A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
202 pág.
livro (2)

Pré-visualização | Página 8 de 50

a ciência que estuda o comportamento.
• É clara a dificuldade de definição da Psicologia Social por não se ter consenso 
em relação aos seus objetivos e aplicação.
• Psicologia Social pode ser definida como a área da Psicologia que estuda a 
relação entre indivíduo e sociedade ou, então, a interação social.
• A Psicologia Social compartilha com as demais ciências humanas o estudo do 
homem e, por esse motivo, as diferenças e semelhanças com as demais áreas 
em alguns momentos gera dúvida por grande parte dos que se atrevem a 
conhecê-la com mais afinco. A maior dúvida está na diferença entre Psicologia 
Social e Sociologia, porque é comum o fato dela ser colocada entre a Psicologia 
e a Sociologia.
• O termo “social” desperta vários significados e conotações. Em seu sentido 
“puro” se refere às relações sociais, à sociedade: Psicologia Social seria então a 
aplicação da Psicologia aos fatos sociais.
RESUMO DO TÓPICO 1
19
1 A partir das informações trazidas neste tópico, defina Psicologia Social, 
diferencie-a das demais áreas da Psicologia e da Sociologia e, por último, 
explique o significado do termo “social” presente nesta nomenclatura.
AUTOATIVIDADE
DICAS
Para um aprofundamento destes temas, sugiro que você leia os seguintes livros:
RAMOS, A. Introdução à Psicologia Social. 4. ed. São Paulo: Casa do 
Psicólogo, 2003.
FIGUEIREDO, Luís Cláudio Mendonça; DE SANTI, Pedro Luiz Ribeiro. 
Psicologia: uma nova introdução. 2.ed. São Paulo: EDUC, 2004.
20
21
TÓPICO 2
A INVENÇÃO DA PSICOLOGIA SOCIAL
UNIDADE 1
1 INTRODUÇÃO
FIGURA 5 – PSICOLOGIA SOCIAL
FONTE: Disponível em: <http://psicologiaadm.blogspot.com/2011/04/psicologia-social-do-que-
se-trata.html>. Acesso em: 1 nov. 2011.
Falar em invenção da Psicologia Social não significa acreditar que seu 
surgimento se deve a um mero acaso ou “capricho” de algum intelectual buscando 
evidência, mas invenção a partir da premissa de que é fruto de uma necessidade 
histórica, em que se exige um novo campo do saber, que possa trazer respostas e 
propor soluções até então inacessíveis e inconcebidas. A partir dessa constatação, 
explicar o aparecimento relativamente recente de um campo de conhecimento 
e de um conjunto de práticas, para se ocupar das “relações sociais” entre os 
indivíduos, é o que nos propomos a seguir. 
Iniciaremos buscando melhor compreender seu surgimento em nível 
mundial, para daí, então, refletirmos sobre as peculiaridades do surgimento e 
construção da Psicologia Social no Brasil.
UNIDADE 1 | PSICOLOGIA SOCIAL: ORIGEM E DEFINIÇÃO
22
2 PSICOLOGIA SOCIAL MODERNA: UM FENÔMENO 
CARACTERISTICAMENTE AMERICANO
FIGURA 6 – MEDITAÇÃO
FONTE: Disponível em: <http://prcardson.blogspot.com/2011/03/confissao-positiva-realmente-
vale-pena.html>. Acesso em: 1 nov. 2011.
São infindáveis as controvérsias ou mesmo a ênfase dada na bibliografia da 
área a respeito do histórico da Psicologia Social. Temos desde os que ignoram essa 
temática a alguns poucos que se atrevem a fazer algumas inferências. Muito poucos 
são os que buscam aprofundar essa questão de forma consistente.
Entre os que consideram esse tema relevante, há o consenso de que existem 
resquícios da Psicologia Social tal como é concebida hoje, desde o momento em 
que se buscou estudar e compreender a natureza social do homem ou mesmo a 
formação da sociedade. No entanto, de forma mais sistemática, normalmente, tem-
se sua demarcação, enquanto área do conhecimento, no final do século passado 
ou mesmo durante este século. Buscaremos melhor compreender esse momento 
em específico, deixando de lado a “pré-história” da Psicologia Social (as bases 
filosóficas que serviram como alicerce ao momento que vivenciamos hoje).
Em se tratando de marcos, datas e nomes, ao final do século XIX, encontramos 
grande produção no que foi denominado “Psicologia das massas”. Nessa época 
surgem livros como “As leis da imitação”, de Gabriel Tarde (1890), “A Psicologia das 
multidões”, de Gustave Le Bon (1895), “As representações individuais e coletivas”, 
de Émile Durkheim (1898) e, ainda, os dez volumes de “Psicologia dos povos”, de 
Wundt, entre 1900 e 1920 (MAYORGA; PRADO, 2007).
Nesse sentido, não há consenso em relação ao seu surgimento exatamente, 
no entanto, muitos autores acabam por considerar como marco inaugural da 
Psicologia Social, e inauguração da denominação “psicologia social”, a publicação, 
em 1908, de “Social psychology” pelo sociólogo Edward A. Ross, e “An introduction 
TÓPICO 2 | A INVENÇÃO DA PSICOLOGIA SOCIAL
23
to social psychology”, pelo psicólogo William McDougall. O que parece ser consenso 
é que a Psicologia Social surge no século XX como uma área da Psicologia que faz 
uma ponte entre a Psicologia e a Sociologia. Sua formação está muito atrelada aos 
movimentos ideológicos e conflitos presentes nesse período.
Já ao se referir a acontecimentos recentes que contribuíram para a 
solidificação da Psicologia Social enquanto estudo científico e sistemático, temos um 
desenvolvimento bastante grande após a Primeira Guerra Mundial. Juntantemente 
com outras ciências sociais, buscou-se procurar compreender as crises e as convulsões 
que abalavam o mundo naquela ocasião. No entanto, seu reconhecimento e o período 
de maior produção se dão, segundo Farr (1999), após a Segunda Guerra Mundial. 
A guerra, com suas nuances e consequências, acabou por impulsionar de 
forma avassaladora o desenvolvimento da Psicologia Social, semelhante ao que 
a Primeira Guerra Mundial fez com os testes psicométricos. Nessa perspectiva, a 
Segunda Guerra Mundial é um elemento-chave para a compreensão da construção 
da Psicologia Social e, a partir dela, é possível significar as características da 
mesma tal qual conhecemos hoje.
Na Segunda Guerra Mundial são inúmeras as pesquisas realizadas pelos 
cientistas sociais, com o intuito de buscar respostas para várias questões que 
se colocavam naquele momento. Como exemplo, foram realizados inúmeros 
levantamentos sociais com o objetivo de adequar os soldados à vida do exército, 
bem como entender a participação nos combates e as consequências associadas. 
As várias pesquisas realizadas naquele momento foram importantes por 
uma série de razões, sobretudo para o desenvolvimento de programas conjuntos 
de pesquisa entre Psicologia e Sociologia. Vários programas interdisciplinares têm 
início nesse período, em várias universidades. Esse fato em específico é de suma 
importância para o desenvolvimento da Psicologia Social na era moderna. Em 
muitas disciplinas, inclusive em Psicologia Social, a geração de estudantes de pós-
graduação após a guerra foi qualitativamente e quantitativamente rica.
É possível afirmar que foram muitos os fatores que moldaram e interferiram 
no desenvolvimento histórico da Psicologia Social. Acontecimentos da vida real 
podem e acabam tendo uma influência marcante e, muitas vezes, dramática no 
desenvolvimento histórico das disciplinas acadêmicas. Em relação à Psicologia 
Social isso não foi diferente. Para Cartwright (apud FARR, 1999, p. 24) “[...] se 
fôssemos obrigados a nomear uma pessoa que teve o maior impacto nesse campo, 
essa deveria ser Adolf Hitler”. O que fica claro é a importância e os grandes reflexos 
da Segunda Guerra Mundial para a Psicologia Social. 
Além dos estudos anteriormente citados, o próprio surgimento do nazismo 
na Alemanha fez com que vários intelectuais migrassem para a América, dentre 
eles, Kurt Lewin, Heider, Kohler, Wertheimer etc. Foi de particular importância 
a migração dos psicólogos da Gestalt da Áustria e da Alemanha para a América. 
A presença desses personagens e de muitos outros nos Estados Unidos, mais 
especificamente, foi crucial para o engrandescimento da Psicologia Social. 
UNIDADE 1 | PSICOLOGIA SOCIAL: ORIGEM E DEFINIÇÃO
24
Nesse sentido, ao buscarmos compreender a origem

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.