31. Aula de TÉTANO-UFSM

31. Aula de TÉTANO-UFSM


DisciplinaInfectologia1.010 materiais6.819 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Clique para editar o estilo do título mestre
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre
*
*
*
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
CURSO DE MEDICINA
DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECCIOSAS
TÉTANO
*
*
*
TÉTANO
\u201cÉ uma doença infecciosa não contagiosa na qual se manifestam espasmos musculares, localizados ou generalizados, provocados por uma toxina produzida pelo agente causal, Clostridium tetani.\u201d
*
*
*
TÉTANO
1- Etiologia
Clostridium tetani: - bacilo gram-positivo
 - esporulado (permanece viável por anos)
			 - em tecidos normais, é fagocitado pelos macrófagos, mas os esporos podem sobreviver nos tecidos por períodos variáveis de um a 3,5 meses.
 - anaeróbio estrito	
 - Toxina (Tétanospasmina)
 Presente em: -excrementos humanos/animais
 - Líqs. contaminados e putrefatos
 - Predileção solos § fertilizados
 § contaminados
*
*
*
TÉTANO
Toxina : TETANOSPASMINA
 Protease sérica
 Rompe ponte Dissulfídica
2 cadeias
Longa : penetração à célula nervosa
Curta: Atividade neurotóxica
http://www.biotox.cz/toxikon/bakterie
*
*
*
TÉTANO
TETANOSPASMINA
 Junção neuro-muscular Ligação 
						irreversível 
 Sistema Autonômico 						 SYNAPTOBREVINA 
 Neurônios inibitórios SNC
 		Não fusão de vesícula 				(Neurotransmissores)
 Membrana Pré Sináptica
 
*
*
*
*
*
*
TÉTANO
 Infecção relacionada a contaminação:
	- Feridas penetrantes;
	- Fraturas expostas;
	- Ferimentos por arma branca;
	- Ferimentos por fogos de artifício;
	- Feridas cirúrgicas;
	- Queimaduras;
	- Infecções parenterais (viciados);
	- Cordão Umbilical (Recém-nascido).
*
*
*
TÉTANO
 \u201cPara o crescimento do germe e a produção de toxina, são necessários tecidos necróticos e infecção piogênica associada.\u201d
<Atenção!>
	 A mera exposição aos esporos do germe não é suficiente para causar a infecção.
 Toxina \uf096 músculos + terminações nervosas motoras + M. Espinhal \uf096 sintomas.
 P. de Incubação: 5-10dias (pode ser de hs).
*
*
*
TÉTANO
2- Incidência
	- Cosmopolita;
	- Dentre 1000 casos tétano / ano:
		§ 30-60% de infectados morrem;
		§ 60-70% das cças c/ Mal de 7 dias falecem.
3- Patologia
	\u201cNão existem alterações patológicas no SNC e também no SNP.\u201d
*
*
*
Tétano \u2013 Epidemiologia
 Distribuição universal:
países desenvolvidos: 
pouco freqüente 
população sistematicamente vacinada com o toxóide tetânico;
países não desenvolvidos:
ocorre com altos índices de morbidade e mortalidade;
qualquer raça;
qualquer sexo;
qualquer idade.
*
*
*
Tétano \u2013 Epidemiologia
 Mais freqüente:
no sexo masculino, em qualquer idade 
RS: mulheres acima de 60 anos;
zona rural: peões de fazendas, tratadores de animais;
Jardineiros, soldados;
baixo nível sócio-cultural;
drogaditos injetáveis (principalmente nas injeções subcutâneas de heroína), associados a quadros mais graves.
*
*
*
Tétano \u2013 Epidemiologia
 Idade: 
países em desenvolvimento: 
crianças e adultos jovens,
países desenvolvidos: 
idosos 
Brasil: 
Em 1999 inicia campanha de vacinação de idosos.
 Sazonalidade:
nos países tropicais: 
qualquer época;
regiões com climas frios ou temperados:
maior freqüência na primavera e verão, maior exposição a traumas.
*
*
*
Tétano \u2013 Epidemiologia
 Dados atuais: 
países em desenvolvimento: letalidade
Idosos e menores de cinco anos: \uf0b3 30%,
países desenvolvidos: letalidade
Idosos: 17% e menores de 5 anos: 10%,
Evolução: Brasil
Em 1982, 2.226/100.000 \uf0e8 1,8/100.000 em 2000;
Região Norte: de 3,2 para 0,57/100.000
Região Sudeste: de 1,0 para 0,01/100.000
Idades: Brasil
Atualmente: dos 20 \u2013 49 anos: 46,2%, \uf0b3 50 anos: 35,3%
Região Norte e Nordeste: principalmente \uf0a3 15 anos
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
TÉTANO
4- Quadro Clínico
	4.1) Tétano Local
		-Rigidez ou espasmos dos mm da região do ferimento;
		- Raras vezes percebido pelo paciente.
	4.2) Sintomas Prodrômicos
		- Irritabilidade;
		- Dores nas costas e membros;
 - Dor ou parestesia (formigamento) do local da lesão;
Trismo (contratura do m. masseter) e/ou
Disfagia pelo aumento da tonicidade da musculatura estriada do faringe,
*
*
*
TÉTANO
4.3) Contratura Permanente (Rigidez Muscular)
	- Trismo \u2013 Riso Sardônico;
	- Abdome em tábua;
	- Opistótono;
	- Rigidez de Nuca.
OBS: Acomete grupos musculares isolados (localizado) ou se manifesta com hipertonia generalizada (Formas altas ou baixas)
*
*
*
Tétano \u2013 Quadro Clínico
Trismo e riso sardônico:
*
*
*
TÉTANO
4.4) Espasmos Paroxísticos (convulsões)
	Quadro que se manifesta por exacerbações paroxísticas da hipertonia, determinado por
 estímulos sonoros, luminosos, manejo do paciente, micção, etc.
OBS: Atentar p/ um possível quadro de asfixia c/ parada respiratória.
*
*
*
TÉTANO
Acme (sintomas do período de estado):
progressiva hipertonia da musculatura estriada:
rigidez de nuca, paravertebral (opistótono), torácica, abdominal, membros e face,
contratura da mímica facial: 
riso sardônico por repuxamento da comissura labial,
acentuação das dobras naturais e 
diminuição da fenda palpebral,
contratura dos músculos estriados do faringe:
disfagia ou até espasmo de glote levando à asfixia,
hipertonias paroxísticas localizadas ou generalizadas,
*
*
*
*
*
*
TÉTANO NEONATAL
5- Tétano Umbilical ou Mal dos Sete dias
	Causado pela contaminação do coto umbilical por esporos do bacilo, presentes em:
		* Instrumentos contaminados \uf0e0
 secção do cordão umbilical
		* Substâncias usadas p/ cobrir o C.Umb.:
			\uf0a7 Teia de Aranha;
			\uf0a7 Pó de café;
			\uf0a7 Fumo;
			\uf0a7 Esterco.
*
*
*
TÉTANO NEONATAL
Classificação 
quanto ao foco:
tétano umbilical ou neonatal: 
ligadura do cordão umbilical em condições sépticas.
tétano não-umbilical ou acidental: 
traumático, 
dentário, 
ginecológico, etc.
*
*
*
TÉTANO NEONATAL
OBSERVAÇÃO
	Esta variante de tétano está praticamente eliminada em países ricos, todavia, nos países em desenvolvimento é um importante problema de saúde pública. Atenta-se p/ o fato de que: 
		- 50% mortes neonatais;
		- 25% da mortalidade infantil.
*
*
*
TÉTANO NEONATAL
 Quadro Clínico
	- Início: 5-13 dias (após contaminação do c.umbilical);
	- Dificuldade do RN em pegar o seio, c/ prejuízo no Reflexo de Sucção;
	- Trismo;
	- Disfagia;
	- MMII em hiperextensão e MMSS em hiperflexão;
	- Mãos em flexão forçada;
	- Opistótono intenso;
	- Pode desenvolver riso sardônico.
*
*
*
*
*
*
TÉTANO\u2013 Quadro Clínico
Classificação 
Localização da hipertonia:
Localizado: 
atinge alguns músculos ou grupamentos musculares: 
ex.: Tétano monoplégico ou paraplégico,
Generalizado: 
mais freqüente,
Cefálico: 
ocorre quando a lesão é na cabeça ou pescoço, 
forma muito grave, com mau prognóstico, 
usualmente comprometendo o sétimo par craniano.
*
*
*
TÉTANO
6- Tétano Localizado
Hipertonia\uf0e2 determinado grupo muscular; ou
		 \uf0e2 pequenos grupos musc. vizinhos.
6.1) Forma Monoplégica ou Paraplégica
	- Restrita à musculatura lombo-sacra.
6.2) Formas Cefálicas
	\uf026 Bulboparalítico ou Oftalmoplégico de Worms (1905) \u2013 variante do Cefálico de Rose mais oftalmoplegia.
*
*
*
TÉTANO
\uf026 Cefálico de Rose (1872)
	- Conseqüência de um ferimento no segmento cefálico, caracterizado por:
\u2022 Paralisia Facial do mesmo lado do foco e às vezes bilateral;
\u2022 Trismo;
\u2022 Disfagia;
\u2022 Hipertonia da Mímica;
\u2022 Espasmos da glote e faringe \uf0de asfixia;
\u2022 Morte.
*
*
*
TÉTANO\u2013 Quadro Clínico
Classificação 
Gravidade:
Benigno: 
leve
grupo I
Grave: 
grupo II
Gravíssimo: 
Altíssima letalidade.
*
*
*
TÉTANO\u2013 Quadro Clínico
Benigno: 
período de incubação: 
maior que sete dias (habitualmente maior que 14 dias), 
período de progressão: 
maior que 48 h se houver (em geral superior a 6 dias), 
sem disfagia, ingesta dificultada pelo trismo;
hipertonia muscular:
pequena, com dinâmica respiratória conservada,