sístole ventricular, Taquiarritmia 
ventricular dependente de bradicardia.
\uf0fc Pós-operatório: história de Stokes-Adams, BAVT ou Mobitz II, Pausa sinoatrial prolongada.
\uf0fc Bradicardia refratária durante ressuscitação ou choque hipovolêmico.
\uf0fc Parada cardíaca em assístolia.
\uf0fc Disfunção de MP definitivo.
\uf0b7 Definitivo: O MP pode ser indicado como um recurso terapêutico definitivo. O MP definitivo consiste em uma 
ferramenta fundamental para melhorar a qualidade de vida do idoso. A American Heart Association junto com o 
American College of Cardiology determinaram as indicações de MP definitivo de acordo com os trabalhos 
existentes na literatura atual em classes, conforme será descrito a seguir.
o Classes I: todas as condições em que há concordância para colocação de um MP;
o Classes II: condições em que pode ser indicada a colocação do MP, porém há discordância sobre a 
necessidade do uso.
o Classe III: condição em que existe uma concordância da não colocação da MP.
1.2.2. Bloqueio da condução intraventricular
Como sabemos, ao longo da massa ventricular, o estímulo cardíaco viaja por intermédio das fibras do Feixe de 
His. O feixe de His conduz a onda de despolarização normalmente, mas em um dos seus ramos o impulso elétrico é 
bloqueado. O complexo QRS torna-se, então, alargado devido ao retardo da onda de despolarização no ventrículo que
teve seu ramo bloqueado.
Com o atraso da condução pelo 
ramo direito, a ativação ventricular 
esquerda é realizada normalmente, 
através do ramo esquerdo da esquerda 
para direita. Quando a ativação 
ventricular esquerda está próxima da 
finalização, o impulso passa da 
esquerda para direita através do septo 
interventricular (ativação transeptal 
transmiocárdica), desencadeando a 
ativação lenta e anormal do lado direito 
do septo interventricular e parede livre 
do ventrículo direito. O contrário 
também é verdadeiro para o bloqueio do 
ramo esquerdo do feixe de His.
Tais alterações podem, portanto, serem avaliadas da seguinte maneira no ECG, optando pela análise das 
derivações V1 (para ventrículo direito e vetor septal) e V6 (para ventrículo esquerdo). Em ambos, o complexo se 
mostrará mais alargado.
Arlindo Ugulino Netto \u2013 CARDIOLOGIA \u2013 MEDICINA P6 \u2013 2010.1
16
\uf0b7 Bloqueio de ramo direito do feixe de His: pode ser bem avaliado por meio das 
seguintes caracter„sticas:
o Nas deriva‚†es precordiais direitas (V1) teremos o seguinte padrƒo:
\uf0fc Padrƒo RSR\u2019: o que seria \u201ccomplexo QRS\u201d no ECG aparece com uma 
grande quilha na onda R, formando duas grandes ondas positivas: R e 
R\u2019.
\uf0fc Onda T assim€trica e em sentido oposto ao QRS.
o Nas deriva‚†es precordiais esquerdas (V6) e DI: padrƒo QRS com onda S 
ampla e arrastada.
o Eixo el€trico do cora‚ƒo (S“QRS): varivel, tendendo desvio para a 
direita.
\uf0b7 Bloqueio de ramo esquerdo do feixe de His: ocorre quando h bloqueio do 
tronco do ramo esquerdo antes da sua bifurca‚ƒo em fasc„culos Šntero-superior 
e p…stero-inferior ou o bloqueio dos dois fasc„culos ao mesmo tempo. Sua 
etiologia pode estar relacionada com: hipertensƒo arterial sistˆmica, doen‚a 
das art€rias coronrias, doen‚as valvulares, isquemia, esclerose, fatores 
mecŠnicos, em conseq‘ˆncia da hipertrofia ventricular esquerda, etc.
o Complexo QRS alargado (> 0,12 segundos).
o Na avalia‚ƒo das deriva‚†es precordiais esquerdas (V5 e V6):
\uf0fc Ausˆncia de ondas q iniciais.
\uf0fc Ondas R alargadas e monofsicas, apresentando entalhes 
(aspecto em torre) e empastamentos.
\uf0fc Segmento ST infradesnivelado.
\uf0fc Onda T negativa.
\uf0fc Altera‚†es da repolariza‚ƒo.
o Na avalia‚ƒo das precordiais direitas (V1 e V2):
\uf0fc Ausˆncia da onda r inicial.
\uf0fc QRS negativo.
De um modo geral, no bloqueio de ramo esquerdo (BRE), a \u201corelha de coelho\u201d no complexo QRS em V6 
representa o atraso entre a despolariza‚ƒo do septo para o ventr„culo esquerdo. J no bloqueio de ramo direito (BRD), a 
\u201corelha de colho\u201d em V1 representa o atraso entre a despolariza‚ƒo do septo para o ventr„culo direito. 
Em resumo, temos:
Arlindo Ugulino Netto \u2013 CARDIOLOGIA \u2013 MEDICINA P6 \u2013 2010.1
17
2. Taquiarritmias
Sƒo arritmias card„acas caracterizadas por uma frequˆncia maior que 100 bpm. Pode ser um achado normal do 
ECG, principalmente quando o paciente tem realizado algum esfor‚o f„sico vigoroso ou por descarga de adrenalina por 
nervosismo, por exemplo. Contudo, pode estar relacionada com a presen‚a de doen‚a card„aca de base e de reflexos 
cardiovasculares.
O aumento da frequˆncia card„aca tem relevŠncia cl„nica importante a partir do momento que h um 
comprometimento do fluxo coronariano. Como se sabe, o enchimento das art€rias coronrias acontece durante a 
distole; contudo, como na taquicardia h muito pouco tempo para que o ventr„culo relaxe, a pressƒo coronria cai de 
uma forma importante. Indiv„duos que j apresentem algum tipo de obstru‚ƒo em coronria e apresenta taquicardia 
apresentam maior predisposi‚ƒo a desenvolver infarto no curso desta arritmia. 
As taquiarritmias (TA) podem ser classificadas em TA supra-ventriculares e TA ventriculares.
2.1. Taquiarritmias supra-ventriculares (TASV)
Sƒo arritmias causadas por disfun‚†es em s„tios localizados acima do n… atrioventricular, o que inclui o trio 
(acometido pela fibrila‚ƒo atrial e flutter atrial), a taquicardia atrial, a taquicardia sinusal, a taquicardia juncional (que 
ocorre na jun‚ƒo entre o trio e o ventr„culo), taquicardia reentrante nodal e a taquicardia reentrante atrioventricular 
(Síndrome de Wolf-Parkinson-White).
Na anlise das taquicardias supra-ventriculares, € sempre necessrio examinar os seguintes parŠmetros:
\uf0fc Frequˆncia atrial;
\uf0fc Frequˆncia ventricular;
\uf0fc Regularidade ventricular (RR): o QRS € regular na taquicardia reentrante nodal, da taquicardia reentrante 
atrioventricular (S„ndrome de WPW), flutter atrial e na taquicardia atrial; € irregular na fibrila‚ƒo atrial e, 
enventualmente, no flutter e na taquicardia atrial.
\uf0fc Identificar morfologia da ativa‚ƒo atrial (P, F, f);
\uf0fc Avaliar rela‚ƒo P:QRS. A onda P pode nƒo existir e, caracteristicamente, o QRS mant€m seu padrƒo normal 
de ondas, mas se mostra estreitado (diferentemente da taquicardia ventricular, onde o QRS € alargado e 
bizarro).
\uf0fc Importante: nas arritmias supraventriculares o QRS se mostra estreitado (< 0,12 segundos), visto que o 
dist‹rbio de condu‚ƒo se d acima do n… AV. Os dois ventr„culos se ativam ao mesmo tempo. A presen‚a de 
um QRS largo (> 120 ms) significa alguma aberrŠncia, isto €: uma situa‚ƒo anormal.
Os principais tipos de taquiarritmias supra-ventriculares atriais sƒo:
\uf0b7 Taquicardia sinusal: caracterizada pelos 
seguintes parŠmetros:
\uf0fc Ondas P de morfologia normal;
\uf0fc Frequˆncia atrial de 100 a 200 bpm;
\uf0fc Frequˆncia ventricular de 100 a 200 
bpm;
\uf0fc RR regular
\uf0fc P:QRS \u2013