PARTE 1 - AULA 2 -
29 pág.

PARTE 1 - AULA 2 -

Disciplina:A Indústria do Petróleo e Gás130 materiais1.233 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Curso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás - TEQ/UFF Curso de Petroquímica – Parte 1 / Profa. Rosenir1

Aula 2
Principais matérias-primas
da indústria petroquímica

Parte 1 – CARACTERIZAÇÃO DA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

2

Cadeia de transformação dos principais
produtos petroquímicos

MATÉRIAS-PRIMAS

INDÚSTRIAS DE 1a GERAÇÃO

INDÚSTRIAS DE 2a GERAÇÃO

INDÚSTRIAS DE 3a GERAÇÃO

PRODUTOS BÁSICOS (Metanol, Gás de
Síntese, Amônia, Olefinas e aromáticos)

PRODUTOS INTERMEDIÁRIOS E FINAIS

GERALMENTE FICAM
LOCALIZADAS NO PÓLO

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

3

Matérias-primas

 O etano é a matéria-prima que proporciona os
menores custos de processamento. É obtido do gás
natural, variando de 1% a 10% do teor total (isto é,
uma quantidade bem reduzida). As desvantagens
são que o etano só gera eteno, não gera outras
olefinas, nem aromáticos e além disso, há dificuldade
de transporte a partir dos campos de gás natural.

 A nafta média é mais usada na Europa e Japão.

 O uso da nafta e do gasóleo requerem unidades
downstreams, pólos de maior porte, maior
investimento e maior complexidade, mas geram
outros produtos além do eteno.

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

4

CARGAS LÍQUIDAS

⇒ Nafta “Full range”: Nafta DD obtida da
Destilação 30 -180oC;

⇒ Nafta “Virgem” ou “Straight Run”(SR):
Leve, Média e Pesada: destinadas ao
processamento petroquímico (C5-185oC);

⇒ LGN´s: GLP, outras frações pesadas vindas
do Processamento GN (Gasolina Natural);

⇒ Rafinado BTX;

⇒ Gasóleos (Atmosférico e Vácuo);

⇒ Frações do Processamento Condensados
Pesados.

CARGAS GASOSAS

⇒ Etano;

⇒ Propano;

⇒ Mix Etano+Propano;

⇒ Gás de Refinaria.

MP’s PETROQUÍMICAS
Cargas Líquidas x Gasosas

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

5

Principais matérias-primas

Produtos
Básicos

Matérias-Primas

Etano Propano Butano Nafta média Gasóleoatmosférico

Eteno
Propeno
Butadieno
Benzeno
Tolueno
Xileno
Outros

77,8
2,8
1,9
0,9
0,1
-

16,5

42,0
16,8
3,0
2,5
0,5
-

35,2

40,0
17,3
3,5
3,0
0,8
0,4

35,0

33,6
15,6
4,5
6,7
3,4
1,8
34,4

26,0
16,1
4,5
6,0
2,9
2,2

42,3

Tabela 1 – Valores típicos – Influência da Matéria-prima no
rendimento em produtos básicos (%peso)

Fonte: ABIQUIM
Rendimento do petróleo

oAPI
Árabe leve

(34oAPI) (%)
Petróleo Marlim
(19,3oAPI) (%)

GLP
Nafta
Diesel + querosene
Gasóleo
Resíduo de vácuo

2
20
40
20
18

0,5
7,5
30
22
40

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

6

Petróleo / PlásticosPETRÓLEO / PLÁSTICOS

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

7

Matéria-prima – Gás Natural
 Pode ocorrer:

 Associado ou úmido (62-85% de metano) – constituem as maiores
reservas do mundo;

 Não associado, chamado de seco (até 95% de metano);

 Aplicações:
 94% como combustível (base para a Indústria da ENERGIA)
 6% na Indústria Petroquímica (70% NH3, 18% MeOH e 12% outros)

 O gás natural possui vários constituintes:
 Metano (CH4);
 Etano (C2H6);
 Propano (C3H8);
 Úmido (hidrocarbonetos C1 a C7)
 N2; CO2;
 H2S, etc.

 Desses componentes:
 Metano → Produção do Gás de Síntese e do metanol (BÁSICO)
 Etano → Produção do etileno (C2H4) – PRODUTO BÁSICO
 Propano + Butano → GLP → PRODUÇÃO DE OLEFINAS (BÁSICO)

Matérias-primas p/
Petroquímica

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

8

Líquido de Gás Natural - LNG

A América do Norte é responsável por cerca de 50% da
produção mundial de LNG (Gás Natural Líquido) e o
Oriente médio por cerca de 20%.

 A composição dos LNG variam com a origem do
campo;

 Principais frações:
Etano
Propano
N-Butano
Isobutanos
Pentanos

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

9

Óleo e Gás Natural
Refino e Processamento de Gás Natural (PGN)

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

10

ESQUEMA GERAL DO PROCESSAMENTO DE GÁS
NATURAL

Campo
de gás

GLP (C3+C4)

Gás seco
(C1+C2)

Gasolina natural (C5+)

Planta de
gasolina natural

Campo de
petróleo

Vaso
separador

Petróleo

Condensado (C5+)

GLP

Gás de-etanizado
(C1)

Etano
PGN c/
deetanização

Gás não associado

Gás associado

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

11

Gás Natural – Brasil

VENDAS GÁS NATURAL POR UTILIZAÇÃO
2003

Petroquímico
2%

Térmico 12%

Automotivo 7%

Combustível
76%

Residencial 2%

Redutor
Siderúrgico 1%

Total de Vendas Mercado Interno: 10.250 milhões m3/ano

DEMANDA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL
•Importação de Gás Natural boliviano: 25 MM m3/d (dados de 2008)
•Produção nacional de Gás Natural: 44 MM m3/d (Petrobrás só disponibiliza para o mercado:
24 a 25 MM m3/d e o restante utilizado pela própria) – dados de 2008
•Consumo de Gás Natural em julho 2008: 50,4 MM m3/d (Estimativa p/ 2010 é 77,6 MM m3/d)
•Reservas totais brasileiras em 2004: 498 bilhões de m3 (provadas em 2006: foram de 347,9
bilhões m3)
•Reservas Mundiais em 2004: 179,5 trilhões de m3

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

12

Gás Natural Mercado Internacional

A América do Norte é responsável por cerca de 50% da produção mundial de LNG (Gás
Natural Lïquido) e o Oriente médio por cerca de 20%.

Nos USA, o GN é responsável por 25% suprimento energético.

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

13

Matéria-prima - Metano
Fo

nte
: In

dú
str

ias
 de

 P
ro

ce
ss

os
 Q

uím
ico

s –
No

rri
s S

hr
ev

e

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

14

Matéria-prima - Etano

ETANO

Fonte: Indústrias de Processos Químicos – Norris Shreve

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

15

Matérias-primas – Nafta e Gasóleo
Nafta petroquímica
 Obtida do corte da destilação atmosférica do petróleo (Nafta DD)
 Principal matéria-prima usada atualmente

 Brasil: 85%
 Mundo: 54%

Nafta:
 por reformação catalítica produz-se aromáticos
 por craqueamento produz-se olefinas e aromáticos
 por reforma com vapor produz-se gás de síntese e H2

Gasóleo:

craqueamento severo produz-se olefinas

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química / UFF

16

Nafta para produção de eteno
 A demanda atual total da nafta é de 10,2 milhões de

toneladas (2006);

 A oferta atual doméstica de nafta está limitada a
aproximadamente 60% da demanda, isto é, 6,5
milhões de toneladas e a importação é da ordem de
3,6 milhões de toneladas (dados de maio de 2006);

 Há possibilidade de aumento da oferta da nafta
petroquímica em 3,1 milhões de toneladas pela
Petrobrás

 PQU consome 100% da nafta brasileira
 Braskem importa em torno de 30-40% da nafta
 Copesul importa 50-60% da nafta

Curso de Petroquímica – Parte 1/ Profa. RosenirCurso de Especialização em Engenharia de Petróleo e Gás – Dept. de Eng.
Química