A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
[17 02 2021] Tolerância Imunológica e Autoimunidade

Pré-visualização | Página 2 de 2

↳ As doenças autoimunes podem ser 
sistêmicas ou órgão-específica; 
↳ É uma lesão crônica e progressiva; 
↳ Ocorre formação de imunocomplexos, 
autoanticorpos circulantes e Linfócitos 
T autorreativos 
 
. 
Polimorfismo Genético 
 
• Os dois principais genes associados às 
doenças autoimunes pertencem à duas 
categorias: 
↳ Genes que codificam o MHC (GENES 
do HLA) → Causam defeitos na 
apresentação; 
↳ Genes que não estão associados aos 
que codificam o MHC 
Carlos Eduardo Campos Mendes T5 Medicina 
 
Universidade Nove de Julho Campus São Bernardo do Campo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Lócus gênico dos genes que codificam o MHC 
(Gene do HLA) 
 
Mecanismos de Desenvolvimento das 
Doenças Autoimunes 
 
• Ativação espectadora → Ocorre 
por conta de uma infecção por 
microrganismo; 
↳ Essa infecção ativa as APCs teciduais 
residentes (aumento da expressão de 
coestimuladores e secreção de 
citocinas); 
↳ A alta secreção de citocinas/alta 
expressão de coestimuladores faz com 
que as APCs recém-ativadas comecem 
a apresentar antígenos próprios aos 
Linfócitos T, 
↳ Isso pode também reativar os 
Linfócitos T anérgicos. 
 
• Mimetismo molecular → Ocorre 
quando o sistema imune é exposto a um 
antígeno (proteína antigênica) com uma 
estrutura semelhante (apresentando o 
mesmo epítopo) à dos antígenos próprios; 
↳ Isso gera uma reação imune contra 
agentes próprios (reação cruzada). 
 
• Alteração da ignorância imunológica 
→ Existem sítios imunoprivilegiados 
(cérebro, olhos, testículos, útero); 
↳ Esses sítios possuem antígenos que 
são encontrados apenas neles; 
↳ Se ocorrer um trauma, por exemplo, os 
antígenos desses tecidos 
imunoprivilegiados circulam na 
corrente sanguíneo; 
↳ O sistema imune então gera uma 
reposta adaptativa contra esse 
antígeno. 
 
Febre Reumática Aguda Pós-Infecção por 
Streptococcus pyogenes 
 
• A Streptococcus pyogenes é uma bactéria 
que causa uma faringite; 
 
• Um dos componentes dessa bactéria é a 
proteína “M”, que possui uma estrutura 
muito semelhante à da miosina cardíaca 
(mimetismo molecular); 
↳ Os anticorpos produzidos conta a 
bactéria atacam o tecido cardíaco, 
causando a febre reumática. 
 
• A reação cruzada humoral e na imunidade 
dos Linfócitos T contra o coração causam 
danos às valvas cardíacas. 
 
 
Sintomas da febre reumática aguda 
Cromossomo 6 Gene do HLA 
p q 
DP DQ DR B C A 
MHC de Classe II 
Expresso apenas nas células de 
defesa 
MHC de Classe I 
Expresso em todas as células 
nucleadas 
Carlos Eduardo Campos Mendes T5 Medicina 
 
Universidade Nove de Julho Campus São Bernardo do Campo 
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico 
 
• No LES, o paciente 
afetado produz 
autoanticorpos contra 
eritrócitos, linfócitos, 
trombócitos, cardiolipina 
e contra DNA, RNA 
histonas e outras proteínas nucleares; 
 
• Essa doença é ativada por fatores 
genéticos; 
 
• Ocorre a formação de imunocomplexos 
(Hipersensibilidade III), que obstruem 
vasos de baixo calibre (como os capilares 
fenestrados do glomérulo renal). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Diabetes Melito Tipo I 
 
• Causada por uma reação dos Linfócitos T 
citotóxicos (Hipersensibilidade IV), ou 
autoanticorpos (Hipersensibilidade II) que 
atacam as células β do pâncreas que 
produzem insulina. 
↳ Infecções e distúrbios apoptóticos 
relacionar-se à liberação de antígenos 
das células β pancreáticas. 
 
 
 
 
 
 
• Tolerância é a capacidade do sistema imune de tolerar os antígenos do próprio organismo; 
↳ A tolerância é feita através de seleção: 
 Seleção positiva → Ocorre se o linfócito NÃO reage ao antígeno endógeno; 
 Seleção negativa → Ocorre se o linfócito reage ao antígeno endógeno. 
 
• Durante a sua maturação e vida, os linfócitos passam por diferentes tipos de tolerância: 
↳ Tolerância Central → Ocorre durante a maturação nos órgãos linfoides primários; 
 De Linfócitos T → Os linfócitos T selecionados negativamente sofrem deleção 
clonal, e se o Linfócito selecionado negativamente for um L TCD4+ ele pode se 
diferenciar em um Linfócito Treg (produz citocinas anti-inflamatórias, como IL-
10 e TGF-β e regulam diversos processos imunes, incluindo a autotolerância); 
 De Linfócitos B → Sofrem deleção ou edição do BCR, se forem selecionados 
negativamente, ou vão para os linfonodos, se selecionados positivamente. 
↳ Tolerância Periférica → Ocorre constantemente, durante toda a vida dos linfócitos, 
nos órgãos linfoides secundários e tecidos periféricos. 
 Os Linfócitos T selecionados negativamente sofrem anergia (perda de 
receptores), supressão (perda da capacidade de produzir citocinas) ou deleção; 
 Os Linfócitos B selecionados negativamente também sofrem anergia e deleção 
clonal (apoptose), mas também podem ser regulados via receptores inibitórios. 
 
• A autoimunidade ocorre quando o processo de tolerância é FALHO e o sistema imune 
reage a antígenos do próprio corpo; 
↳ Ativação espectadora → Ocorre por conta da infecção; 
↳ Mimetismo molecular → Ocorre pela produção de anticorpos contra antígenos 
exógenos que lembram estruturalmente os antígenos endógenos; 
↳ Alteração da ignorância imune → Ocorre quando sítios imunoprivilegiados são 
expostos aos Linfócitos, como, por exemplo, quando ocorre um trauma. 
resumo 
 
Ilhota de Langerhans de um 
indivíduo normal 
Ilhota de Langerhans de um 
paciente com DM1, 
apresentando infiltrado de 
linfócitos.