DESTILA

Disciplina:Refino de Petróleo90 materiais371 seguidores
Pré-visualização1 página
Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

 Geralmente uma refinaria apresenta o seguinte Esquema simplificado de Refino, que será abordado a seguir:
6. REFINO DE PETRÓLEO
 Para que os derivados possam ser obtidos, é necessário o processamento do petróleo. A este processamento (em suas inúmeras atividades), chamamos: Refino.
 Os processos de refino são classificados em:

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO

• Destilação Atmosférica e à Vácuo;
• Desasfaltação a Propano;
• Desaromatização a Furfural, Desparafinação a
Solvente, Extração de Aromáticos, Adsorção de
n-parafinas.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

B. PROCESSOS DE CONVERSÃO

• Viscorredução;
• Craqueamento Térmico;
• Coqueamento Retardado;
• Craqueamento Catalítico;
• Hidrocraqueamento;
• Reforma Catalítica;
• Isomerização e Alquilação Catalítica.
C. PROCESSOS DE TRATAMENTO

• Dessalgação Eletrostática;
• Tratamento Cáustico;
• Tratamento Merox;
• Tratamento Bender;
• Tratamento Dea / Mea;
• Hidrotratamento.
D. PROCESSOS AUXILIARES

• Geração de Hidrogênio;
• Recuperação de Enxofre;
• Utilidades - Off. Sites.
* Energia Elétrica, Vapor d’água, 	Condicionamento de Água;
* Ar Comprimido, Tratamento de Efluentes;
* Estocagem.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

Por ser o processo inicial em qualquer refinaria de petróleo, começaremos nosso estudo pela Destilação. Vamos conhecer sua origem:
 No início da utilização do petróleo na iluminação, notou-se que na sua queima eram emitidos gases tóxicos e muita fuligem. Na iluminação pública, esse problema não era tão importante, mas na iluminação doméstica (ambientes fechados) isso era problemático;
 Sabendo-se que o petróleo era composto por várias substâncias, tentou-se submete-lo a uma separação para obter uma mistura que gerasse menos gases tóxicos e poluentes; essa mistura levou o nome de Querosene;
Daí teve início a Destilação do Petróleo.
DESTILAÇÃO
 Fundamental em qualquer refinaria de petróleo, a Destilação é o primeiro processo do refino e o único que tem como entrada o petróleo;
 Dependendo do tipo do petróleo, a Unidade de Destilação gera produtos finais e outros (intermediários) que servirão como cargas, ou serão misturados com produtos de outros processos em tanques ou em linha (isto é, nos dutos);
 Assim, todos os processos na refinaria dependem, direta ou indiretamente, de alguma saída da Destilação. Por isso, essa Unidade sempre está presente numa refinaria de petróleo.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

Mas, afinal, o que é Destilar?
 Destilar é fornecer calor a uma mistura fluida, para gerar vapores e líquidos de composições diferentes entre si e da mistura original;
A destilação é um método de separação extensamente estudado - os primeiros estudos científicos documentados surgiram ainda antes da Idade Média, por volta do ano 800, com o alquimista Jabir Ibn Havvan (Geber). Foi ele, inclusive, quem inventou o alambique, que é um aparato usado até hoje para fazer destilações de bebidas alcoólicas.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

Destilação fracionada
Neste método de destilação, usa-se um balão de destilação (ou alambique, ou refervedor, dependendo da escala de produção), uma coluna de coluna de destilação, quando em indústria, um condensador e um receptor.
Aqui, a coluna é peça-chave. Como na destilação flash, a mistura a ser purificada é colocada no balão de destilação, que é aquecido. Surge então um vapor quente. Ele sobe pela coluna, mas vai se resfriando ao longo dela e acaba por condensar-se. Com a condensação, forma-se um líquido, que escorre para baixo pela coluna, em direção à fonte de calor. Vapores sobem continuamente pela coluna e acabam por encontrar-se com o líquido que escorria; parte desse líquido rouba o calor do vapor ascendente e torna a vaporizar-se. A uma certa altura um pouco acima da condensação anterior, o vapor torna a condensar-se e escorrer para baixo. Este ciclo de vaporização e condensação ocorre repetidas vezes ao longo de todo o comprimento da coluna.
Os vários obstáculos instalados na coluna forçam o contato entre o vapor quente ascendente e o líquido condensado descendente. A intenção desses obstáculos é promover várias etapas de vaporização e condensação da matéria. Isto nada mais é do que uma simulação de sucessivas destilações flash. Quanto maior a quantidade de estágios de vaporização-condensação e quanto maior a área de contato entre o líquido e o vapor no interior da coluna, mais completa é a separação e mais purificada é a matéria final.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

 A Unidade de Destilação aquece o petróleo para separá-lo em um certo número de frações, através de um processo físico, sem envolver reações químicas; Uma Fração (ou Corte) do petróleo é ainda uma mistura de hidrocarbonetos e contaminantes, com a predominância de um grupo de substâncias cujas moléculas são

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

Carga de óleo cru (após dessalgação)
Detalhe do funcionamento da torre de destilação:

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

 Uma Fração (ou Corte) do petróleo é ainda uma mistura de hidrocarbonetos e contaminantes, com a predominância de um grupo de substâncias cujas moléculas são “parecidas” entre si.
Podemos concluir, que a Destilação do petróleo não pretende obter produtos puros e diferentes entre si. Os produtos da Unidade de Destilação são Frações, misturas ainda complexas de hidrocarbonetos e contaminantes, diferenciadas por suas faixas de ebulição.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

 Derivados Diretos da Destilação
* Gás Combustível: Normalmente é produto final, queimado em fornos e caldeiras na própria refinaria;
GLP: Pode ser produto final, armazenado em esferas ou produto intermediário, indo para unidade de tratamento cáustico;

* Naftas: Podem ser produtos finais, armazenados em tanques (como nafta, gasolina ou solvente) ou produtos intermediários, indo para unidade de tratamento cáustico, ou ainda como carga para a unidade de reforma catalítica (para gerar gasolina de melhor qualidade);

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

* Querosene: Pode ser produto final, tanto como querosene de aviação ou de iluminação ou produto intermediário, indo para unidade de HDT. Após essa unidade pode maximizar a produção de óleo Diesel ou acertar a viscosidade do óleo combustível;

Gasóleos Atmosféricos: Podem ser produtos finais, indo como óleo Diesel armazenado em tanque ou produtos intermediários, alinhados para uma unidade de HDT e, depois como óleo Diesel para armazenamento;

* Gasóleos de vácuo: Sempre são produtos intermediários que, dependendo do esquema de refino (para produção de combustíveis ou lubrificantes), serão carga da unidade de craqueamento catalítico (U-CC) ou formarão cortes lubrificantes;

Resíduo de Vácuo: Pode ser produto final, utilizado como asfalto ou como óleo combustível, depois de diluído com correntes de menor viscosidade. Como produto intermediário pode ser enviado para a unidade de coque e/ou a unidade de desasfaltação a solvente.

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva

 Destinos dos Derivados Diretos da Destilação:
HDT = Hidrotratamento e U-CC = Unidade de craqueamento catalítico

Refino de Petróleo
Prof.: José Silva