A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
76 pág.
Estradas e Aeroportos (2)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Estradas e Aeroportos
Instituto Federal do Maranhão - IFMA
Curso de Engenharia Civil
Mecânica dos Solos II
Professora Ana Paula Matos Gomes
2021
ESTRADAS E AEROPORTOS
ANDRÉ LUCAS FERREIRA RODRIGUES
ANDRESSA RACKELL MENEZES
EMMANOELLE CINTRA DA CUNHA ARAÚJO
IVAN ROCHA BANDEIRA ARAÚJO
São Luís
2021
Trabalho apresentado como requisito parcial para aprovação na disciplina Mecânica dos Solos II, do Curso de Engenharia Civil do Instituto Federal do Maranhão.
 Profª Ana Paula Matos Gomes. 
Tópicos
INTRODUÇÃO
FUNDAÇÕES DE ATERROS
REMOÇÃO DA CAMADA MOLE
DRENOS VERTICAIS DE AREIA
ATERROS DE ACESSO
FUNÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E PROJETO DE ESTRADAS
COMPORTAMENTO E CONTROLE DO PAVIMENTO
ACIDENTES DE CONSTRUÇÕES DE ESTRADAS
REFERÊNCIAS
BERMAS
INTRODUÇÃO
A sociedade se desenvolve de acordo com a evolução do seu sistema de transporte e as estradas fazem parte desse sistema, que evolui com o progresso tecnológico, sendo este dependente direto dos recursos técnicos e financeiros de um país.
 As estradas têm uma função econômica, que se manifesta em todas as épocas de sua evolução. Elas dão origem a povoações ao longo do percurso, ampliam as formações urbanas, valorizam terrenos atravessados, permitem o deslocamento rápido de grandes massas de produtos e estimulam o bem estar e o progresso para as regiões.
FUNDAÇÃO DE ATERRO
Projeto de fundações
Solo
Solicitações
Problemas recorrentes
REMOÇÃO DA CAMADA MOLE
Definição
TIPOS DE SOLOS MOLES
Depósitos de solos orgânicos
Solos turfosos
Areia fofa
Solos hidromórficos
REMOÇÃO DE SOLOS MOLES
Equipamentos:
Trator de esteira leve;
Escavadeira de arrasto ("drag-line"); 
Retroescavadeiras e Escavadeiras Hidráulicas;
Escavadeira de mandíbulas ("clam-shell").
REMOÇÃO DE SOLOS MOLES
Manejo ambiental
DRENAGEM DOS PAVIMENTOS
Contribui para a segurança do tráfego;
Reduz a permanência da água sobre o pavimento;
Conduz a água de forma segura.
SUPERFICIAL
SUBSUPERFICIAL
DRENAGEM SUPERFICIAL
Conjunto de dispositivos que interceptam e captam as águas pluviaise as conduzem de forma segurapara fora do corpo estradal.
Valetas de proteção;
Sarjetas de pé de cortes, de borda de aterro e de canteiro central;
Caixas coletoras e bueiros.
Capacidade hidráulica é dada por: 
Onde:
Q = vazão (m³/s);
S = área molhada da sarjeta (m²);
n = coeficiente de rugosidade de Manning
Rh = raio hidráulico (m);
I = declividade da sarjeta (m/m).
DRENOS DE PAVIMENTO
É permitido que as sarjetas sejam dimensionadas considerando-se uma largura de inundação maior que sua própria largura (DNIT, 2006).
DRENAGEM SUBSUPERFICIAL
Pode ser implantada na rodovia através de drenos embutidos no pavimento ou inserção de camadas drenantes na estrutura do pavimento;
São geralmente implantadas em rodovias com alto índice pluviométrico (acima de 1500mm/ano) e alto tráfego de veículos (tráfego diário médio acima de 500 veículos comerciais).
DRENOS DE PAVIMENTO
Dimensionados a partir da Fórmula de Darcy: Q = k * A * I
Onde:
Q = vazão (m³/s);
k = coeficiente de condutividade hidráulica;
A = área de escoamento (m²);
I = gradiente hidráulico.
BERMAS
"Parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos, em caso de emergência, e à circulação de pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado para esse fim.” (CTB)
BERMAS 
Evitam a formação dos bulbos e o deslocamento do material instável, bem como o afundamento do material de boa qualidade do aterro, obtendo-se um processo de estabilização rápido e econômico. (DNIT)
RELEVÂNCIA
Acomodar veículos parados;
Providenciar área de escape para veículos errantes;
Aumentar a distância lateral entre o tráfego e a sinalização;
Aumentar a distância de visibilidade em cortes;
Disponibilizar áreas para operações de manutenção.
CARACTERÍSTICAS
Delimitação entre a faixa de tráfego e o acostamento para evitar invasões involuntárias;
Inclinação transversal adequada para permitir drenagem;
Largura sufuciente para uso emergencial;
Suave transição através da borda da pista/acostamento.
(OLIVEIRA, 2008)
"...os acostamentos melhoram significativamente o desempenho do pavimento da pista principal, seja aumentando a sua vida útil de 100 a 400% ou reduzindo a espessura necessária do revestimento da pista principal em cerca de 25%."
TIPOS
Berma sem qualquer revestimento, susceptível de deformações pela ação do tráfego e das intempéries.
Berma não pavimentada, de solo granular adequadamente estabilizado.
Berma com as mesmas características da faixa de rodagem.
ACOSTAMENTO NÃO PAVIMENTADO
ACOSTAMENTO ESTABILIZADO
ACOSTAMENTO PAVIMENTADO
Acostamento 
Não Pavimentado
Acostamento 
Estabilizado
Acostamento 
Pavimentado
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Classificação de rodovias segundo o DNIT
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Largura do 
acostamento
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Declividade do acostamento
Declividade do acostamento variando entre 2% a 8%;
Declividade entre a pista principal e o acostamento menor ou igual a 7%;
DNER - Declividade transversal de 5%.
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Alturas toleráveis de degrau entre a pista e o acostamento em função da velocidade do tráfego e da forma do degrau. (OLIVEIRA, 2008)
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Alturas toleráveis de degrau entre a pista e o acostamento em função da velocidade do tráfego e da forma do degrau. (OLIVEIRA, 2008)
CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS
Alturas toleráveis de degrau entre a pista e o acostamento em função da velocidade do tráfego e da forma do degrau. (OLIVEIRA, 2008)
DEFINIÇÃO (DER)
ATERRO DE ACESSO
O aterro de acesso consiste no lançamento e compactação de uma via provisória de apoio à execução das obras: sondagens, implantações de obras de arte, fundações, corta-rios, bueiros, drenos e demais dispositivos de drenagem. 
MATERIAIS
ATERRO DE ACESSO
Podem ser utilizados solos, pedregulho ou solo contendo fragmentos de rocha; 
Estes materiais devem estar isentos de materiais orgânicos. 
Os locais de extração dos solos devem ser os estabelecidos no projeto ou indicados pela fiscalização. 
EQUIPAMENTOS
ATERRO DE ACESSO
caminhão irrigador; 
caminhão basculante; 
escavadeira hidráulica; 
motoniveladora ripper; 
rolo compactador; 
trator agrícola; 
outros equipamentos manuais que se fizerem necessários. 
caminhão irrigador
caminhão basculante
escavadeira hidráulica
motoniveladora ripper 
rolo compactador
trator agrícola 
CLASSES DE ATERROS
ATERRO DE ACESSO
Classe I 
Aterros junto a estruturas rígidas, tal como os encontros de pontes e viadutos e demais interseções, bem como aterros próximos a estruturas sensíveis como oleodutos. A extensão do aterro classe I deve ser pelo menos 50 m para cada lado da interseção. 
CLASSES DE ATERROS
ATERRO DE ACESSO
Classe II 
São os aterros que não estão próximos a estruturas sensíveis, porém são altos, definindo-se como altos os que têm alturas maiores que 3 m. 
CLASSES DE ATERROS
ATERRO DE ACESSO
Classe III 
Os aterros classe III são baixos, isto é, com alturas menores que 3 m e afastados de estruturas sensíveis.
EXECUÇÃO
ATERRO DE ACESSO
O aterro de acesso deve, preferencialmente ser implantado dentro da faixa de domínio, e ter suporte suficiente para permitir o trafego dos equipamentos e veículos necessários à execução das obras.
O material de aterro deve ser carregado na jazida e transportado até o local de execução dos serviços. 
EXECUÇÃO
ATERRO DE ACESSO
O material deve ser descarregado e espalhado em espessuras que permitam a sua compactação através das passagens do equipamento durante o espalhamento do material. 
A camada final deve receber quatro passadas de compactação, ida e volta, em cada faixa de tráfego do equipamento. 
COMPACTAÇÃO
ATERRO DE ACESSO
Fatores adversos e aleatórios perturbam sua operação: chuvas, excesso de umidade do solo e variação imprevisível nas suas características;
A meta almejada deve ser sempre a obtenção das massas específicas indicadas no Projeto de Engenharia e/ou pelas Especificações das Obras.