Buscar

UN7 - Parada Respiratória e Cardíaca

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Parada Respiratória
e Cardíaca
Apostila APH – Atendimento Pré-Hospitalar 
Parada Respiratória e Parada Cardíaca 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sumário 
Introdução ............................................................................................................................ 4 
Sobre a apostila ............................................................................................................... 4 
Licenças desta obra ........................................................................................................ 4 
Parada Respiratória............................................................................................................. 5 
Sinais de Respiração ....................................................................................................... 5 
Técnicas de Abertura das Vias Aéreas ....................................................................... 6 
Manobra de Extensão de Cabeça com Elevação de Mandíbula ........................ 6 
Manobra de Empurre Mandibular ........................................................................... 7 
Obstrução das Vias Aéreas por Corpo Estranho ...................................................... 8 
Características dos Agentes Causadores de OVACE: ......................................... 8 
Tipos de OVACE ......................................................................................................... 8 
Manobras para OVACE ................................................................................................. 9 
Manobra de Heimlich ................................................................................................ 9 
Manobra de Compressão Manual Torácica ......................................................... 11 
Manobra de Compressão Manual Torácica em Lactentes ............................... 11 
Manobra de Tapotagem .......................................................................................... 12 
Suporte Ventilatório ..................................................................................................... 14 
Técnica Boca - Máscara........................................................................................... 14 
Técnica Boca a Boca ................................................................................................ 15 
Técnica Boca a Boca-Nariz ..................................................................................... 15 
Parada Cardíaca ................................................................................................................. 16 
Suporte Básico de Vida (SBV)..................................................................................... 18 
Manobra de Ressuscitação Cardiopulmonar ........................................................... 19 
Ressuscitação Cardiopulmonar – com 2 socorristas ............................................. 19 
Uso do Desfibrilador Externo Automático (DEA) .............................................. 20 
Manobra RCP em Lactentes ....................................................................................... 21 
Sinais de Morte ............................................................................................................. 22 
Morte .......................................................................................................................... 22 
Repercussões Psicológicas Relacionadas à Morte de Pacientes ..................... 22 
4 
 
 
Introdução 
Sobre a apostila 
Esta apostila faz parte do material didático oferecido como complemento do 
treinamento digital. 
 
Não é permitida a distribuição desta apostila para fins não comerciais, no qual 
cabe o direito a comercialização das empresas devidamente credenciadas. 
 
Licenças desta obra 
O conteúdo desta apostila está protegido nos termos da licença 
CreativeCommonsAtribuição –Uso Não Comercial –Não a Obras Derivadas (by-
nc-nd). 
Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os 
termos da licença a que se encontra submetida esta obra. 
Para uso comercial, você deverá comprar os direitos de uso limitados a um 
número específico de alunos. Neste caso, fale com a nossa área comercial 
5 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Parada Respiratória 
 
Parada Respiratória é a interrupção, por tempo indeterminado, dos movimentos 
respiratórios e consequente ausência de fluxo de oxigênio para os pulmões, seja 
por obstrução das vias aéreas superiores, colapso pulmonar, paralisia 
diafragmática ou em decorrência de outras causas. 
A parada respiratória pode ocorrer simultaneamente, posteriormente ou causar a 
parada cardíaca em pessoas de qualquer idade e condição física. 
 
Sinais de Respiração 
A respiração em condições normais é fácil, sem dor e sem esforço. A frequência 
respiratória (FR) varia de pessoa para pessoa. Vulgarmente, a inspiração seguida 
da expiração é chamada de respiração, mas a denominação apropriada é 
ventilação. Através da técnica do VER, OUVIR e SENTIR (VOS) é possível definir 
a FR como o número de ventilações que ocorrem a cada minuto, a técnica também 
serve para verificação dos outros sinais importantes: 
Com o paciente respirando: 
• O movimento de subir e descer do peito e do abdome, escutar e sentir o ar 
saindo pela boca e/ou nariz; 
• Com o paciente não respirando: Não apresenta o movimento de subir e 
descer do peito e abdome. Não é possível escutar e sentir o ar saindo pela 
boca e/ou nariz o que caracteriza a apneia; 
Com o paciente em respiração anormal: 
• O movimento de subir e descer do peito e abdome apresenta-se 
descompassado, com ritmo anormal com borbulhas, roncos, ruídos e sibilos. 
São sinais no paciente de parada respiratória: 
• Perda de consciência; 
• Cianose na ponta dos dedos, boca e nariz; 
• Interrupção do movimento respiratório do peito e abdome. 
6 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Resumidamente, durante o atendimento, é preciso fazer a abertura das vias 
aéreas, garantir que não haja nenhum tipo de obstrução à ventilação e fornecer 
suporte ventilatório caso necessário. 
 
Técnicas de Abertura das Vias Aéreas 
As manobras de abertura das vias aéreas são procedimentos simples, utilizados 
para garantir ao paciente, fluxo de oxigênio suficiente para manutenção de suas 
funções vitais. 
Manobra de Extensão de Cabeça com Elevação de Mandíbula 
Adultos ou crianças – Passo-a-passo: 
1) Com o paciente em posição supina, em uma superfície firme, 
posicione-se ao lado do paciente, na altura dos ombros; 
2) Segure a testa do paciente com uma das mãos e com a outra, use os 
dedos indicador e médio posicionados abaixo do queixo, segurando o 
maxilar; mova a cabeça, de modo a apontar o queixo para cima, deixando 
exposto o pescoço; 
3) Abra a boca do paciente, movendo somente o maxilar. 
 
 
Em caso suspeito de lesão de coluna e pescoço, não utilize esta manobra. 
7 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manobra de Empurre Mandibular 
Adultos ou crianças - Passo-a-passo: 
1) Com o paciente em posição supina, em uma superfície firme, 
posicione-se acima da cabeça do paciente; 
2) Coloque os cotovelos na mesma superfície do paciente, tendo a 
cabeça dele entre a palma de suas mãos; 
3) Encaixe os dedos sob o maxilar, e com os polegares empurre a 
mandíbula do paciente para cima, permitindo que a boca fique levemente 
aberta. 
 
 
8 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Não rotacione ou eleve a cabeça do paciente. Como medida preventiva, em caso 
de trauma, todos os pacientes são considerados portadores de lesões desta 
ordem. Esta manobra é a única aconselhada em caso suspeito de lesão de coluna 
e pescoço. 
 
Obstrução das Vias Aéreas por Corpo Estranho 
Feita a manobra de abertura das vias aéreas, verifique a cavidade bucal para 
identificar a existência de algum corpo estranho, que esteja dificultando a 
ventilação.A sigla OVACE – Obstrução das Vias Aéreas por Corpo Estranho, é o jargão 
utilizado pelos profissionais socorristas para designar a obstrução súbita das vias 
aéreas superiores por quaisquer elementos. 
 
Características dos Agentes Causadores de OVACE: 
• Corpos estranhos: alimentos sólidos e líquidos, vômitos ou regurgitação, 
bem como a aspiração de pequenos objetos; 
• Danos em tecidos: artefatos penetrantes no pescoço, lesões importantes 
de face, aspiração de gases quentes, ingestão de soda cáustica, coágulos 
sanguíneos provenientes de traumas e dilacerações; 
• Epiglote: reação alérgica à ingestão de alimento, medicamento, aspiração 
ou contato com substâncias que causem inflamação e espasmos 
obstruindo a epiglote (choque anafilático); 
• Enfermidades diversas: infecções e doenças crônicas respiratórias podem 
causar inflamação dos tecidos e mucosas (bronquite); 
• Língua: durante o desmaio a parte inferior da língua desloca-se para trás 
bloqueando o fluxo de oxigênio pela faringe; 
 
Tipos de OVACE 
• OVACE parcial: havendo uma redução sensível do fluxo de oxigênio para 
os pulmões, a dificuldade de respirar é uma característica de obstrução. 
Ouça atentamente a respiração, buscando por sons anormais e observe 
sinais de cianose; 
9 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
• OVACE total: é a interrupção completa do fluxo de oxigênio para os 
pulmões. O paciente apresenta agitação, não consegue falar nem tossir. 
Ocorre cianose e geralmente o paciente leva as mãos ao pescoço como 
sinal de sufocamento. 
Se o paciente não for capaz de falar e não consegue tossir, trate o caso como 
OVACE 
 
Manobras para OVACE 
A OVACE pode ocorrer com qualquer pessoa, independentemente de sua idade e 
estado físico, este fato representa um importante critério na utilização das 
manobras de desobstrução que você conhecerá agora. Fique atento! As manobras 
têm como objetivo gerar uma pressão positiva no sistema respiratório, através da 
compressão do abdome e consequente expulsão do corpo estranho causador da 
OVACE. 
 
Manobra de Heimlich 
Adultos ou Crianças na Posição Sentado ou em Pé - Passo-a-passo: 
1) Coloque-se atrás do paciente, abrace a cintura dele passando seus 
braços por baixo das axilas, com o punho fechado de uma das mãos, 
posicione a lateral do polegar contra o abdome na altura entre o umbigo e 
o apêndice xifoide (a três dedos da parte inferior do esterno); 
2) Com a outra mão sobreponha à mão já posicionada e faça um 
movimento brusco para dentro e para cima do abdome do paciente. 
 
 
10 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Em caso do adulto ou criança estar inconsciente: 
1) Coloque o paciente em posição supina sobre uma superfície firme, 
monte sobre as coxas do paciente, imitando a posição de mão da RCP 
posicione a palma aberta entre o umbigo e o apêndice xifoide; 
2) Pressione bruscamente contra o diafragma do paciente. Faça 5 
compressões rápidas no abdome, balançando seu corpo para frente e para 
trás. 
 
Não execute esta manobra em gestantes e lactentes. 
 
11 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manobra de Compressão Manual Torácica 
Gestantes e pacientes obesos - Passo-a-passo: 
1) Coloque o paciente em posição supina sobre uma superfície firme, 
coloque-se ao lado do paciente na altura do tórax; 
2) Localize o apêndice xifoide, posicione as mãos imitando a RCP, 
pressione o abdome em direção a coluna do paciente tomando o cuidado 
para não pressionar as costelas 
 
Esta técnica deve ser aplicada quando não é possível aplicar a manobra de 
Heimlich. 
 
Manobra de Compressão Manual Torácica em Lactentes 
Passo-a-passo: 
1) Coloque o lactente em posição supina sobre uma das coxas, 
deixando a cabeça mais baixa que o corpo, porém, com apoio; 
2) Localize o ponto a um dedo abaixo do esterno. Faça 5 compressões 
usando três dedos da mão livre. 
 
12 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manobra de Tapotagem 
Somente lactentes - Passo-a-passo: 
1) Sente-se para ter melhor apoio, coloque o lactente em posição 
pronada apoiado em seu antebraço, segurando com a mão o peito e 
mandíbula (use também sua coxa como apoio); 
2) Com a palma da outra mão dê 5 golpes secos na costa entre as 
escápulas do lactente. 
 
Se a OVACE for parcial, não coloque o lactente nesta posição. 
 
13 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manobra de Varredura Digital 
Sem restrição de idade e estado de saúde - Passo-a-passo: 
1) Coloque o paciente em posição supina; 
2) Cruze os dedos: polegar e indicador de uma das mãos, com eles abra 
a boca do paciente, estendendo os dedos, forçando o polegar contra os 
dentes superiores e indicador contra os inferiores; 
3) Com o polegar da mão livre segure os dentes inferiores para que a 
boca não se feche, com o indicador agora liberado, utilize como gancho 
para retirar o corpo estranho. Pode ser necessário usar os demais ou virar 
a cabeça do paciente para retirar o corpo estranho. 
 
Em crianças e lactente faça contato visual com o objeto antes de retirá-lo. 
Lembre-se: Em caso do paciente não voltar a respirar após realizada a manobra de 
abertura e desobstrução das vias aéreas é preciso iniciar imediatamente o suporte 
ventilatório. 
 
 
14 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Suporte Ventilatório 
O suporte ventilatório é um conjunto de técnicas que de modo artificial 
sustentam a ausência da ventilação natural em um paciente vítima de parada 
cardiorrespiratória. 
 
Técnica Boca - Máscara 
Adultos e crianças sem restrições ao estado de saúde - Passo-a-passo: 
1) Abra as vias aéreas com a manobra de impulsão da mandíbula; 
2) Coloque a ponta da máscara sobre o nariz, segure as bordas da 
máscara com a mão que eleva a cabeça e a base da máscara com o polegar 
que faz a elevação do queixo; 
3) Inspire profundamente e insufle, através da abertura da máscara, 
para dentro da via aérea do paciente até observar a elevação do tórax, 
sentindo a resistência ao fluxo da insuflação; insuflar durante 1,5 a 2 
segundos. 
 
 
 
 
Insufle a cada 5 segundos ou 12 por minuto. Separe a boca da máscara para 
permitir que o ar saia de seus pulmões. Se não iniciar a respiração espontânea, 
continue no seguinte ciclo: Observe os movimentos do tórax, ouvindo e sentindo 
a saída de ar; inale profundamente; insufle através da máscara; separe a boca da 
máscara para permitir que o ar saia de seus pulmões. 
 
15 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Técnica Boca a Boca 
Adultos e crianças sem restrições a estado de saúde - Passo-a-passo: 
1) Feito os procedimentos de abertura e desobstrução das vias aéreas, 
mantenha a cabeça do paciente estendida; 
2) Com os dedos polegar e indicador feche as narinas do paciente; 
3) Inspire profundamente e com a boca, envolva completamente a 
boca do paciente, para soltar o ar insuflando os pulmões; 
 
 
Insufle até sentir resistência com a entrada de ar e ver a elevação de tórax do 
paciente; repita a cada 6 a 8 segundos ou 8 a 10 vezes por minuto. 
 
Técnica Boca a Boca-Nariz 
Crianças e lactentes - Passo-a-passo: 
1) Trata-se do mesmo procedimento do Boca a Boca, porém, por 
tratar-se de um rosto de proporções menores é possível abocanhar, boca e 
nariz do paciente em uma só manobra; 
2) Insufle até sentir resistência com a entrada de ar e ver a elevação de 
tórax do paciente; repita a cada 3 segundos ou 20 vezes por minuto. 
16 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O suporte ventilatório é um procedimento que oferece riscos para paciente e 
socorrista, pois expõem ambos nas seguintes situações: 
• Caso o paciente tenha ingerido substâncias cáusticas, isso coloca em risco 
o socorrista; 
• Se o paciente possuir abdome distendido o que pode implicar em 
distensão gástrica; 
• A extensão de cabeça pode agravar lesões de coluna e pescoço; 
• No caso de um dos elementos possuir algum tipo de infecção respiratória 
que pode ser transmitidaao outro. 
Administrando Variáveis Durante as Manobras OVACE 
 O que deve ser evitado no SBV: 
• Paciente apoiado em superfície não rígida; - Paciente apoiado em 
superfície desnivelada; 
• Posicionamento inadequado das mãos no tórax. 
 
Parada Cardíaca 
17 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Parada Cardiorrespiratória (PCR) é a interrupção abrupta dos batimentos do 
coração seguido de colapso do sistema respiratório. 
O coração está localizado na cavidade torácica entre os dois pulmões, tendo a 
maior parte de sua massa (2/3) localizada a esquerda do eixo medial. Ele funciona 
como uma bomba contrátil propulsora que mantém o sangue circulando por todo 
o corpo através dos vasos sanguíneos. O sangue então é levado pelos vasos 
sanguíneos para todas as partes do corpo, através das artérias, veias e capilares. 
 
São sinais de parada cardíaca: 
• Estado de inconsciência; 
• Sem ventilação; 
• Sem batimentos cardíacos. 
Os protocolos ora apresentados estão em concordância com os procedimentos da 
American Heart Association (AHA) de outubro de 2010, para socorristas leigos, 
ou seja, não oriundos da área da saúde. Conheça a nova Cadeia de Sobrevivência 
para o Atendimento Cardiovascular de Emergência (ACE) e para Ressuscitação 
Cardiopulmonar (RCP). 
 
Cadeia de Sobrevivência (AHA) 
18 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Elo 1 – Reconhecimento imediato da PCR e acionamento do SEM; 
Elo 2 – RCP precoce com ênfase nas compressões torácicas; 
Elo 3 – Rápida desfibrilação; 
Elo 4 – Suporte avançado a vida eficaz; Elo 5 – Cuidados pós-PCR integrados. 
 
Suporte Básico de Vida (SBV) 
 Adultos e crianças - Passo-a-Passo: 
1) Paciente não responde, sem respiração, respiração anormal ou 
ineficaz; 
2) Ligue para o serviço de emergência – Serviço de Emergência Médica 
(SEM); 
3) Solicitar o desfibrilador externo automático (DEA); 
4) Inicie a RCP (ressuscitação cardiopulmonar); 
 
O que deve ser priorizado: 
• Compressão: Rápida e Forte. 
• Frequência mínima: 100 compressões/por minuto. 
• Profundidade mínima: 5 cm adultos e crianças, 4 cm para lactentes. * - 
Retorno total do tórax para nova compressão. 
• Minimizar as interrupções nas compressões. 
 
O que deve ser evitado no SBV: 
• Paciente apoiado em superfície não rígida. 
• Paciente apoiado em superfície desnivelada com a cabeça mais alta que o 
corpo. 
• Posicionamento inadequado das mãos no tórax. 
 
 
A RCP deve ser mantida até: 
• Ocorrer o retorno da respiração e circulação; 
19 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
• O pessoal mais capacitado chegar ao local e assumir o socorro; 
• O socorrista está completamente exausto e não consegue mais realizar as 
manobras de reanimação cardiopulmonar. 
 
Procedimento para socorrista leigo. Não deve ser usado em recém-nascidos*. 
*Veja procedimento para lactentes. 
 
Manobra de Ressuscitação Cardiopulmonar 
Passo-a-passo: 
1. Com o paciente em posição supina sobre uma superfície firme, localize a 
linha imaginária entre os mamilos; 
2. Coloque a palma de uma das mãos sobre esta linha, estendendo 
completamente seu braço, com a outra mão segure entre os dedos da mão 
já posicionada, estenda completamente este braço também; 
3. Inicie as compressões torácicas de acordo com os critérios abaixo: 
• Compressão: Rápida e Forte; 
• Frequência mínima: 100 compressões/por minuto; 
• Profundidade mínima: 5 cm adultos e crianças; 
• Retorno total do tórax para nova compressão; 
• Minimizar as interrupções nas compressões; 
 
 
Ressuscitação Cardiopulmonar – com 2 socorristas 
Passo-a-passo: 
20 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Socorrista 1 - Posiciona-se na linha do peito do paciente, para: 
• Verificar estado de consciência (escala AVDI); 
• Solicitar ao Socorrista 2 para ativar o SEM; 
• Solicitar ao Socorrista 2 o DEA; 
• Iniciar a RCP imediatamente; 
• Contar em voz alta o número de compressões. 
 
Socorrista 2 - Posiciona-se na linha dos ombros do paciente, do lado oposto, para: 
• Ativar o SEM; 
• Preparar o DEA; 
Os socorristas alternam entre si, a cada 2 minutos, de modo a manter a ênfase 
rápida e forte das compressões. 
 
O que deve ser priorizado: 
• Compressão: Rápida e Forte; 
• Frequência mínima: 100 compressões/por minuto; 
• Profundidade mínima: 5 cm adultos e crianças; 
• Retorno total do tórax para nova compressão; 
• Minimizar as interrupções nas compressões; 
 
Uso do Desfibrilador Externo Automático (DEA) 
O procedimento SBV deve ser mantido até a chegada do DEA. Uma vez preparado 
o equipamento no paciente, interrompa o procedimento e siga as instruções 
passadas pelo equipamento, até a chegada do SEM. 
 
21 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manobra RCP em Lactentes 
 Passo-a-passo: 
1) Com o paciente em posição supina sobre uma superfície firme, 
localize a linha imaginária entre os mamilos e deslize um dedo para baixo; 
2) Usando os dedos indicador e médio de uma só mão, sem estender o 
braço, inicie as compressões. 
 
O que deve ser priorizado: 
• Frequência mínima: 100 compressões/por minuto; 
• Profundidade mínima: 4 cm para lactentes; 
• Retorno total do tórax para nova compressão; 
• Minimizar as interrupções nas compressões; 
 
 
 
22 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sinais de Morte 
Os movimentos respiratórios e cardíacos são interdependentes. Se um deles parar, 
o outro, em curtíssimo prazo também será interrompido. Com a parada 
cardiorrespiratória o primeiro órgão a ser comprometido é o cérebro e os demais 
são afetados sucessivamente. Caso não haja socorro adequado o paciente 
morrerá. 
 
Morte 
A morte clínica é um estado reversível, quando o paciente tem a respiração e os 
batimentos cardíacos interrompidos. Já a morte biológica ou morte encefálica, é 
um processo irreversível, quando as células do cérebro morrem por falta de 
oxigênio. 
Outros sinais óbvios de morte são: decapitação - quando a cabeça está separada 
do corpo; desmembramento – uma ou mais partes importantes são separadas do 
corpo, sem qualquer chance de vida. Legalmente, o único profissional habilitado 
para decretar o estado de morte é o médico. 
 
Repercussões Psicológicas Relacionadas à Morte de Pacientes 
Embora a RCP seja considerada por alguns a iniciativa pública de maior sucesso 
nos tempos recentes, a taxa de sobrevivência com alta hospitalar ainda é muito 
baixa. Isto significa, que mesmo com a melhor performance do socorrista, muitas 
das tentativas de resgate acabam em insucesso. 
Sintomas emocionais ou mesmo físicos podem ocorrer nos socorristas após uma 
ocorrência com morte. É a chamada reação de fracasso. O desempenho na RCP é 
um fator estressante, frequentemente, o socorrista pode se sentir cansado e 
inseguro, o que pode levar ao aparecimento de ansiedade, depressão e até estafa. 
Quando o insucesso da RCP repercute emocionalmente, sugere-se que os 
socorristas trabalhem seus sentimentos, ânsias e medos, falando sobre o assunto. 
Este início de diálogo pode ocorrer privadamente através de serviços psicológicos 
ofertados dentro ou fora das empresas, em reuniões com equipe de confiança 
(colegas de trabalho-setor), após ocorrência com morte, ou no período em que o 
socorrista demonstre mudança sensível de comportamento. Uma análise do que 
foi feito ou como ocorreu, com uma discussão do que deu certo e errado pode ser 
23 
 
 Notas: 
 
 
 
 
 
 
 
 
realizada. Esta discussão é também um momento em que as pessoas podem 
aprender coisas úteis para outras situações. 
A "dimensão humana" da RCP costuma não ser discutida, por isso a importância 
de ser incorporada no treinamento e na prática de RCP. Os efeitos psicológicos, 
quando trabalhados, são importantes tanto para os socorristas como para os 
familiares no momento da morte. Com conhecimento apropriado destes fatos e 
intervenções, tanto socorristas como as famílias podem se prepararpensando no 
processo, muitas vezes angustiante, decorrente da morte.

Outros materiais