A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
142 pág.
Funcionamento das contas

Pré-visualização | Página 24 de 32

Estatutos e
pelo Regulamento Interno, esta escolha incumbe à CE, ao CA ou, muito excepcional-
mente, à AG, reunida em sessão extraordinária.
6. A aplicação da solução escolhida
A implementação da solução retida pode implicar novas tarefas e responsabilidades
e/ou uma nova repartição destas, um ajustamento do orçamento, etc.
7. O teste da solução
A resolução de um problema ou a adaptação a uma nova situação não pára na imple-
mentação de uma solução. Com efeito, é preciso verificar que esta é pertinente e efi-
caz. Do mesmo modo que para a primeira etapa, a solução testada será objecto de
um acompanhamento e de um controlo.
234 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
A análise da viabilidade financeira e económica
de uma mutualidade de saúde
A viabilidade económica e financeira de uma mutualidade de saúde pode ser considerada
como a sua capacidade para cobrir de forma duradoura os seus encargos com os seus
produtos e para fazer face aos seus compromissos financeiros nos prazos requeridos.
A análise da viabilidade financeira e económica de uma mutualidade é uma operação
indispensável, que deve ser realizada periodicamente. Permite determinar as medidas a
tomar para reforçar a solidez da mutualidade e evitar que ela “abra falência”. É, igual-
mente, necessária para o desenvolvimento das relações da organização com terceiros,
nomeadamente, com os bancos.
Em grande medida, a análise financeira assenta na utilização da conta de resultados e do
balanço do exercício. Apoia-se, igualmente, nas situações financeiras dos anteriores exer-
cícios e em outras fontes de informação, relativas às actividades, nomeadamente, as res-
peitantes às adesões e às prestações.
Este capítulo não incorpora as possibilidades da contabilidade analítica, que ainda é
muito raramente utilizada nas mutualidades visadas por este guia.
Esta contabilidade é, contudo, uma ferramenta extremamente poderosa, cuja utilização é
fortemente recomendada nas mutualidades que tenham capacidades para a empregar.
O método aqui proposto é o dos racios que permite uma análise da gestão, da situação
financeira e uma explicação financeira da mutualidade. A apresentação é sucinta, sendo
esta análise objecto de um tratamento mais detalhado no Guia de acompanhamento e de
avaliação dos sistemas de microseguros de saúde, produzido e publicado pelo programa
STEP e o CIDR21.
Exemplo
Para ilustrar o cálculo dos diferentes racios abaixo apresentados, utilizar-se-á o exemplo da Mutuali-
dade Saphir, que conta 575 aderentes, todos também membros de uma mesma cooperativa. A mutua-
lidade não exige direitos de adesão. Ela recebe no primeiro ano um subsídio de exploração por parte
da cooperativa, destinado a sustentar o seu arranque.
A quotização eleva-se a 1000 UM no ano 1, será aumentado em 1200 UM no ano 2. Contudo, a
política adoptada pela mutualidade é de manter a quotização a um nível inferior ao seu montante nor-
mal, pois os rendimentos dos seus aderentes são particularmente baixos.
Assim, ela organiza festas e outras actividades lucrativas, a fim de completar os seus recursos.
Os balanços e contas de resultados simplificados dos dois primeiros anos de funcionamento da mutua-
lidade (ano 1 e ano 2) apresentam-se assim: 
Parte VII • O controlo, o acompanhamento e a avaliação 235
21 O conteúdo deste capítulo é, em grande parte, extraído deste guia.
3.1 A análise da situação financeira pelos rácios
Um racio é uma relação entre dois dados por cifras. Para que ele possa interessar, deve
haver uma relação entre as duas grandezas escolhidas, o numerador e o denominador.
Um racio não tem sentido em termos absolutos, deve ser comparado com qualquer coisa.
São possíveis dois tipos de análise:
� a análise das tendências. Consiste em comparar os racios com diferentes datas, para
apreciar a evolução da situação financeira da mutualidade;
� a comparação dos racios de uma mutualidade com os de outras mutualidades.
Havendo falta de informação neste domínio, serão propostas aos avaliados “normas
padrão”, que permitirão caracterizar a situação da mutualidade.
O método dos racios no domínio financeiro permite uma análise sistemática da gestão e
da situação da mutualidade, quer seja num preciso momento ou no decurso de sucessivos
exercícios. Esta análise permite responder a três questões fundamentais:
� a mutualidade é solvente? Dito de outra forma, está à altura de fazer face aos seus com-
promissos? (solvabilidade da mutualidade);
� as quotizações permitem financiar a actividade? (financiamento da mutualidade);
� as quotizações são essencialmente utilizadas no pagamento das prestações? (“bom fun-
cionamento financeiro” da mutualidade).
Os racios completam a primeira informação relativa à viabilidade, que constitui o resultado
do exercício e a sua evolução ao longo do tempo. A interpretação dos racios é, contudo,
236 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
Conta de resultados exercícios 1 e 2
Balanço exercícios 1 e 2
delicada. Geralmente é preciso utilizar não só um único racio, mas um conjunto de racios
para caracterizar e interpretar uma situação financeira.
Uma mutualidade de saúde deve estar, constantemente à altura de
fazer face aos seus compromissos financeiros, nomeadamente, face
aos prestadores de cuidados.
Em caso contrário, a sua existência pode mesmo ser questionada, a
menos que tome, rapidamente, medidas excepcionais.
Três racios permitem medir a solvabilidade de uma mutualidade a
curto, médio e longo prazo:
✔ o racio de liquidez imediata;
✔ o racio de capitais próprios;
✔ o racio de cobertura dos encargos.
O racio de liquidez imediata 
O racio de liquidez imediata avalia a solvabilidade da mutualidade
a curto prazo comparando as disponibilidades, isto é, os depósitos
em caixa e no banco, com as dívidas exigíveis a curto prazo.
Depósitos em caixa + Depósitos em banco
Racio de liquidez imediata = 
Dívidas a curto prazo
Este racio permite, assim, saber se a mutualidade pode pagar a
tempo os seus fornecedores (principalmente os prestadores de cuida-
dos, no caso do sistema de terceiro pagador). Quanto mais elevado
for o racio, mais importante é a liquidez. Um racio superior a 1 é
considerado satisfatório.
Exemplo
Para os seus dois primeiros exercícios, os racios de liquidez da Mutualidade Saphir são:
� Ano 1: (24 470 + 52 680) / 53 000 =1,5;
� Ano 2: (18 490 + 164 660) / 68 500 = 2,7.
O racio de capitais próprios
O segundo racio indica a capacidade da mutualidade em honrar
as suas dívidas (a curto prazo e a longo prazo) sem recorrer ao
empréstimo. Compara todas as dívidas contraídas pela mutualidade
(as quais não são todas imediatamente exigíveis) com os seus capi-
tais próprios. Para ser considerada como solvente, uma mutualidade
deve ter um racio de capitais próprios superior a 100%.
Capitais próprios
Racio de capitais próprios = × 100
Dívidas
A solvabilidade
Parte VII • O controlo, o acompanhamento e a avaliação 237
Exemplo
Os racios de capitais próprios da Mutualidade Saphir nos anos 1 e 2 são os seguintes:
� Ano 1: 99 150 / 53 000 = 187%;
� Ano 2: (99150 + 125 500) / 68 500 = 328%.
O racio de cobertura dos encargos
Este racio, igualmente chamado taxa de reserva, é um terceiro indi-
cador da solvabilidade de uma mutualidade e, mais precisamente,
da sua autonomia financeira. Compara as reservas da mutualidade
com os seus encargos mensais em prestações de doença.
Este racio pode ser expresso em percentagem:
Reservas + Saldo do resultado
Racio de cobertura a transferir
dos encargos = × 100
Encargos com prestações doença 
ou em meses:
Reservas + Saldo do resultado
Racio de cobertura a transferir
dos encargos = × 12
Encargos com prestações doença 
O valor da taxa de reserva a atingir é geralmente fixado entre 50 e
75%, isto é, entre seis e nove meses de despesas em prestações de
doença. É aconselhado fixar-se uma taxa de nove meses em
período de crescimento, que pode, depois, ser limitado a seis
meses, quando a mutualidade atingiu o seu equilíbrio e um financia-

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.