Constituiçao comentada - STF
1879 pág.

Constituiçao comentada - STF


DisciplinaDireito Constitucional I69.718 materiais1.607.580 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de iniciativa ou afronta ao princípio da harmonia entre os
Poderes [art. 2º da CB]." (ADI 603, Rel. Min. Eros Grau, julgamento em 17-8-2006, Plenário, Primeira Turma, DJ de 6-
10-2006.)
 
"Revela-se inconstitucional, porque ofensivo aos postulados da Federação e da separação de poderes, o diploma legislativo
estadual, que, ao estabelecer vinculação subordinante do Estado-membro, para efeito de reajuste da remuneração do seu
funcionalismo, torna impositiva, no plano local, a aplicação automática de índices de atualização monetária editados,
mediante regras de caráter heterônomo, pela União Federal. Precedentes." (AO 366, Rel. Min. Celso de Mello,
julgamento em 22-4-1997, Primeira Turma, DJ de 8-9-2006.) No mesmo sentido: ADI 285, Rel. Min. Cármen Lúcia,
julgamento em 4-2-2010, Plenário, DJE de 28-5-2010.
 
"A reserva de lei constitui postulado revestido de função excludente, de caráter negativo, pois veda, nas matérias a ela
sujeitas, quaisquer intervenções normativas, a título primário, de órgãos estatais não legislativos. Essa cláusula
constitucional, por sua vez, projeta-se em uma dimensão positiva, eis que a sua incidência reforça o princípio, que, fundado
na autoridade da Constituição, impõe, à administração e à jurisdição, a necessária submissão aos comandos estatais
emanados, exclusivamente, do legislador. Não cabe, ao Poder Judiciário, em tema regido pelo postulado constitucional da
reserva de lei, atuar na anômala condição de legislador positivo (RTJ 126/48 \u2013 RTJ 143/57 \u2013 RTJ 146/461-462 \u2013 RTJ
153/765, v.g.), para, em assim agindo, proceder à imposição de seus próprios critérios, afastando, desse modo, os fatores
que, no âmbito de nosso sistema constitucional, só podem ser legitimamente definidos pelo Parlamento. É que, se tal fosse
possível, o Poder Judiciário \u2013 que não dispõe de função legislativa \u2013 passaria a desempenhar atribuição que lhe é
institucionalmente estranha (a de legislador positivo), usurpando, desse modo, no contexto de um sistema de poderes
essencialmente limitados, competência que não lhe pertence, com evidente transgressão ao princípio constitucional da
separação de poderes." (MS 22.690, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 17-4-1997, Plenário, DJ de 7-12-2006.)
Vide: MI 708, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgamento em 25-10-2007, Plenário, DJE de 31-10-2008.
 
"Os dispositivos impugnados contemplam a possibilidade de a Assembleia Legislativa capixaba convocar o presidente do
Tribunal de Justiça para prestar, pessoalmente, informações sobre assunto previamente determinado, importando crime de
responsabilidade a ausência injustificada desse chefe de Poder. Ao fazê-lo, porém, o art. 57 da Constituição capixaba não
seguiu o paradigma da CF, extrapolando as fronteiras do esquema de freios e contrapesos \u2013 cuja aplicabilidade é sempre
estrita ou materialmente inelástica \u2013 e maculando o princípio da separação de poderes. Ação julgada parcialmente
procedente para declarar a inconstitucionalidade da expressão \u2018Presidente do Tribunal de Justiça\u2019, inserta no § 2º e no
caput do art. 57 da Constituição do Estado do Espírito Santo." (ADI 2.911, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em 10-8-
2006, Plenário, DJ de 2-2-2007.)
 
"O acerto ou desacerto da concessão de liminar em mandado de segurança, por traduzir ato jurisdicional, não pode ser
examinado no âmbito do Legislativo, diante do princípio da separação de poderes. O próprio Regimento Interno do Senado
não admite CPI sobre matéria pertinente às atribuições do Poder Judiciário (art. 146, II)." (HC 86.581, Rel. Min. Ellen
Constituição e o Supremo - Versão Completa :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp[19/12/2012 16:05:36]
Gracie, julgamento em 23-2-2006, Plenário, DJ de 19-5-2006.)
 
\u201cEmbora resida, primariamente, nos Poderes Legislativo e Executivo, a prerrogativa de formular e executar políticas
públicas, revela-se possível, no entanto, ao Poder Judiciário, determinar, ainda que em bases excepcionais, especialmente
nas hipóteses de políticas públicas definidas pela própria Constituição, sejam estas implementadas pelos órgãos estatais
inadimplentes, cuja omissão \u2013 por importar em descumprimento dos encargos político-jurídicos que sobre eles incidem em
caráter mandatório \u2013 mostra-se apta a comprometer a eficácia e a integridade de direitos sociais e culturais impregnados
de estatura constitucional. A questão pertinente à \u2018reserva do possível\u2019." (RE 436.996-AgR, Rel. Min. Celso de Mello,
julgamento em 22-11-05, Segunda Turma, DJ de 3-2-2006.) No mesmo sentido: RE 582.825, Rel. Min. Ayres
Britto, decisão monocrática, julgamento em 22-3-2012, DJE de 17-4-2012; RE 464.143-AgR, Rel. Min. Ellen Gracie,
julgamento em 15-12-2009, Segunda Turma, DJE de 19-2-2010; RE 595.595-AgR, Rel. Min. Eros Grau, julgamento
em 28-4-2009, Segunda Turma, DJE de 29-5-2009.
 
\u201cAção cível originária. Mandado de segurança. Quebra de sigilo de dados bancários determinada por CPI de Assembleia
Legislativa. Recusa de seu cumprimento pelo Banco Central do Brasil. LC 105/2001. Potencial conflito federativo (cf. ACO
730-QO). Federação. Inteligência. Observância obrigatória, pelos Estados-membros, de aspectos fundamentais decorrentes
do princípio da separação de poderes previsto na CF de 1988. Função fiscalizadora exercida pelo Poder Legislativo.
Mecanismo essencial do sistema de checks-and-counterchecks adotado pela CF de 1988. Vedação da utilização desse
mecanismo de controle pelos órgãos legislativos dos Estados-membros. Impossibilidade. Violação do equilíbrio federativo e
da separação de poderes. Poderes de CPI estadual: ainda que seja omissa a LC 105/2001, podem essas comissões
estaduais requerer quebra de sigilo de dados bancários, com base no art. 58, § 3º, da Constituição.\u201d (ACO 730, Rel. Min.
Joaquim Barbosa, julgamento em 22-9-2004, Plenário, DJ de 11-11-2005.)
 
"Os atos administrativos que envolvem a aplicação de \u2018conceitos indeterminados\u2019 estão sujeitos ao exame e controle do
Poder Judiciário. O controle jurisdicional pode e deve incidir sobre os elementos do ato, à luz dos princípios que regem a
atuação da administração. (...) A capitulação do ilícito administrativo não pode ser aberta a ponto de impossibilitar o direito
de defesa." (RMS 24.699, Rel. Min. Eros Grau, julgamento em 30-11-2004, Primeira Turma, DJ de 1º-7-2005.)
 
\u201cIPI \u2013 Açúcar de Cana \u2013 Lei 8.393/1991 (art. 2º) \u2013 Isenção fiscal \u2013 Critério espacial \u2013 Aplicabilidade \u2013 Exclusão de
benefício \u2013 Alegada ofensa ao princípio da isonomia \u2013 Inocorrência \u2013 Norma legal destituída de conteúdo arbitrário \u2013
Atuação do judiciário como legislador positivo \u2013 Inadmissibilidade \u2013 Recurso improvido. (...) A exigência constitucional de lei
em sentido formal para a veiculação ordinária de isenções tributárias impede que o Judiciário estenda semelhante benefício
a quem, por razões impregnadas de legitimidade jurídica, não foi contemplado com esse \u2018favor legis\u2019. A extensão dos
benefícios isencionais, por via jurisdicional, encontra limitação absoluta no dogma da separação de poderes. Os
magistrados e Tribunais, que não dispõem de função legislativa \u2013 considerado o princípio da divisão funcional do poder \u2013,
não podem conceder, ainda que sob fundamento de isonomia, isenção tributária em favor daqueles a quem o legislador,
com apoio em critérios impessoais, racionais e objetivos, não quis contemplar com a vantagem desse benefício de ordem
legal. Entendimento diverso, que reconhecesse aos magistrados essa anômala função jurídica, equivaleria, em última
análise, a converter o Poder Judiciário em inadmissível legislador positivo, condição institucional que lhe recusa a própria
Lei Fundamental do Estado. Em tema de controle de constitucionalidade de atos estatais, o Poder Judiciário só deve atuar
como legislador negativo. Precedentes.\u201d (AI 360.461-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 6-12-2005,
Segunda Turma, DJE de 28-3-2008.)