A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
86 pág.
aula 4

Pré-visualização | Página 7 de 9

despesas correntes.
2) (FGV – 2017) Após vencer uma licitação para prestação de serviços de manutenção em
equipamentos de informática (computadores e empresas), uma empresa apresentou à entidade
pública uma nota fiscal dos serviços prestados nos primeiros dois meses de contrato. Após
confirmação do fiscal do contrato, o documento foi enviado ao setor de processamento de
despesa para conferência, etapa associada ao estágio do(a):
A alternativa "D " está correta.
A situação apresentada, em que uma empresa apresenta a nota fiscal (NF) dos serviços prestados
nos dois primeiros meses do contrato, mostra que o serviço foi prestado e o credor está
encaminhando o respectivo comprovante. Cabe à administração receber a NF e encaminhar para a
pessoa responsável, fiscal do contrato, a fim de proceder à conferência. De acordo com a lei, essa
situação trata do estágio da liquidação.
MÓDULO 3
 Descrever especificidades do orçamento público
REGIME ORÇAMENTÁRIO X REGIME
CONTÁBIL
Há dois critérios utilizados pela contabilidade para tratar do reconhecimento das receitas e despesas:
Regime de caixa

Regime de competência
No primeiro, o reconhecimento se dá quando entra o recurso no caixa (receitas) ou quanto sai do
recurso do caixa (despesas).
Já no segundo, os princípios fundamentais contábeis previstos são utilizados. A preocupação não é
com a entrada ou a saída de recursos, e sim com o momento da ocorrência do fato gerador (FG),
independentemente do seu recebimento ou pagamento. No caso da receita pública, o FG ocorre
quando há Variação Patrimonial Aumentativa (VPA). Nas despesas públicas, o FG ocorre quando há
Variação Patrimonial Diminutiva (VPD).
ENFOQUE ORÇAMENTÁRIO
A Lei nº 4.320/1964, em seu art. 35, trata do chamado Regime Orçamentário da Receita e da
Despesa Pública, a saber:
 
Imagem: Sergio Albuquerque Barata
 Classificação do Regime Orçamentário da Receita e da Despesa Pública
O art. 50, II, da LRF, estabelece que a escrituração das contas públicas observará, além de obedecer
às demais normas de contabilidade pública, que a despesa e a assunção de compromisso serão
registradas segundo o regime de competência, apurando-se, em caráter complementar, o resultado
dos fluxos financeiros pelo regime de caixa.
Desse modo, de acordo com a doutrina, a Lei nº 4.320/64 estabeleceu o regime orçamentário para as
receitas e despesas, sendo que as receitas são reconhecidas no momento da arrecadação
(contribuinte efetuando o pagamento ao agente arrecadador) enquanto as despesas são
reconhecidas no momento do empenho (comprometimento do crédito orçamentário). Portanto, regime
de caixa para as receitas e regime de competência para as despesas. Esse regime é considerado
Regime Misto. A LRF só ratifica o dispositivo da Lei nº 4.320/64.
 ATENÇÃO
O registro da despesa orçamentária é efetuado no estágio do empenho. Em outros termos, a despesa
que for empenhada em um determinado exercício financeiro pertencerá a esse exercício, mesmo que
seja paga no exercício seguinte. Alguns autores chamam o regime de competência da despesa
orçamentária de regime de “competência orçamentária” para as despesas.
O MCASP menciona também o registro da receita e da despesa orçamentária, a saber:
Registro da Receita Orçamentária – Ocorre no momento da arrecadação, conforme art. 35 da Lei nº
4.320/1964, e decorre do enfoque orçamentário dessa lei. Visa evitar que a execução das despesas
orçamentárias ultrapasse a arrecadação efetiva.
Procedimentos contábeis referentes à despesa orçamentária – A Lei nº 4.320/1964 estabelece a
vinculação da despesa orçamentária a determinado exercício financeiro:
“Art. 35. Pertencem ao exercício financeiro: [...]
II – as despesas nele legalmente empenhadas.
Observa-se que o ato da emissão do empenho, na ótica orçamentária, constitui a despesa
orçamentária e o passivo financeiro para fins de cálculo do superavit financeiro”.
Portanto, no setor público, o regime orçamentário reconhece a despesa orçamentária no exercício
financeiro da emissão do empenho e a receita orçamentária pela arrecadação, de acordo com a Lei nº
4.320/64.
ENFOQUE CONTÁBIL (PATRIMONIAL)
Entende-se que o conteúdo da Lei nº 4.320/1964 não é suficiente para a correta mensuração,
avaliação e o correto registro dos fatos contábeis do setor público, pois o esse deve obedecer aos
princípios fundamentais de contabilidade.
Por isso, aplica-se o regime da competência em sua totalidade.
Em outras palavras, efeitos das transações e outros eventos sobre o patrimônio são reconhecidos
quando ocorrem, independentemente de recebimento ou pagamento.
Para fins de registro dos efeitos no patrimônio público, não importa quando a receita é arrecadada e a
despesa é empenhada. O que importa é o momento em que ocorre o FG que dá origem ao direito, no
caso das receitas, ou à obrigação, no caso das despesas. Logo, não há exigência de que as
despesas orçamentárias sejam empenhadas ou que as receitas orçamentárias sejam efetivamente
arrecadadas para que haja o devido reconhecimento sob o ponto de vista patrimonial.
Com fins de evidenciar o impacto no patrimônio público, deve ocorrer o registro da VPD (para as
despesas) ou VPA (para as receitas) em razão do momento do fato gerador e de sua consequência
para o patrimônio.
No caso das receitas, essas são reconhecidas no momento em que ocorre o FG, que pode ser antes,
durante ou depois da arrecadação, dependendo da análise de cada fato.
 EXEMPLO
Caso de reconhecimento da receita antes de sua arrecadação: Veja o lançamento do Imposto
sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), no âmbito da administração tributária.
Normalmente, a legislação tributária do ente estabelece que o FG desse tributo ocorra no dia 1º de
janeiro de cada ano.
De acordo com o MCASP, no dia 1º de janeiro, o ente público reconhecerá seu direito, contabilizando
um aumento no ativo e um aumento no patrimônio (VPA).
Observe que a arrecadação somente será realizada em um momento posterior, quando o contribuinte
efetuar o pagamento, dentro do vencimento.
Em relação às despesas, essas são reconhecidas no momento em que ocorre o FG, que pode ser
antes, durante ou depois da liquidação (a contabilidade pública entende que é nesse estágio que
ocorre o FG).
 
Imagem: Shutterstock.com
 EXEMPLO
Caso de reconhecimento da despesa antes da sua liquidação: O 13º salário em janeiro a ser
liquidado e pago em dezembro. De acordo com o MCASP, no mês de janeiro, o ente público
reconhecerá a parcela (1/12) de sua obrigação, contabilizando um aumento no passivo e uma
diminuição no patrimônio (VPD). Observe que o empenho, a liquidação e o pagamento serão
realizados somente em um momento posterior.
De acordo com o MCASP, a contabilidade aplicada ao setor público deve evidenciar as variações
patrimoniais, sejam independentes sejam resultantes da execução orçamentária, conforme previsto
na Lei nº 4.320/1964.
Portanto, com o objetivo de evidenciar o impacto no patrimônio, deve haver o registro da variação
patrimonial diminutiva (VPD) ou aumentativa (VPA) em razão do fato gerador e de sua consequência
para o patrimônio.
Observe o quadro demonstrativo dos enfoques orçamentário e patrimonial (contábil), extraído do
MCASP:
Registros Contábeis – Contabilidade Aplicada ao Setor Público
Contas de Natureza de Informação
Orçamentária
Contas de Natureza de Informação
Patrimonial
Evento Critério
Base
Normativa
Evento Critério
Base
Normativa
Receita
Orçamentária
Arrecadação
Lei nº
4.320/64
Art. 35
Variação
Patrimonial
Aumentativa
Competência
NBC TSP
– Estrutura
Conceitual
Despesa
Orçamentária
Empenho
Lei nº
4.320/64
Art. 35
Variação
Patrimonial
Diminutiva
Competência
NBC TSP
– Estrutura
Conceitual
 Atenção! Para visualização completa da tabela utilize a rolagem horizontal
Quadro demonstrativo dos enfoques orçamentário e patrimonial (contábil).
Extraído de: Brasil. Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 8ª.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.