A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
265 pág.
manual eSocial 1 0

Pré-visualização | Página 22 de 50

da folha de pagamento pela comercialização da produção, conforme o FPAS informado no 
evento S-1020. 
9. Obras de construção civil 
9.1. Para as obras de construção civil, que possuem responsáveis pessoas físicas ou jurídicas, a 
matrícula CEI foi substituída pelo CNO, sempre vinculado a um CPF ou a um CNPJ. Se a obra possui 
matrícula CEI, esta deve ser migrada para o CNO. O número de inscrição no CNO permanecerá o mesmo 
número do CEI. Desse modo, é possível saber que a inscrição no CNO é relativa à atividade 
anteriormente matriculada no CEI. 
9.2. Quando se tratar de obra própria ou empreitada total, é de responsabilidade da construtora 
fazer o cadastro da obra no CNO e esta obra deve ser informada no eSocial, no evento S-1005. Este 
evento só é obrigatório nos casos em que devam ser prestadas informações relativas a essa obra, por 
exemplo, quando houver empregados ou prestadores de serviço autônomos a ela vinculados. 
9.3. No caso de obra de construção civil de pessoa jurídica - CNO, o campo {fap} deve ser preenchido 
com aquele publicado para o estabelecimento (CNPJ) em que a obra foi vinculada/cadastrada no 
sistema CNO. 
10. Declarante sem movimento 
10.1. Se no início da obrigatoriedade do eSocial o declarante estiver na situação de “Sem 
movimento”, não há necessidade de envio deste evento. 
 
73 
 
11. Órgãos Públicos 
11.1. Os órgãos públicos da administração direta, autárquica ou fundacional podem cadastrar 
estabelecimentos com CNPJ igual ou diferente da raiz (8 posições) da inscrição do órgão público 
informado no evento S-1000. No caso de CNPJ de raiz diferente, o estabelecimento deve pertencer ao 
mesmo EFR, definido no campo {cnpjEFR} do evento S-1000. 
 
S-1010 – Tabela de Rubricas 
 
Conceito: apresenta o detalhamento das informações das rubricas constantes da folha de pagamento 
do declarante, permitindo a correlação destas com as constantes da “Tabela 3 – Natureza das Rubricas 
da Folha de Pagamento” do eSocial. É utilizada para inclusão, alteração e exclusão de registros na 
Tabela de Rubricas do declarante. As informações consolidadas desta tabela são utilizadas para 
validação dos eventos de remuneração dos trabalhadores. 
Quem está obrigado: o declarante na primeira vez que precisar enviar informação de remuneração 
ao eSocial e toda vez que for criada, alterada ou excluída uma determinada rubrica. 
Prazo de envio: este evento deve ser enviado antes dos eventos relacionados à remuneração do 
trabalhador, quais sejam, os eventos S-1200, S-1202, S-1207, bem como antes dos eventos S-2299 e 
S-2399, que referenciam rubricas pagas na rescisão. 
Pré-requisitos: o evento exige o cadastro completo das Informações do evento S-1000 e o envio do 
evento S-1070 caso haja processo administrativo ou judicial que altere as incidências previdenciárias 
e/ou tributárias e do FGTS. 
Informações adicionais: 
1. Assuntos gerais 
1.1. O declarante pode manter a sua própria Tabela de Rubricas utilizada atualmente, não sendo 
obrigatória a modificação de sua nomenclatura para adesão ao eSocial. É feita uma correlação entre a 
Tabela de Rubricas do declarante com a “Tabela 3 – Tabela de Natureza das Rubricas da Folha de 
Pagamento” do eSocial. 
1.2. Para o envio das informações deste evento, o declarante indica as incidências de FGTS, 
Contribuição previdenciária e do Imposto de Renda Retido na Fonte para cada rubrica cadastrada e 
essas informações são utilizadas pelo eSocial para o cálculo dos tributos/depósitos de FGTS devidos. 
As informações de incidências acima referidas têm caráter declaratório pelo declarante e não são 
objeto de validação pelo eSocial. 
74 
 
1.3. Os códigos de rubrica a serem informados neste evento não podem iniciar com a expressão 
“eSocial”, sendo irrelevante, nesse caso, o uso de caractere maiúsculo ou minúsculo. Exemplos: 
eSocial001, esocial001, ESOCIAL001, entre outros. Há uma tabela padrão adotada pelo eSocial que 
utiliza essa codificação. No leiaute há regra impedindo essa codificação, que vale para todas as Tabelas. 
1.4. As rubricas informativas “9908– Valor Depósito FGTS”, “9902 – Total de Base de Cálculo FGTS”, 
“9904 – Total de Base de Cálculo FGTS Rescisório”, “9901 – Base de cálculo da contribuição 
previdenciária” e “9903 - Total da base de cálculo do IRRF” devem, obrigatoriamente, ter o código de 
incidência [00] nos campos {codIncCP} e {codIncFGTS} e [79] no campo {codIncIRRF}, uma vez que são 
rubricas apenas de conferência pelo recolhedor da base de cálculo do FGTS, da contribuição 
previdenciária e do imposto de renda. O declarante não é obrigado a informar valores nessas rubricas 
nos eventos periódicos. 
2. Cadastramento, alteração, inclusão de nova vigência e fim de validade das rubricas 
2.1. Na Tabela de Rubricas não pode haver dados diferentes para a mesma rubrica e o mesmo 
período de validade. Havendo necessidade de correção de um atributo de uma rubrica, deve ser 
enviado o evento com o mesmo código da rubrica informado no grupo [alteracao], podendo ou não 
ser mantida a data de início de vigência. Sendo necessária modificação nos dados de alguma rubrica, a 
partir de uma determinada data, faz-se necessário enviar o evento com o mesmo código da rubrica e 
novo período de validade informado no grupo [inclusao]. 
2.2. As rubricas precisam ser cadastradas uma única vez e elas são utilizadas nos eventos de 
remuneração a partir do início de sua validade. Não é necessário que as rubricas sejam cadastradas em 
cada competência, ou seja, com início e fim de validade no mesmo mês. A informação apenas do início 
de validade permite a utilização da rubrica indefinidamente. 
2.3. Caso a rubrica deixe de ser utilizada em definitivo, o declarante pode simplesmente deixar de 
referenciá-la nos eventos de remuneração ou, caso julgue necessário, informar a data fim de validade. 
2.4. Se houver mudança de qualquer informação relativa a uma rubrica, por exemplo, incidência ou 
descrição, ela pode ser alterada mediante os seguintes procedimentos: 
a) Enviar a mesma rubrica, com a mesma vigência e atributos diferentes (grupo [alteração]): 
Data do 
envio 
Ação Código da 
rubrica 
Descrição da 
rubrica 
Início de 
validade 
Fim de 
validade 
01/08/2018 Inclusão Sal01 Salário 08/2018 
01/08/2019 Alteração Sal01 Salário mensal 08/2018 
Observação: no exemplo acima, prevalece a informação do evento enviado em 01/08/2019, 
substituindo o evento enviado em 01/08/2018. 
75 
 
b) Enviar a mesma rubrica, com modificação de atributo a partir de uma determinada data 
(grupo [inclusao]), sem informação de fim da vigência anterior: 
Data do 
envoi 
Ação Código da 
rubrica 
Descrição da 
rubrica 
Início de 
validade 
Fim de 
validade 
01/08/2018 Inclusão Sal01 Salário 08/2018 * 
01/08/2019 Inclusão Sal01 Salário mensal 08/2019 
 (*) Após a inclusão de nova vigência em data posterior, o eSocial presume o fim da validade da rubrica 
na competência imediatamente anterior, ou seja, em 07/2019. Caso o evento com início de validade em 08/2019 
seja excluído, o anterior volta a ter vigência indefinida. 
c) Informar o fim de validade da rubrica e, posteriormente, enviar a mesma rubrica com as novas 
características e novo início de validade (grupo [inclusao]): 
Data do 
envio 
Ação Código da 
rubrica 
Descrição da 
rubrica 
Início de 
validade 
Fim de 
validade 
01/08/2018 Inclusão Sal01 Salário 08/2018 
31/07/2019 Alteração Sal01 Salário 08/2018 07/2019 
01/08/2019 Inclusão Sal01 Salário mensal 08/2019 
(*) Caso o evento com início de validade em 08/2019 seja excluído, o anterior não volta a ter vigência 
indefinida. 
2.5. Para que a modificação de atributo de alguma rubrica tenha efeito em evento remuneratório e 
seu respectivo totalizador é necessário que ela ocorra antes do envio deste evento. Caso contrário, é 
necessário que após a modificação dos atributos da rubrica o evento de remuneração seja retificado 
ou, ainda, excluído e reenviado. (ver